Archive for the 'NÉCESSAIRE' Category

08
fev
12

Easyjet – alguma dúvida?

ESTE BLOG MUDOU DE ENDEREÇO:

http://www.maladerodinhaenecessaire.com

Fonte: flightglobal.com

Por que a EasyJet? Bom, porque sempre encontro muitas menções/dúvidas nos termos de procura do blog: ” Easyjet presta? Easyjet é confiável? Como é a viagem na Easyjet? Qual o tamanho da mala?” nessa semana foram mais de cem!  Então, aproveitando que só nesses últimos meses foram 6 vôos com essa cia aérea low cost, incluindo a ida e a volta de Lisboa, aqui vai minha modesta contribuição.

Aqui na Europa há várias cias aéreas low cost, o que quer dizer que as tarifas são em geral, mais baratas que as cias aéras tradicionais (BA, TAP, Alitália, Lufthansa, etc etc). A Easyjet é uma dessas companhias que praticam tarifas  de baixo custo. E sim. A Easyjet é uma cia aérea  confiável. Já perdi a conta de quantos vôos já fiz, e nunca tive problemas. A única vez que o vôo foi cancelado, foi por causa de uma nevasca na Europa, muito parecida com a que tivemos no sábado passado (e isso atrapalha todas as cias aéreas, não só as lowcost). É uma empresa britânica, sediada no Aeroporto de Luton. Alguns amam, outros odeiam, assim como a Ryanair. Como a cia faz vôos de / para as principais cidades da Europa e mais algumas, é muito utilizada não só pelos europeus, como por quem vem para cá a turismo, incluindo os brasileiros.

Já vi muita gente reclamando, principamente por causa do limite da bagagem. Mas a realidade é que está tudo escrito no site, incluisive em portugues. Todas as regras, o que não pode, e o principal: o preço das passagens, tanto no dia que você quer viajar, como as tarifas mais baratas por volta  da data escolhida e a tarifa mais barata nos meses seguintes, pois para ser lowcost messsssmo, o negócio é comprar com antecedência! E todos os extras também, estão todos descritos. É só ler, se não gostar, não compre e pronto.

A diferença é que sendo uma cia de baixo custo, o preço (inicial) da tarifa, é referente tão somente

– ao seu assento,

– seu check in pela internet (você mesmo adiciona as informações de identificação (numero do passaporte) e imprime seu cartão de embarque)

– e um lugar no bagageiro da cabine do avião  (por isso o único volume que pode ir com você deve ter até  56 x 45 x 25 e não há limite de peso, mas você tem que ser capaz de colocar e tirar do bagageiro sozinho, sem ajuda dos comissários.  E tudo, absolutamente tudo, mesmo uma inocente bolsinha tem que estar dentro desse volume (senão é considerado como um segundo volume e cobrado como tal). E claro que seu casaco, cachecol, e luvas podem ir com você e podem ser carregado na mão, sem contar como volume extra. O que não dá é para levar 3 casacos na mão, né?

Assim, fica garantido que a todo passageiro corresponde um lugar para colocar sua bagagem de mão, simples assim). Carrinhos de bêbê que viajam no colo, são contados como bagagem do responsável. Todo o resto é cobrado à parte. Tudinho mesmo. Tudo que não seja o seu corpicho e sua malinha  de 56x45x25. é extra.

Ok, apesar de ser maravilhoso, muito mais prático,  permitir total independência, e uma boa eocnomia não só nos vôos lowcost, mas em toda a viagem, tem gente que simplesmente não consegue se  imaginar viajando só com uma mala de 56x45x25. Então, é só comprar uma mala de porão, na hora da sua reserva ou antes do seu vôo, pelo site. Mesmo assim o limite de peso por pessoa é de 20 kilos. As regras estão aqui, bem explicadinhas e em bom portugues.

Fonte: Gurublog

Lanchinho

Café, água, sanduíche, tudo é comprado a bordo.  E sinto informar, mas pechinchas tipo 10, 15 libras ou euros, por uma passagem, são coisas do passado. A inflação chegou às lowcost.

Por que preço inicial?

Porque a essa tarifa, podem ser somados vários extras, todos opcionais:

Embarque prioritário – speedy boarding (não há assento marcado, então quem embarca primeiro, escolhe seu lugar e senta nas primeiras fileiras).

Mala de porão (se a sua mala não se encaixa nas medidas estabelecidas pela companhia, se tem mais de um volume ou se você não quer carregar sua malinha). Essa mala pode pesar até 20 kilos, o que ultrapassar, também é cobrado, sem dó nem piedade e é caro! Se exceder esse peso, é melhor comprar (peso) no site antes de chegar ao aeroporto. .

– Seguro viagem

– Aluguel de carro e hotel.

– E no final do processo de compra, eles acrescentam uma “taxa admistrativa” de onze dinheiros ( isso foi introduzido esse ano).

E se sua mala não estiver dentro dos padrões na hora do vôo, já no portão de embarque, haverá uma taxa de 50€ por item! 

Na prática, já vi montes de bagagens maiores que o permitido entrarem tranquilamente passando ilesas pelo portão de embarque, inclusive aquelas mochilas enormes cheias de compartimentos. E na volta de Lisboa, 2 mocinhas embarcaram com malas visivelmente grandes e sacos do MacDonalds. Mal o avião decolou, as duas começaram a devorar o jantar. Pode? Pode, se comprar depois dos procedimentos de segurança, e ninguém no portão de embarque  implicar com um saco  como segundo volume, ou se você conseguir disfarçar o lanche dentro do seu volume permitido. Durante o vôo, não vi ninguém implicar com elas…

 

Preste atenção:

1- na hora de efetuar a reserva: já aconteceu comigo e com a ” torcida do flamengo”! Na pressa, a gente escreve o nome do passageiro errado, pula ou troca letras, ou ainda, coloca o nome no lugar do sobrenome. Aí você entra em pânico porque no site cobra-se uma taxa exorbitante, mais cara que a passagem para trocar o nome. Na realidade, eles estão super habituados com essa situação e tem um site para resolver esse tipo de problema:   getsatisfaction.com/easyjet/

“I´ve made a spelling mistake on my booking…..”

