Archive for the 'MEDIDAS DA BAGAGEM DE CABINE' Category



13
jun
10

fazendo as contas… europa, orçamento low cost mesmo!

ESTE BLOG MUDOU DE ENDEREÇO:

http://www.maladerodinhaenecessaire.com

Na sexta feira, tivemos nosso encontro no Cocoon. Fizemos de tudo, menos acertar as contas da viagem.  Então, ontem resolvi encarar a dura realidade. Que acabou, nem sendo tão dura assim!!! Eu sabia que não tinha dilapidado a fortuna da família, mas o total foi simplesmente ridículo.  Num post a parte, ou nos posts sobre cada cidade, vou  detalhar tudo. Mas dá para acreditar que para visitar 4 países da Europa, saindo de Londres e voltando, foi menos de 1.100 reais???? De passagens de avião (Easyjet e Ryanair) e os ônibus entre os aeroportos (na maioria, longe do centro) e as cidades que visitamos, foram exatos 510 reais.  Um pouco mais que uma passagem só de ida para São Paulo (aqui do lado).  E para 13 noites, 565 reais de hospedagem. Pode???

Ok. Para nós, que moramos no Brasil, tem a facada para cruzar o Atlântico. E antes, outra facada para chegar ao aeroporto, no caso do Rio de Janeiro, o Tom Jobim ( no site do aeroporto, é meio difícil encontrar a companhia de ônibus que faz a ligação com o centro da cidade, dão apenas o telefone. O que quer dizer que  a maioria usa mesmo o táxi, principalmente quem vem de fora). Enfim, não há termos de comparação.  Ao contrário, em todos os aeroportos que já pousei por lá, existe um transporte, seguro, econômico e confiável, entre o aeroporto (seja central ou afastado) e o centro da cidade, em questão, com lugar seguro para a bagagem, alguns com câmeras (para os mais desconfiados), tomarem conta de seus pertences.

Quanto às companhias low cost, pode parecer pegadinha, mas não é. Desde que se cumpra à risca o que está escrito no seu bilhete. No próximo post, falo mais sobre isso.

Até!

Anúncios
13
maio
10

back to london – ryanair experience

Nossa volta até que foi tranquila, considerando tudo que poderia ter acontecido. A tal nuvem do vulcão, continua atrapalhando e muito, todo o transporte aéreo na Europa. Nosso vôo de volta era as 11 30. Acordamos cedo, entuchamos tudo nas malinhas, mas deixamos separados os líquidos, o netbook, os celulares,

os passaportes, as passagens, o guarda chuva e algum dinheiro. Com exceção dos 2 últimos ítens, a gente tem que ter tudo isso à mão, para passar no security, além de ter que colocar na bandeja que vai passar pelo raio x, a malinha, a bolsa, o  seu casaco, botas ou tênis, e o cachecol, se tiver com um. Ou seja, isso tudo já é um volume a mais, além da malinha permitida pela companhia.

Não tem como não rolar uma certa tensão.

Funciona asssim =

Os passageiros que não são da comunidade européia, mesmo fazendo o check in online, tem que se apresentar no   balcçao BAG DROPP-VISA CHECK  da companhia, para conferir a passagem e o passaporte.  A atendente sapeca um carimbo e pronto.  Só que essa simples ação pode demorar, dependendo da fila que se tem pela frente. Como vários vôos tinham sido cancelados, por causa do vulcão,  imaginamos que haveria uma multidão. Para nossa surpresa, não havia ninguém, talvez pela antecedência com que chegamos ao aeroporto de Dublin.

Depois do balcão,  segue o security. Outra fila se forma, e começa o streap tease.  Na sua bagagem de mão,  assim como  no seu corpicho,  não pode haver nenhum objeto cortante (nem a mais inocente tesourinha de unha, alicate de cutícula, até pinça muito fina é confiscada).  No quesito líquidos, nenhuma embalagem com mais de 100 ml, e tudo deve estar dentro de um recipiente plástico selável, tipo Ziplock. Além disso, temos que tirar os calçados, o casaco, a bolsa, o netbook, o celular. Ou seja, tudo que não seja você, tem que estar nestas bandejas, enquanto você  passa por um detector de metais. Dependendo do aeroporto, uma fiscal ainda faz uma revista táctil…apalpando por cima da  sua roupa. Até aí,  é igual para todo o mundo. Da primeira classe de companhias tradicionais até às lowcosts.

Só depois de passar no security é que se sabe qual será o portão de embarque do seu vôo lowcost.  Geralmente, os quadros, onde estão os vôos e seus respectivos portões de embarque estão bem visíveis. Descubra qual é seu portão e prepare-se para andar…

Para quem vai viajar de lowcost,  começa a tensão.  Normalmente o portão de embarque é super longe. Anda-se muito!!! Então aconselho a passar pelo security com uma certa antecedência. Por exemplo, se o portão de embarque fecha às 11 00,  faça seu security com uma hora +- de antecedência, para não ter que sair correndo,  catando os líquidos e colocando sapato no meio do caminho, com o passaporte e cartão de embarque ocupando uma das mãos!

Chegando no portão,  tem gente de todo o jeito. No vôo de Londres para Dublin, achei que eu era a única neurótica com as regras da companhia. Muita gente com mala e mochila, mãe com filha, carrinho, comprinhas no free shop, e ainda por cima, fazendo um lanchinho,  outro com uma mala visívelmente maior do que a permitida + uma mochila.  Pois todo mundo embarcou!!! Nós e a torcida do Flamengo. No stress!

Já no voo de Dublin para Londres, a tensão estava no ar. Cinco, isso mesmo, 5 funcionários da Ryanair estavam no portão de embarque. Dois, checavam o boarding pass, duas regulavam com o olhar a bagagem, e a outra, bem, a outra, conto já, já.

À nossa frente, vários pessoas começavam a se transforamar em seres mutantes. Todo mundo tentando camuflar o segundo volume, em seu próprio corpo, disfarçado debaixo do casaco, dentro das calças, por dentro do sweter.  Os muito gordos levam uma certa vantagem… mas na fila, tinha homem com peito pontudo (podia ser a câmera), mulheres com ligeiros defeitos nos quadris (a bolsa), outra magrela com uma cintura avantajada (uma pochete) e euzinha, absolutamente grávida de trigêmeos ( era o netbook, a carteira e putz!!! um guarda chuva!) Ninguém merece!  Tudo isso disfarçado   Pois bem, a fila foi andando e pessoas foram sendo colocadas num espaço ao lado do balcão. A tal quinta elementa, era a megera que pegava as malinhas e mandava colocar no engradado. Não entrou??? Extra charge!!!

O veredito era dado rapidamente. Se a mala não escorregasse facilmente engradado adentro, era recolhida e o infeliz passageiro, deveria pagar ali mesmo, à vista, a quantia de 35 euros.  Eu já estava a caminho do avião, quando vi Carol, minha filhota, cair na malha fina (ou seria mala fina?). Apavorada, “grávida´´ de um computador e de um guarda chuva, com o cachecol por cima, fui ver o que estava acontecendo. Pois a mesma malinha que viajou de Londres para Dublin pela mesma Ryanair, foi confiscada e só embarcaria, com o pagamento da módica quantia. Não entrou escorregando no tal engradado… E eu, com tudo errado, passei livre, (pouco) leve e solta. Minha malinha, nem sequer foi testada! A alça da malinha de Carol e o tecido não ajudaram na hora da descida triunfal no engradado e pimba!!!

Não adianta argumentar. Foram vários passageiros na mesma situação.  Todos desconfiados que o engradado estava menor, que tudo é completamente aleatório, que um dia eles decidem ganhar dinheiro com quem pagou míseros 3 euros pela passagem.  O fato é que além do tamanho exato da mala, a textura tem uma importância fatal. Um tantinho assim a mais, se você tiver que empurrar a tal mala, vai  custar 35 euros ou libras. Sem choro, nem vela. Então, meu consellho é = se não tiver certeza, é melhor bookar uma mala de porão, e despachar, antes de embarcar, no site da companhia.  É muito mais barato e menos estressante.