Entre no site escreva o nome que precisa ser corrigido, o número da reserva e eles resolvem isso ” de grátis”

.2- no check in on line: mesmo que você vá despachar mala de porão é sempre bom fazer o check in em casa  (ou no hotel, lanhouse) e imprimir seu cartão de embarque. A Easyjet não cobra o check in no aeroporto, mas será mais uma fila! Quem tem bagagem para despachar entra numa fila menor e quem só tem a mala de bordo que vai com você na cabine, pode ir direto para o security (procedimentos de seguanança,raio x) sem passar por guichê nenhum.

3-  na antecedência necessária para chegar ao aeroporto: a companhia recomenda no mínimo duas horas antes do vôo, o que deve ser seguido à risca, principalmente se o aeroporto do qual seu vôo vai partir, for grande e movimentado como os de Londres, por exemplo. A fila para os procedimentos de segurança cresce de uma hora para a outra, e pode levar bem uns 40 minutos! e nesses aeroportos grandes, o portão de embarque das cias lowcost é sempre muito longe!!! ou seja, mais um tempão andando até chegar lá! Na ida para Lisboa, foi um verdadeiro treino para as Olimpíadas, pois não contávamos com a multidão na segurança e fomos literalmente correndo para o portão de embarque.

4- aos líquidos: desodorante, creme, pasta de dente, shampoo, líquido para lentes de contato, perfume, etc se você  vai despachar bagagem coloque tudo dentro, se não, tudo isso tem que estar em embalagens de até 100ml (não adianta ter só um pouquinho numa embalagem maior) e colocados dentro de um saco/nécessaire transparente, fora da sua mala, para ser depositado na bandeja que vai passar pelo raio X. As regras estão aqui

 Tolerâncias de bagagem

5- badulaques, cintos, brincos grandes, pulseiras e afins: eu sei que a gente quer viajar, digamos “bem na foto” mas por favor! lembre-se que você vai passar por um detector de metais, enquanto sua bagagem de mão passa pelo raio X, então se você estiver toda trabalhada na bijú, ou você meu senhor, estiver pensando em virar punk, cheio de tachas, algemas e correntes, etc… bem… esta definitivamente não é a hora! você vai apitar! E isso quer dizer que será revistado manualmente, apalpado, e futucado por um oficial da segurança até ele ter certeza que você não tem um mecanismo explosivo no seu corpo. Isso enquanto muitos passageiros estão esperando a sua vez! Ou seja, você vai empacar a fila e será mentalmente xingado/a e odiado/a por todo o sempre até a sua terceira geração!

easyJet Traveller

E o vôo? Como é?

Na Europa as distâncias são pequenas, então o vôo em si é quase sempre muito rápido e tem tanta “atividade” que a gente nem percebe o tempo passar. As poltronas reclinam pouco, são tres acentos de cada lado do avião. No bolso da poltrona da frente há duas revistas, uma com o “cardápio” de lanches e bebidas, e outra com matérias sobre cidades e destinos.  Depois da decolagem, os comissários começam a função: vender! Primeiro vem o lanche. Os comissários passam com o carrinho. Você escolhe o que quer no cardápio, paga com dinheiro ou cartão de débito ou crédito, et voilá!! O bom é que é você que escolhe! Se tem fome come, quer bebericar um vinho para relaxar? Sopinha quentinha? Tem também. Está sem dineiro ou sem fome? Ok! Passado o lanchinho, vem o “mercadinho” por assim dizer… perfumes, maquiagem, carregador de celular, raspadinha (sim, raspadinha!!!) cartão de telefone, etc. E por fim, com toda a “elegância” possível, passam um enorme saco de lixo recolhendo o que sobrou da “festa” . Quando a gente dá conta está aterrisando! Pronto, não doeu nada e seu bolso agradece.

Mais alguma dúvida? Então até o próximo post!

Anúncios
14
jan
12

Sala Vip e Classe Executiva (terceira parte)

ESTE BLOG MUDOU DE ENDEREÇO:

http://www.maladerodinhaenecessaire.com

Enfim o embarque! Depois de anos de Air France, toda apertada na “charmosa” classe Voyageur, a econômica (principalmente no espaço) da companhia francesa, voar na Executiva, não é um up grade, é um upprêmio, e parodiando o Riq Freire, é quase para trocar o nome para Tassia Shando!  Como eu disse no post anterior, o embarque é prioritário, ou seja, quem está na executiva e primeria classes, embarca primeiro, acomoda seus pertences tranquilamente (tranquilamente mesmo! não tem que disputar espaço com ninguém, e sua malinha/bagagem de mão, nem é  pesada ou medida antes de entrar no avião –  o limite da Tam para bagagem de bordo é de 5 quilos).

bagageiro classe executiva TAM

E assim que você se senta (e se sente), começa o serviço de bordo! Um paparico atrás do outro. Perde-se a conta de tantos – A senhora gostaria de … A senhora aceita ….?  A senhora…?

mapa de assentos TAM airlines A330-200

Para entender melhor: da direita para a esquerda, as 4 poltronas enviezadas são da Primeira Classe. Quatro únicos e exclusivísssssssimos passageiros. A diferença para a executiva, além da poltrona que deita mesmo (180 graus) é o cardápio (deve ter ostras frescas dos mares tailandeses e suas repectivas pérolas, hehehe!).

Fonte: Airlines.net

poltrona classe executiva TAM

Depois vem a primeira galeria da Classe Executiva, que na minha opinião é mais exclusiva (onde viajamos), pois são só doze poltronas, agrupadas em pares, que ficam  distantes o suficiente para você não ter a mínima idéia de que viajou daquele lado.