Depois disso, entubado o prejuízo, percorre-se um caminho alegre e feliz rumo ao avião.  Ao ar livre, mesmo (eis aí  o porquê do guarda-chuva). Nesse lindo dia, choveu graniso, enquanto esperávamos para subir as escadas que nos levariam a aeronave.

Uma vez lá dentro, você coloca sua mala no compartimento, senta em qualquer poltrona liivre, e ou se diverte, ou corta os pulsos com a faquinha que roubou do avião da companhia que serve refeições a bordo. É uma feira! Mal decolamos e os comissários começam a anunciar e vender revista,  lanche,  refrigerante, perfumes, raspadinha, prêmio relâmpago. Num vôo de uma hora, você nem percebe o tempo passar.

Lowcost um caso de amor e ódio! VOCÊ ama porque pode viajar e atravessar países baratinho. E odeia…porque a companhia tira dinheiro de onde pode.

Na chegada a Londres, encontramos na esteira, a espera de suas malinhas reprovadas, vários passageiros irados! Uma chinesa que estava rodando a Europa, outraa que como Carol já tinha viajado váaaaaarias vezes com a mesma mala…

Mas, como sou otimista de carteirinha, pensei… foi só a mala! poderia ter sido o vulcão! kabum!!!!

Falo mais de Dublin nos próximos posts.

Até!

01
maio
10

Quase tudo “nos conforme” para viajar!

ESTE BLOG MUDOU DE ENDEREÇO:

http://www.maladerodinhaenecessaire.com

Nem precisa dizer que estou completamente surtada! Estou com as turbinas a mil e sinto que posso levantar vôo sozinha, sem precisar da Air France. Exausta, com dor nas costas, mas feliz da vida. Passei a semana debruçada no computador, desenhando um roteiro que viraram sete, até conseguir um roteiro final e em conta. Tudo low cost, às vezes mais outras menos. Mas para isso, ao fazer a malinha, quase usei uma balança de cozinha.  Pesei a dita cuja, umas cinco vezes. Cheguei a tirar um tubinho de clolírio!

Desta vez foi mais difícil. Eu acostumada com frio mesmo. Um casacão, uma boa bota, luva e cachcol e por baixo duas mudas de roupa. Mas agora é primavera, mas ainda rola um friozinho. Então, fiz assim:

2 calças jeans ( ainda posso tirar uma! uma vai em mim)

2 calças térmicas (vão servir para esquentar e para dormir)

1 robe de chambre  (bem fininho e magrinho, para ficar à vontade depois de andar léguas)

1 blusa térmica

2 blusas (pretas para dias mais quentes)

1 casaquinho de malha fininha

2 pares de meia

2 pashiminas (ótimo para sair de tarde. se esfriar à noitinha vira xale, se colocar com casaco vira cachecol)

3 roupichas de baixo

1 toalha super absorvente de 50×50 ( alguns hostel cobram para alugar uma toalha)

1 par de havaianas (bonitinhas, sevem para tomar banho e passear se fizaer muito calor

Chupado no “espace bag” ficou assim:

Os carregadores (celular, câmera, net book) num estojinho preto.

Lenços demaquilantes/hidratantes

Mas como em algumas cias lowcost a gente só pode levar um volume (isso quer dizer que a sua bolsa tem caber dentro da sua malinha), testei com tudo dentro.

O grande problema é o netbook ( mas tembém é solução, nunca viajo sem ele!) Apesar de pequeninho, pesa 1 kilo e tal, mas a fonte. Mais de 10% do que a mala pode pesar (e do que é confortável carregar). E ainda tem o adaptador de tomadas!

Coisinhas miúdas, mas necessárias.  Todos os meus remédios de uso contínuo, e uma pequena farmacinha para o avião, caso o  vôo seja mais longo. Líquidos devidamente separados num ziplock, ( meu perfuminho – 30 ml, colírio, lipbalm, desodorante, remédio para dor em geral, um dormirol qualquer, gel para olheiras, primer antishine – ajuda na recuperação da cara de avião- lencinhos demaquilantes, etc).

Porta maquiagem, para dar um up de manhã, na hora de pousar e enfrentar a imigração. Celulares e a câmera.

Tudo dentro de um organizador de bolsa ( carteira, passaporte, Carte Navigo, Oister, caneta, dentro de  uma bolsa molenga, que eu possa embolar e entuchar na malinha.

Pronto. Nem Dalai lama é tão budista!

O porta notas vai “agarrado” na cintura.

Outra simplificada que eu dei, foi aquele monte de documentos e reservas que a gente tem que levar. Levava um arquivinho, tipo sanfona, para poder achar com facilidade.  Pois vou levar tudo num envelope (também ziplock) organizado por código de cores!! HHAHAHA! Mas fica muito mais magrinho!

Aí, eu dobro, deixo a cor para cima, e já sei que naquele bolinho, está …por exemplo:

Azul: passagens

Rosa (que meigo): documentos

Verde: Reservas de hotel, hostel, albergue ou muquifo.

Abóooobora: transporte entre o aeroporto (normalmente na casa do  ” ” ) e o centro da cidade em questão

e assim por diante.

I´m just a butterfly “lowcost” é claro!

22
abr
10

a malinha como bagagem de mão (o que pode e o que não pode)

ESTE BLOG MUDOU DE ENDEREÇO:

http://www.maladerodinhaenecessaire.com/

Pois é.  Assunto recorrente.

-Oi Cel, como você consegue se virar com uma mala tão pequena? Não consigo imaginar como levar tudo que eu preciso nesse espacinho.

Para começar, não quero ditar regras! Cada um faz a viagem do jeito que quer e que pode. Cada um tem um objetivo e uma  estória para contar. A “tese” da malinha, apareceu depois de uma experiência própria.

Eu penso assim: se meu objetivo é viajar para um só lugar, ou uma só cidade, e meu orçamento permite que eu pegue táxi do aeroporto para o hotel e do hotel para o aeroporto, ótimo! E ainda,  se pretendo fazer compras… É logico que dá para abusar no tamanho da bagagem.

Oxford Street

Mas eu normalmente viajo para a Europa. Já fiz uma base em Paris e agora é  Londres, e de lá vou para outros países e cidades. Meu objetivo é esse. Viajar. Não me ligo muito em compras. Aproveito cada libra e cada euro para conhecer e respirar cada lugar. É lógico que às vezes dá vontade de comprar todas as lembranças, roupas em liquidação. Mas o fato da mala ser mínima, já ajuda no auto-controle.

Na realidade, a primeira dica, foi meu filho quem deu quando me encontrou em Paris para de lá, írmos a Amsterdam e de Amsterdam para Londres. Nosso percurso seria de Eurolines. Eu e minha filha estávamos cada um com uma mala média (absolutamente desnecessária).

-Mãe, essas malas vão atrapalhar muito em Londres!

E atrapalharam. Chegamos de ônibus em Victoria Station, quase à meia noite. Esse quase, nos fez correr muito para o metrô, que fecha, exatamente à meia-noite. Então, toca a correr com as malas. Ao alcançarmos a plataforma, uma voz nos informou que o metrô tinha acabado de fechar. Então subimos tudo outra vez. E toca a carregar malas escadas acima. Uma chegada nada tranquila e nada confortável. Para dizer a verdade, foi muito estressante. Como todo o metrô que se preze, o de Londres tem muita escada, com a particularidade dos trens serem pequeninhos e estreitos. Na hora do rush, imgine perambular pelas estações e entrar nos trens com malas enormes e pesadas!

Desde então, adotei a mala que cabe em qualquer lugar e que eu posso carregar sozinha, por todos os lugares que vou precisar circular com ela: aeroporto, aviões das cias lowcost, estação de trem, de metrô (sempre têm muuuuuitas escadas, nem sempre rolantes ), rodoviárias, ponto de ônibus (urbanos), ônibus (internacionais, intermunicipais e urbanos), shoppings e ruas de comércio (se precisar ficar fazer hora entre um transporte e outro), restaurantes e lanchonetes, cafés e até mesmo pubs.  Simples assim. Como é que cabe tudo dentro??? Porquê esse tudo é o mínimo. E a mala vira uma companheira e não um problema.