O lugar mais legal, sem dúvida, são as poltronas do meio, pois para levantar durante a noite, não precisa passar por cima de ninguém, que estará literalmente dormindo, esticadinho.

Mais atrás, a segunda galeria da Classe Executiva, com vinte e quatro poltronas, e depois, a Econômica.

poltrona da clase executiva da tam

A poltrona é realmente super confortável, e o espaço entre a sua e a da frente é inacreditável. Nos primeiros momentos, a gente não sabe o que fazer com as pernas e dá até para sentir uma certa solidão e saudades da sua bolsa que fica láaaa longe ! Mas em cinco minutos, já desenvolve um apego à situação!

Nas costas da poltrona da frente, tem o sua TV particular (grande),  porta revistas, porta trecos, lugar para colocar travesseiro (de verdade) que vem junto com um cobertor. No braço da poltrona, tem tomada (para carregar o que você quiser) e entrada USB.

No encosto, luzes particulares (absolutamente necessárias, pois depois do jantar, a escuridão é total, e até o café da manhã é servido, para quem já acordou, no lusco-fusco, para não atrapalhar quem ainda está dormindo.

A poltrona é toda hightech, e pode fazer tantos movimentos e ficar em tantas posições, que dá para brincar de vídeogame com o próprio corpo. Como dá para ver na foto, a poltrona não reclina/deita 180 graus, mas realmente não fez muita diferença. Neste braço da poltrona, ainda há o controle remoto da TV. São zilhões de opções de filmes, músicas, joguinhos, que seria necessário um vôo ida e volta sem escala  para a China, para dar conta de ver tudo. Mas depois do “hardware” voltemos ao “software”: o serviço de bordo é mesmo um mimo atrás do outro. Assim que a gente se acomoda, vem um/a comissária para nos informar as opções de drinks e aperitivos, oferecer as revistas, o travesseiro, o cobertor, a nécessaire (vem com escova e pasta de dentes, pente/escova de cabelo, tapa-olhos, meias, lencinho, lipbalm, calçadeira, etc), além de um enorme cardápio.

Depois ela vem com a garrafa da bebida  que escolhemos (Champagne, bien sûr!) e pouco depois um potinho com uma variedade de castanhas, nozes e macadâmias aquecidas.

Enquanto isso, a Econômica está se acomodando (nunca mais vou esquecer disto, quando estiver lá!). E em questão de minutos, nos perguntam se queremos mais alguma coisa, se está tudo bem, se já escolhemos os vinhos, as entradas, o prato principal, a sobremesa… – A senhora deseja …? Mentalmente respondi algumas vezes: –Sim! precisamos discutir a relação! Estou um tanto sufocada, você não me dá tempo de  pensar!

E assim, com este espaço todo, e com todo esse paparico, a gente pensa até em ter uma insônia, para aproveitar e não perder nadinha. Como assim, de qual país será o vinho para acompanhar o prato principal? Patrícia escolheu um alemão, e eu um francês. Ooh lá lá!  Enfim, o início do vôo parece que estamos num restaurante sobre asas! Os comissários usam uma espécie de avental, e com o bloquinho, anotam até seus pensamentos.  E quase não acreditei quando oferceram uma balinha. Sim, uma inocente balinha, igual às servidas nos vôos domésticos e na econômica (aquela balinha foi a única conexão com o mundo real, uma ligação com as origens, hehehe!).

entrada jantar da Executiva da Tam

Para servir o jantar, as luzes já diminuem. Sorrindo e silenciosamente, os comissários “põe a mesa”: toalha, guardanapos, e talheres (de verdade). Nos entregam um babador (sim, uma babador!) e delicadamente depositam a entrada.

Jantar Classe Executiva da Tam

Pão de ervas, manteiga, salada com rosbife (deve ter um nome bem mais pomposo, ah sim, é só verificar o meun, né?

Entradas
Folhas Verdes apresentadas com Rosbife de Filet Mignon realçado com
Mostarda Antiga
Folhas Verdes servidas com Queijo Feta, Tomate, Cenoura e Amêndoas

Seleção de Pães Quentes

Sopa
Creme de Espinafre

Pratos Principais
Filet de Robalo servido com Azeite de Ervas, Creme de Palmito com Lentilhas e Legumes grelhados
Filet de Frango em Crosta de Castanhas apresentado com Batata Rösti e Aspargos
Nhoque de Mandioquinha realçado com Molho de Tomate Concassé, Alho-poró e Manjericão

Queijos
Seleção de Queijos

Sobremesas
Torta Mousse de Chocolate Branco e Manga realçada com Calda de Manga
Sorvete
Variedade de Frutas Frescas

Depois o prato principal, que estava tão gostoso, que comi antes de fotografar (momento carrapato a serviço do fato) e a sobremesa também uma delícia, tendo sempre seu copo de vinho, devidamente abastecido. A essa altura, as luzes estão no mínimo, e assim que o serviço é retirado, já está todo mundo  “agarrado ao seu ursinho de pelúcia”, e… bocejando.

classe executiva TAM

É hora de reclinar sua poltrona (quase uma cama, mas não é 180 graus), subir o descanso para as pernas,  puxar seu cobertor, ajeitar seu travesseiro e escolher seu filme, música, etc e escutar tudo isso, num headfone (de verdade). E eu que sofro de insônia, principalmente em vôos internacionais noturnos, descobri o melhor remédio e a receita seria assim:

ao anoitecer – sala vip (sem restrições)

antes do jantar – champagne (à vontade)

antes de dormir – poltrona da classe executiva

Ok, não dormi a noite inteira, mas dormi!! Vi ums filmes (nem todos até o final), e quando dei por mim, lá estava a comissária, anotando o que eu queria para o café da manhã:

Café da Manhã
Frutas Frescas da Estação
Variedade de Frios
Pães Quentes
Sanduíche recheado com Queijo Gruyère, Presunto e Tomate
Omelete recheada com Queijo Mussarela e Peito de Peru e apresentada com
Queijo Coalho
Iogurtes
Cereal
Geleia e Mel

Café da manhã TAM Classe Executiva

Queijo, presunto e o melhor de tudo! Você está absolutamente inteira, e nem parece que está viajando há 10 horas.