Exemplo:

Inverno:               (as temperaturas são entre 7 e -12 dependendo da cidade)

2 conjuntos de roupas térmicas (importantíssimo)

São como uma segunda pele. Para usar por baixo da roupa comum.

Não ocupam espaço, esquentam bem no frio, mas se esquentar não fazem a gente suar.

Fáceis de lavar durante o banho mesmo e secam rapidinho.

E se o frio estiver corroendo seus ossos, em vez de alternar, use os dois conjuntos, um por cima do outro.

1 par de botas confortáveis e se for alto inverno dê preferência às forradas com pele ou pelúcia (pode ir com ele já no pé)

2 calças jeans (uma vai em você)

2 blusas quentes (de gola alta)

2 cachecóis de lã ou pashiminas (essas não espalham fios de lã no casaco, ocupam menos espaço,  eu tenho váaaarias)

4 pares de meias de lã (leve duas e deixe para comprar as outras lá mesmo, é muito mais barato e qualquer supermercado grande tem, além de serem realmente térmicas)

1 roupão fininho ou peignoir (ajuda,  se ficar em albeurgue ou hotéis que o banheiro é fora do quarto)

1 sapatilha (para ficar à vontade no quarto) ou

1 sandália de borracha (importante para tomar banho em albergues nos banheiros compartilhados)

uma sacolinha de plástico ou nylon (também para os banheiros de albergue), serve como nécessaire, para levar a muda de roupa para dentro do chuveiro, em albergues etc.

1 toalha super absorvente ( é bem pequena e enxuga muito mais, à venda em lojas de esportes.)

4 mudas de roupa íntima

E importantíssimo: Um ótimo casaco! Leve um que quebre o galho e deixe para comprar o super lá mesmo. Também é  muito mais barato.  Esse casaco vai na mão. No avião, serve de travesseiro ou coloque no bagageiro acima do banco, quando chegar, fica fácil de vestir e não congelar.

E se  tiver que ter apenas um, é ele. O filled coat, padded coat, doudoune ou casaco de nylon. Aguenta neve, chuva, não deixa passar o vento, e não suja tão fácil como os de lã, que a ‘gente tem que estar sempre passando aquele rolinho para tirar pêlo e poeira. E por ser impermeável, o casaco mantém o calor do corpo.

Pode não ser a coisa mais linda do mundo mas acredite, é tudo que você vai querer se nevar ou chover.

Se tiver capuz, melhor ainda. Protege do vento gelado nos ouvidos e da chuva e da neve.

Primavera/Verão  (temperaturas entre 5 (à noite), 15 até 35 )

Mais fácil ainda. Eu estava arrumando a minha assim

2 calças jeans ( de cores diferentes)

3 camisas (dessas que não precisam passar)

2 camisetas

3 pashiminas

4 pares de meia

1 pullover

1 casaco impermeável (na mão)

1 roupão bem fininho

1 par de botas (nos pés)

Mas se seu destino for predominantemente quente, tipo Espanha, Itália, etc fique de olho na temperatura, e substitua o casaco impermeável, e o pullover, por uma opção mais leve, e troque as botas por um bom tênis.

Quanto à nécessaire, o básico do básico. E tudo com até 100 ml. Se não, vai ficar na lata de lixo aqui mesmo, num aeroporto no Brasil, a não ser que você despache a malinha. Mas porquê despachar,  se a malinha pode ir com você no avião, porque correr o risco de perdê-la de vista?

Acredite, sai mais barato comprar roupas e fazer uma nécessaire por lá mesmo. Então o mínimo é o máximo, se quiser viajar na base da malinha, do low cost, pronta para o que que pintar pelo caminho, e para andar feliz e contente por todos os caminhos que pintarem. É uma libertação!

Bagagem de mão:

para viajar em vôos internacionais, a partir do Brasil, na maioria das companhias você tem direito a

55,12 cm (C) x 35,05 cm (L) x 24,89 cm (A) – incluindo bolsos, rodas e alças.