O desembarque também é prioritário, e até a imigração em Heathrow é diferenciada. E quando  finalmente saímos do aeroporto, eu estava me sentindo abosolutamente pronta para o dia, para a semana! É por isso que os executivos ocupadíssimos viajam na Classe Executiva, né? Para não chegarem espremidos, derrubados, amassados e detonados aos seus destinos.

Faz realmente toda a diferença e sem dúvida nenhuma, uma experiência deliciosa, para uma essa viajante que vos fala!

Agora que aterrisamos, vamos continuar viajando, por Londres, e por onde os caminhos me levarem.

Até!!!

16
mar
11

Viajando lowcost 2011 – compartilhando os detalhes

ESTE BLOG MUDOU DE ENDEREÇO:

http://www.maladerodinhaenecessaire.com

Não pretendo fazer um guia de como viajar lowcost, ou de como montar um roteiro para viajar baratinho. É apenas o relato de minha própria experiência, mas que se puder ajudar alguém… Já fico feliz!

London Bridge Station – Plataforma – First Capital (trem para Gatwick Airport)

Minhas viagens pela Europa sempre começam em Londres.  E neste post, eu explico como chegar e partir dos aeroportos de Londres.

Viajar lowcost é mais ou menos como comer salada. A gente pode repetir sem culpa! É basicamente tentar aproveitar  as promoções das companhias aéreas de baixo custo, que tem vôos para muitas ou quase todas as cidades principais da Europa, sendo que a Ryanair é sem dúvida a campeã dos preços ridiculamente baixos e acaba habituando o viajante a custos irrisórios, tornando todo o resto ( até os simples tickets de metro urbano) meio caro aos nossos olhos e bolsos. A Easyjet também tem suas promoções, mas para pagar realmente barato, o segredo é antecedência e vôos que partem muito cedo pela manhã ou que chegam muito tarde no destino final.

Vôo – Girona para Madrid

A primeira passagem que  comprei foi  para Barcelona ( 6 libras e só!!) , e então pesquisei o quão barato e interessante estavam as promoções partindo de Barcelona. Bingo! Madrid  estava a pouco mais de 15 euros  de Barcelona. Uma vez em Madrid, fiz a mesma pesquisa e Milão apareceu nos destinos em promoção por exatos 10 euros por pessoa + 5 de taxas. Com a bênção da passagem de Milão para Roma estar a  uns míseros 15 euros + 5  (às vezes a Ryanair cobra taxas de web check in, de pagamento por cartão, ou simplesmente de administração). Não tive dúvidas e de repente estava planejando minha viagem pela Itália!

Rio Tevere – Roma

Estando em Roma, pensei… Desta vez eu vou a Veneza, de qualquer jeito! Como? No planejamento da viagem, corri para Easyjet , que tinha um vôo de Roma para Veneza, e devido a antecedência estava por menos de 20 euros. O único desafio – o võo era as 7 e 10 da manhã, o que significaria estar no aeroporto no máximo às 5 e meia. Aí foi o momento rosquinha da viagem. Furada! A roubada histórica da viagem. Não havia transporte De Roma para Fiumincino no meio da madrugada. Tanto o trem que partia da Estação de Termini, quanto o primeiro ônibus para o aeroporto saiam depois das 5 da manhã.

Roma Fiumicino (Terminal 2) a Venice Marco Polo

Part 01 March 2011 07:10

Cheg 01 March 2011 08:15

Voo 983

O check-in abre 01 March 2011 05:10

O check-in encerra 01 March 2011 06:30

Chegaríamos no máximo do stress ou perderíamos o vôo. O que numa viagem dessas, é o temido efeito dominó! Cai tudo por terra! Opções = dormir no aeroporto (o último trem parte ás 10 e meia  da noite), arriscar um táxi às 4 da manhã por 50 ou mais euros (pouco confiável segundo a recepcionista do hotel), ou abortar o vôo e comprar uma passagem do trem noturno e acordar em Veneza, o que me pareceu o menos estressante, já que os trens são o meio de transporte mais famoso e bem cotado da Europa e a estação Termini era ao lado do nosso hotel. Roubada em absolutamente todos os sentidos. Não só foi o traslado mais caro, como a pior experiência possível! 38 euros (por pessoa!) dos quais me arrependo centavo por centavo! Uma noite numa cadeirinha de aeroporto teria sido muito mais  segura, muito mais confortável e menos estressante. Só mesmo  Veneza para fazer valer o sacrifício! Ou melhor, para esquecer a noite!

E de lá, como chegar a Paris? Foi uma gincana e antes da viagem eu ainda não sabia como, a não ser gastando muito dinheiro! O que definitivamente não é a minha praia.