1 bolsa padrão (um porta-terno é considerado como uma bolsa padrão)
+ um acessório (bolsa de mão, laptop, máquina fotográfica, etc.
Peso total máximo autorizado: 12 kg

Já nas lowcost:

Easyjet:


Bagagem de mão – o que pode e o que não pode levar

Pode levar uma peça de bagagem de mão consigo para a cabine, com as dimensões máximas de 56 x 45 x 25 cm. As carteiras, as pastas, os computadores portáteis e as respectivas malas são todas contabilizadas como uma peça, por isso, se tiver, por exemplo, uma carteira e uma mala de portátil, ser-lhe-á pedido que pague uma taxa para colocar uma das peças no porão, portanto, considere colocar uma dentro da outra. Não fazemos isto “apenas porque podemos” mas porque faz todo o sentido.

Por exemplo: já todos constatámos como grandes quantidades de bagagem de mão levam à falta de espaço nos cacifos do tecto, portanto, ao limitar a quantidade, colocamos todos em pé de igualdade, assegurando a hipótese de todos trazerem uma peça para bordo.

  • Com menos artigos, é mais rápido passar na segurança;
  • Embarca e desembarca mais depressa
  • Conseguimos colocá-lo a horas no seu destino

Lembre-se de que pode guardar a bagagem de mão não apenas nos cacifos do tecto mas também debaixo da cadeira à sua frente. Pode ajudar-nos a partir mais cedo e a ter espaço para toda a bagagem de mão se colocar os artigos mais pequenos debaixo da cadeira da frente.

E, apesar de ser uma tentação, não tente passar com dois artigos pelos nossos funcionários no portão de embarque: eles serão obrigados a colocar uma das peças no porão e a cobrar-lhe isso. Irá atrasar a sua viagem e a dos outros!

  • Líquidos na bagagem de mão

Existem algumas regras a recordar sobre o que coloca na sua bagagem de mão e o que deve deixar em casa. O importante é que a palavra “líquidos” tem um sentido mais vasto do que o que possa inicialmente pensar. Por exemplo: neste contexto, os bálsamos para os lábios, batons, cremes das mãos, desodorizantes e lacas de cabelo são todos considerados como líquidos.

As regras:

  • Que o líquido esteja numa embalagem com um volume máximo de 100 ml
  • Todas as embalagens devem caber confortavelmente dentro de um saco de plástico transparente, que possa voltar a ser selado, com uma dimensão não superior a 20 x 20 cm
  • Na segurança do aeroporto, este saco deve ser retirado da bagagem de mão e mostrado em separado.
  •  Tolerâncias de bagagem

Ryanair:


Cada passageiro (excluindo os recém-nascidos) está autorizado a transportar uma peça de bagagem de mão a bordo (gratuito). Estritamente um item de bagagem de mão é permitido por passageiro (excluindo os recém-nascidos). Sua maleta bolsa, laptops, compras nas lojas, etc câmera deve ser realizada dentro de seu permitida uma peça de bagagem de mão. Deve pesar mais de 10kg e não pode exceder as dimensões máximas de 55cm x 40cm x 20cm. Devido a restrições de segurança – alguns itens não podem ser transportados na bagagem de mão -Para a segurança e comodidade dos passageiros, a bagagem de mão deve caber embaixo do assento ou no compartimento de bagagem. Nós nos reservamos o direito de cancelar a reserva sem reembolso e negar-lhe o embarque, se você chegar no portão de embarque com mais de um item de bagagem de mão, ou se esse item exceder as dimensões máximas.

As restrições de segurança para bagagem de mão da UE/EEE exigem que a bagagem de mão de passageiros que contenham líquidos, géis, loções ou cosméticos líquidos TENHAM de ser apresentados no ponto de segurança de passageiros do aeroporto dentro de um saco transparente que possa voltar a ser fechado,com uma capacidade máxima de um litro (por exemplo, um saco de congelação com fecho de 20 cm x 20 cm). Apenas os géis, pastas, loções e cosméticos líquidos em recipientes de 100 ml ou menos serão permitidos nos pontos de controle de segurança de passageiros em todos os aeroportos da UE/EEE. Tenha em atenção que existe um limite de um saco de plástico transparente que possa voltar a ser fechado por pessoa.