Dessa vez, mais do que as outras, Paris foi um desafio! Paris é mais do que simplesmente uma paixão. Desde  a primeira vez, prometi aos céus, que sempre que atravessasse o Atlantico, daria um jeito de ir a Paris, agradecer. Notre Dame é testemunha de todos os meus sonhos …

Mas o que parecia um  simples Venice-Paris, virou uma pesquisa de campo. Depois de todas as pechinchas, o trem Noturno Venice St Lucia- Paris Bercy,da Artesia, que pode ser comprado no site da Trenitália ou na SNCF, era um absurdo de caro em comparação com todo o gasto da viagem até Veneza. Os vôos idem! E depois de tudo arrumadinho, baratinho… eu estaria entalada em Veneza (seria ótimo se tivesse verba ) ou gastaria uma fortuna, acabando com toda a estratégia lowcost da viagem e dilapidando fundos.  O fato é que durante duas semanas, eu estive em pânico,  e me tomou um bocado de tempo e tentativas alucinadas (tentei  até um voo lowcost para Croacia e de lá para Paris, mas perderia a passagem de Paris para voltar a LOndres.  Virou uma questão pessoal!!!!! Então, a solução foi um mapa, e muita pesquisa e paciência para domar o site da Trenitália, que invariavelmente fica embarreirando a compra da passagem para estrangeiros. Quebrei o percurso em dois e consegui comprar as passagens, mas só em Roma, descobri que a gente tem que passar num guichê  (com gente de verdade) de qualquer jeito, para impimir a passagem. Só com o PIN code não  funcionava nas máquinas de auto atendimento .

Venezia St Lucia – Estação de Trem – Veneza

Saímos de Veneza St Lucia, ao lado do nosso hotel, às 10 e 45 , pegamos um trem  para Milão (2 horas de viagem), almoçamos  em Milano Centrale e às 4 e 30 da  da tarde, pegamos o TGV para Paris- Gare de Lyon  (muito mais barato que o trem noturno de  Veneza a Paris, mas ainda assim, caro, se comparado a tudo  que tínhamos feito até aqui!). No trajeto, uma passagem pelos Alpes… o trem para em algumas estações de sky que parecem saídas de filme. Pontualmente às 23 e 21 estávamos desembarcando na Gare de Lyon, em Paris. E claro a viagem nem de longe se pareceu com o Treno Notte de Roma a Veneza, mas ainda assim, prefiro um bom vôo lowcost, com toda a antecedência necessária, security etc! Trem é bom para viagens de no máximo 3 horas e ainda assim, depois de mal acostumada pela Ryanair, acho caro!!!!

Milano Centrale

Finalmente de  Paris a Londres, voamos Easyjet,  e no final de uma viagem como essa, a gente  valoriza muito a tranquilidade da Easyjet. Tirando o fato da mocinha do check in – única vez que despachamos uma malinha e viajamos com um volume cada uma a bordo –  ter pedido para eu colocar minha  humilde bolsinha dentro da malinha ( que embarcaria comigo no vôo), a questão tamanho e peso da bagagem que vai com você é bem mais flexível. Paris-Londres = 25 euros por pessoa + 5 de taxas

Aeroporto de Girona (Barcelona)

E para que todo o percurso seja realmente lowcost (dessa vez foram 6 cidades) a maior exigência é que sua bagagem e tudo o que você vai transportar de um destino a outro caiba numa mala de 55x40x20, assim sua babagem viaja com você em tods as cias aéreas. Tudo, absolutamente tudo (bolsa de mão, câmera, comprinhas no free shop, lembranças, garrafa de água, etc tem que estar dentro desse único volume ( no inverno, dá para usar os bolsos do casaco, que se transformam prticamente em uma outra mala). Dessa forma, dá para ir de Londres a Barcelona, por exemplo, por 6 libras, o preço do nosso primeiro vôo. Na ponta do lápis, a cada passagem, há que  se acrescentar de 5 a 15 (euros ou libras), custo do transporte entre o centro (ou estação central) da cidade até o aeroporto lowcost , normalmente bem longe. Mesmo assim, atravessar um, dois países, por menos de 30 ou 40 dinheiros não é nada mal, principalmente se compararmos com as viagens pelo Brasil.

E assim, com o mínimo de bagagem, todo o resto também fica lowcost, uma vez que a gente não é obrigada a pegar um táxi para chegar ao hotel ou do hotel para a estação de metro, de trem ou de ônibus. Em todo o nosso trajeto, pegamos um único táxi em Roma ( e nem foi por causa de mala)  e um outro em Paris! Além disso, utilizar o transporte público de cada cidade já é conhecer um pouco da cultura, população, etc.

Hospedagem?

Também é pesquisa e antecendência. E sim, a Europa está mais cara agora. Roma e Veneza, foram disparado, as cidades mais caras, tanto no quesito B&B como em relação à alimentação. Nas únicas vezes que sentamos em um restaurante (em Roma e Veneza), foram no mínimo 25, 30 euros) Mas ainda assim é possivel ficar em hotéis (hostals, albergues, etc) com conforto, banho quente e em alguns, café da manhã, baratos e dignos.  No geral, 25 a 35 euros por pessoa por noite (35 em Roma, Veneza e Paris). Com relação a albergues, estando em duas pessoas, acaba  sendo quase o mesmo preço, um quarto privativo, na maioria das vezes até com banheiro privativo, do que duas camas em quartos compartilhados ( para 4) e banheiros idem.

Alimentação?

Minha primeira preocupação é achar um supermercado ou algo parecido. Assim as despesas com alimentação ficam mais ou menos parecidas com as que normalmente eu teria.  E mais uma vez, supermercados são parte da vivência da cidade. Adoro! Deliciosos sanduíches de brie ou gorgonzola, pastinhas, focaccias, caviar, queijos,  baguetes, brioches, bolinhos e lógico, vinhos e cevejas maravilhosos para beber no sossego do seu quarto …. é só descobrir a especialidade do lugar e ser feliz. Mas  um bom café ou um maravilhoso  capucino, são fundamentais. Eu diria que são companheiros de viagem. São aquele pitstop essencial no meio de um dia de caminhada. Recarrega as baterias. E lógico, quanto mais perto de um ponto turístico, mas caro será o café!  Mas 4 euros por um capucino perto da Piazza San Marco…também não mata ninguém ….E vale cada gole!

Compras?

Obviamente não é o objetivo numa viagem dessas. Mas compramos coisinhas pequenas,  maquiagem em Milão,  e por medo de sentir calor em Roma, percorremos várias lojas em Madrid (um paraíso de lojas e mais lojas, principalmente durante as rebajas, as famosas liquidações) para encontrar um casaco mais leve que acabamos usando só em Milão, pois em Roma e Veneza o vento gelado, me fez agradecer os super poderes do casaco de nylon forrado, que é praticamente uma blindagem contra o frio, a chuva e vento,  e não sentti frio algum! Deixamos algumas compras para o grand finale em Paris, onde por 11 euros, reservei uma malinha de porão na Easyjet e colocamos todos os líquidos e extras nela. De quebra, a mala que comprei pode ser a minha mais nova companheira de viagem, pois é bem mais leve e como não é rigida, dá para negociar o espaço em alguns trajetos feitos de trem ou pela Easyjet, menos intrensigente em relação ao peso e formato da bagabem de mão, desde que seja um único volume.

Quanto tempo a gente aguenta essa maratona? É muito pessoal. Num mundo ideal, seria ótimo ter pelo meno uma tarde para descansar entre a s cidades…vinte dias ficou bem puxado no final, mas valeu cada minuto. Talvez 15 dias seja um período bem razoável… Há que considerar que cada troca de cidade leva pelo menos meio dia, e nesse trajeto é pilotar a bagagem e muito levantamento de malinha. É cansativo e há que ter preparo físico e muito astral.

Mas vale a pena cada minuto!

Basílica de San Marco – Veneza

27
set
10

Atendendo a pedidos: reflexões sobre a mala (e o que vai dentro dela)

ESTE BLOG MUDOU DE ENDEREÇO:

http://www.maladerodinhaenecessaire.com/

Vou aproveitar esse post, para agradecer todas as visitas, as comentaristas queridas,  e aos que chegam aqui “de para-quedas” e acabam acompanhando.  Adoro quando vou dar uma espiada nas estatísticas do blog, e dou de cara com um pontinho vermelho, o que quer dizer que chegou gente nova no pedaço.  Nesta mesma página, a das estatísticas, também dá para saber os posts mais acessados e os termos que usaram para chegar aqui. Invariavelmente, e talvez porque sempre falo sobre isso,  a mala está disparado em primeiro lugar. Seja o tamanho, as medidas ou o que levar dentro dela. Além de e-mails me pedindo uma listinha básica. E ontem recebi esse comentário:

Amei o seu Blog, confesso que ele tem me ajudado muito. Vou viajar agora em outubro dia 2 para ser mais precisa, para 3 paises: Portugal, Espanha e Itália. Estou super preocupada pois vou passar 20 dias com uma mala de 10 kg apenas. Eu tinha achado onde vc escreveu sobre o que levar em uma mala de 10 kg, nao anotei. Procurei novamente mas ao encontrei. Poderia me ajudar? É a primeira vez que viajo para a Europa e com uma mala de 10 kg…rsrsrsrs. Lá agora é inicio do outono, mas ta muitooo frio? Tinha pensado em levar 2 casacos apenas. Agradeço desde já pela ajuda e algumas dicas se possivel, principalmente de Barcelona e Madrid. Vou ficar sozinha nessas cidades. Abraços Renata Penido

Já falei sobre isso algumas vezes mas já que a procura é grande, não custa repetir e atualizar.  Mala é muito pessoal e sempre depende de muitos detalhes para a fórmula perfeita.  Falo sempre sobre minha experiência:  orçamento apertado e meu objetivo principal é  de conhecer os lugares, sem muito desfile de moda e sem comprar (quase) nada.  E sim! Sair do Brasil, só com uma malinha pequenininha, com o mínimo do mínimo,  é um desafio que no meu caso, virou aprendizado.  Dá para ser feliz com muito pouco.  E por que uma mala tão pequeninnha? São vários motivos:

1)  Independência: É a gente mesmo que leva a mala para o avião, coloca e tira  do bagageiro. Não precisa de ninguém de boa vontade para te ajudar. Não precisa ficar esperando a dita cuja nas esteiras dos aeroportos. E se seu quarto no alberque/hotel ficar no 5º andar? Já imaginou?

2) Economia: Se você consegue carregar (e conduzir) sua bagagem, não vai precisar de táxi para sair ou chegar aos aeroportos, e pode pegar qualquer meio de transporte, onde estiver. Além disso, as companhias aéreas de baixo custo, cobram uma fortuna pelas malas de porão. Na Ryanair por exemplo, uma mala de até 15 kilos, custa 15 (euros ou libras) se reservar antes de viajar, e 35 no aeroporto. Se levar uma segunda mala de porão, 25 (on line) e 40 no aeroporto. E incríveis 10 euros ou libras por cada kilo que exceder. Essas taxas variam de cia para cia, mas é regra cobrar por bagagem de porão em todas. Portanto, se a viagem tiver vários deslocamentos, uma mala maior, vai virar uma facada no orçamento. Então, se pretende pegar um vôo de uma dessas companhias, economizando na bagagem, atenção às medidas: Cada passageiro  pode transportar um volume (no total) como bagagem de mão (isento de taxas). Este não deve pesar mais de 10 Kg, nem exceder a dimensão de 55cm x 40cm x 20cm.  E tudo tem que estar dentro desse volume. câmera, laptop, bolsa, compras no freeshop…

3) Mobilidade: Poder se locomover facilmente é super importante. Liberdade de poder andar por onde quizer:  pelas estações de metrô,  nas escadas rolantes (quase sempre cheias), pegar ônibus urbanos, etc. Nas estações de trem, fica mais fácil correr para pegar o seu  e subir a mala no vagão. Além disso, uma malinha entra em todos os lugares, se precisar fazer hora para pegar seu transporte; restaurantes, lojas, lanchonete… Enfim, fica tudo mais fácil!

Agora, para tentar responder à Renata, o desafio. O que levar? Eu tenho um kit básico, quase pronto no armário. Se pintar uma viagem para amanhã,  ele pula dentro da mala. Outra questão, é que se um vôo low cost está nos planos, nem bolsa se pode levar.  Mas onde colocar celular, carteira, passaporte e a passagem? Primeiro, eu comprei um porta-passaporte/doleira, que fica pendurado no pescoço.  Eu confesso. Já apelei para uma pochete, sem o menor pudor. Depois comprei uma microbolsa à tiracolo, e por fim terminei com uma, um pouco maior, mas facilmente “desfarçável” com o casaco ou por debaixo da roupa. Outra solução, para a bolsa, é comprar uma bolsa maleável, sem estrutura, que se possa levar dentro da mala, sem fazer volume, e quando chegar no seu destino, pode usar sem problemas.

Meu kit básico (seja qual for a estação):

1) blusa e calça térmica : É o curinga da bagabem. Se esfriar, é só colocar por baixo da roupa, ocupa pouco espaço, fácil de lavar no banho, seca rápido. Se não estiver frio, serve como pijama. Se for para um lugar muito frio, um segundo conjunto será bem vindo, dá para colocar um por cima do outro.

2) 2 calças jeans (lá se chama jegging, pois não tem zíper, mais confortáveis, mas são iguais ao jeans). Uma calça vai no corpo.

3) 2 pashiminas – ocupa menos lugar que cahecol, pode ser usada como xale, para aquele ventinho/friosinho, e mesno no verão é útil para lugares com o ar condicionado nas alturas.

4) 1 par de sandálias de borracha  para tomar banho em banheiro coletivo no caso de se hospedar em albergues (pode ser aquela de salão de beleza mesmo, se for inverno ou havaianas, se for verão, pois dá para passear com elas)

5) 1 toalha super absorvente (vende em loja de artigos esportivos)

6) 2 pares de meia – também absorventes, evitam aquela humidade nos pés e secam rápido.

7) 1 bolsinha de nylon, dessas que se dobram e ficam pequenininhas (serve para compras no supermercado, para levar a muda de roupa para o banheiro do hostel, etc) e um peignoir  de seda ou outro tecido fininho(roupão, ocupa muito espaço).

8) porta passaporte/dinheiro (desses de pendurar no pescoço)

9)1 porta maquiagem e 1 porta garrafinhas de 100ml (para levar no avião, nenhum líquido, pasta, gel ou creme pode ter mais de 100ml e deve estar tudo numa embalagem transparente, lacrável) . Nesta bolsinha devem estar: desodorante, shampoo e condicionador, pasta de dente, hidratante, creme para o rosto, colírio e descongestionante.

10) 1 adaptador de tomadas

11) remédios (em alguns lugares, não é fácil comprar os mais comuns)

tylenol, sal de fruta, colírio, relaxante muscular, descongestionante, remédios de uso quotidiano

12) lenços demaquilantes

13) 1 travesseiro de bordo (daqueles que a gente enche e esvasia).

14) celular, netbook, câmera e respectivos carregadores.

Isso tudo é para todas as viagens (dois dias ou dois meses). Agora, o que muda com a época / clima?

Primavera- Verão (Europa)

Como eu já disse, minha listinha é para conhecer e andar pelas cidades/lugares. Raramente faço alguma coisa chic, que demande um traje mais elegante.  Além disso, a gente sempre acha que na Europa todo mundo anda como se estivesse num desfile de modas. Não é assim. A grande maioria, e principalmente os viajantes, se vestem na maior simplicidade, dando prioridade ao conforto. Nas cidades, idem. São trabalhadores, estudantes, gente normal. Quanto às estações, cada cidade  tem um clima, embora estejam na mesma estação. Então se vamos visitar muitas cidades, temos que estar mais ou menos preparados para várias temperaturas. No geral, no verão, variam de 40 (Espanha, Portugal, Grécia, etc) à 10 quando chega a tardinha. Nessa última viagem, em plena primavera, saímos de Barcelona com 20 e poucos graus, e chegamos a Edimburgo com menos de 10. Dessa forma, um casaco é fundamental, assim como camisetas com e sem mangas. Eu levei:

1) duas camisetas

2) um casaco de malha fino

3) um casaco tipo manteau mais quente

4) uma blusa comprida, de manga comprida, mais quentinha.

5) um tênis ( que ficou o tempo todo no pé)

6) um par de luvas

(durante a viagem, comprei um xale e um cachecol, que variaram o visual)

Outono – inverno

Varia muito mais de cidade para cidade. Por exemplo, hoje em Londres está fazendo 15 graus e a previsão é de 11 para a noite. Já em Madri, está 23 com previsão de 10 para a noite. Conclusão: Casaco, sempre! Principalmente se vai se locomover muito durante a viagem. Por isso, também sempre levo as roupas térmicas. O que eu levo:

1) uma camiseta de malha

2) duas blusas quentes de gola alta

3) uma bota super confortável com uma superpalmilha fofinha (que normalmente vai no pé)

4) um casaco, normalmente uma doudoune ou filled coat (casaco de nylon), que é mais fácil encontrar por lá. É mais barato também.


A vantegem desse tipo de casaco é que ele é impermeável. Não deixa o vento passar e protege na hora daquelas chuvas inesperadas. Dependendo do que se põe por baixo, esquenta mais ou menos.

Nécessaire:

É praticamente a bolsinha que a gente mostra no security.

Hidratante para o rosto e corpo

Protetor solar

Lipbalm

Batom

Blush

Lápis de olho

Sombra

Desodorante

Shampoo e condicionador.

Se alguém tiver mais alguma dúvida, escreva e compartilhe!

Até.

01
maio
10

Quase tudo “nos conforme” para viajar!

ESTE BLOG MUDOU DE ENDEREÇO:

http://www.maladerodinhaenecessaire.com

Nem precisa dizer que estou completamente surtada! Estou com as turbinas a mil e sinto que posso levantar vôo sozinha, sem precisar da Air France. Exausta, com dor nas costas, mas feliz da vida. Passei a semana debruçada no computador, desenhando um roteiro que viraram sete, até conseguir um roteiro final e em conta. Tudo low cost, às vezes mais outras menos. Mas para isso, ao fazer a malinha, quase usei uma balança de cozinha.  Pesei a dita cuja, umas cinco vezes. Cheguei a tirar um tubinho de clolírio!

Desta vez foi mais difícil. Eu acostumada com frio mesmo. Um casacão, uma boa bota, luva e cachcol e por baixo duas mudas de roupa. Mas agora é primavera, mas ainda rola um friozinho. Então, fiz assim:

2 calças jeans ( ainda posso tirar uma! uma vai em mim)

2 calças térmicas (vão servir para esquentar e para dormir)

1 robe de chambre  (bem fininho e magrinho, para ficar à vontade depois de andar léguas)

1 blusa térmica

2 blusas (pretas para dias mais quentes)

1 casaquinho de malha fininha

2 pares de meia

2 pashiminas (ótimo para sair de tarde. se esfriar à noitinha vira xale, se colocar com casaco vira cachecol)

3 roupichas de baixo

1 toalha super absorvente de 50×50 ( alguns hostel cobram para alugar uma toalha)

1 par de havaianas (bonitinhas, sevem para tomar banho e passear se fizaer muito calor

Chupado no “espace bag” ficou assim:

Os carregadores (celular, câmera, net book) num estojinho preto.

Lenços demaquilantes/hidratantes

Mas como em algumas cias lowcost a gente só pode levar um volume (isso quer dizer que a sua bolsa tem caber dentro da sua malinha), testei com tudo dentro.

O grande problema é o netbook ( mas tembém é solução, nunca viajo sem ele!) Apesar de pequeninho, pesa 1 kilo e tal, mas a fonte. Mais de 10% do que a mala pode pesar (e do que é confortável carregar). E ainda tem o adaptador de tomadas!

Coisinhas miúdas, mas necessárias.  Todos os meus remédios de uso contínuo, e uma pequena farmacinha para o avião, caso o  vôo seja mais longo. Líquidos devidamente separados num ziplock, ( meu perfuminho – 30 ml, colírio, lipbalm, desodorante, remédio para dor em geral, um dormirol qualquer, gel para olheiras, primer antishine – ajuda na recuperação da cara de avião- lencinhos demaquilantes, etc).

Porta maquiagem, para dar um up de manhã, na hora de pousar e enfrentar a imigração. Celulares e a câmera.

Tudo dentro de um organizador de bolsa ( carteira, passaporte, Carte Navigo, Oister, caneta, dentro de  uma bolsa molenga, que eu possa embolar e entuchar na malinha.

Pronto. Nem Dalai lama é tão budista!

O porta notas vai “agarrado” na cintura.

Outra simplificada que eu dei, foi aquele monte de documentos e reservas que a gente tem que levar. Levava um arquivinho, tipo sanfona, para poder achar com facilidade.  Pois vou levar tudo num envelope (também ziplock) organizado por código de cores!! HHAHAHA! Mas fica muito mais magrinho!

Aí, eu dobro, deixo a cor para cima, e já sei que naquele bolinho, está …por exemplo:

Azul: passagens

Rosa (que meigo): documentos

Verde: Reservas de hotel, hostel, albergue ou muquifo.

Abóooobora: transporte entre o aeroporto (normalmente na casa do  ” ” ) e o centro da cidade em questão

e assim por diante.

I´m just a butterfly “lowcost” é claro!

30
abr
10

4 da manhã e eu tô aqui

ESTE BLOG MUDOU DE ENDEREÇO:

http://www.maladerodinhaenecessaire.com

Insônia, já é normal.  neste último mês estive num estado pré viagem o tempo todo, e quando eu pensei que tinha sossegado,  vai rolar a viagem mais “bombada”.

Passei a manhã vasculhando a Easyjet,  Ryanair e mais um zilhão de sites.morrendo de cansaço! Mas para ter uma idéia do que é esse momento mucho loco tem esse post aqui.

É mais ou menos a mesma coisa. Só que dessa vez, em vez de neve, flores.  É plena primavera por lá… E por ironia do destino, hoje fez um fresquinho por aqui.

Bom, vou tentar pelo menos deitar e relaxar o corpicho.  Bom noite, ou sei lá… Bom dia!

10
mar
10

o primeiro vôo internacional a gente nunca esquece

Eu sei que pode parecer impossível, mas não é. Muita gente nunca entrou num avião, ou nunca chegou perto de um vôo internacional.  Atendendo a pedidos, esse post ” descreve” como tudo acontece. Assim, dá para ter uma idéia do que você vai encontrar e fica mais fácil lidar com aquele frio na barriga que dá diante do desconhecido (já passei por isso), principalmente, quando a gente está viajando por conta própria e sozinha. Meu primeiro vôo internacional foi um espetáculo. O (você sabe o nome) ainda não tinha derrubado as Torres Gêmeas e os procedimentos antes de entrar no avião, propriamente dito, eram beeem mais traquilos. Mas me lembro do completo mistério que era para mim, fazer chek in, entrar na sala de embarque, o que fazer durante o vôo, que lingua os comissários falariam, como era a comida. Tudo era absoluta e deliciosamente novo. Eu estava com uma amiga, e nossa viagem para Nova York, era um tipo de excursão da falecida Soletur. Então as coisas foram fáceis, tinha um guia no Galeão para nos informar tudo, entregar as passagens, vouchers etc. Na segunda vez que visitei NY, em 99 já estava bem descolada. Já quando fui para Paris, anos mais tarde, eu me senti tipo marinheira de primeira viagem. Principalmente porque tinha passado anos pensando nessa viagem, o que fez  minha habitual ansiedade, atingir um nível absurdo! Comprei a passagem pela internet no site da Air France  (ainda tem os melhores