(ilustração: brasileiros na Holanda)

Ou seja, a nécessaire é bem reduzida, no máximo 10 recipientes de 100 ml.  Então relaxe, leve tudo em embalagens de viagem e compre o resto por lá, em qualquer farmácia.

Na segurança, tem que apresentar esse saquinho, fora da bagagem de mão, assim como o notebook, celular, câmera , etc

Ou seja, além de tudo, a mala tem que estar arrumadinha, para poder ser aberta e fechada, sempre que for requisitado, sem espalhar tudo pelo security do aeroporto.

19
abr
10

depois das cinzas, viajar é preciso

ESTE BLOG MUDOU DE ENDEREÇO:

http://www.maladerodinhaenecessaire.com

(fonte: Le Monde)

Depois desses dias sem saber se ficava ou se ia, acabei não “fondo” mesmo. Estou meio que de ressaca de tanto  pular de jornal para jornal, de separar e juntar coisas. Hoje no Le Monde.fr, a manchete é que os vôos serão retomados progressivamente, na Europa. Outras manchetes no The Guardian e Thelegraph dizem  que as companhias aéreas estão reclamando que as autoridades exageraram muito em fechar o espaço aéreo e que os prejuízos foram incalculáveis. A CNN está fazendo uma cobertura país a país, mostrando como, mesmo os repórteres que foram cobrir o enterro do presidente da Polônia, fizeram para sair de Varsóvia e chegar a Calais.

Mudando de assunto, mas não muito, ontem recebi essa pergunta :

-Oi Cel, como você consegue se virar com uma mala tão pequena? Não consigo imaginar como levar tudo que eu preciso nesse espacinho.

Além disso, os termos mais usados de pesquisa ou de tags clikadas aqui no blog, são exatamente sobre o tamanho da bagagem para viajar nas lowcost.

Já falei sobre isso aqui e aqui. Mas no próximo post, volto ao assunto, pois eu mesma, já tive um zilhão de dúvidas sobre isso  antes de viajar.  Afinal, viajar é preciso e compartilhar também.

Até!

07
jan
10

6 de janeiro, muita neve!

Hoje foi um dia atípico.  Acordei mais uma vez com o locutor da LBC falando com os ouvintes sobre os problemas que a nevasca de ontem acarretou ao ingleses. Escolas fechadas, aeroportos e estações de trem com passageiros que ali pernoitaram na esperança de embarcar, gente que não conseguiu ir trabalhar e por ai vai. Tentamos falar com a Easyjet, mas como só estamos no celular, não deu. A espera era de 30 a 60 minutos para tentar uma resposta. E a neve só apertando… Então, até o fim da tarde, que aqui é por volta das 4 horas, tínhamos quase certeza que nossa viagem tinha dançado.

Fomos então passear na neve….Fazer o quê? Nossa intenção era ir ao parque, nos acabarmos de brincar de boladas de neve e quem sabe até fazer um boneco.

O parque estava deslumbrante, mas fechado. Acho que o homem que abre o parque pela manhã, não apareceu. Nos contentamos em curtir do lado de fora mesmo.

Mesmo sem entrar, foi um passeio revigorante. Desses meio inesquecíveis, imagens que parecem saídas de um filme.

Já voltando para casa, parou de nevar. E não nevou mais. Daí, a dúvida, vai ter voo ou não vai? As malas de bordo prontinhas. Na Easyjet, só se pode embarcar com uma malinha de 50x40x25, que tem que entrar numa espécie de engradado. Se não, a mala tem que ser despachada para o porão, e obviamente há uma taxa extra.  Lá vamos nós e as malinhas… Será que vamos conseguir embarcar?

Só saberemos amanhã no aeroporto.




Enter your email address to subscribe to this blog and receive notifications of new posts by email.

Junte-se a 9 outros seguidores

agosto 2019
S T Q Q S S D
« abr    
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031  

Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts por email.

Junte-se a 9 outros seguidores

viagens
free counters

Atualizações Twitter

Anúncios

%d blogueiros gostam disto: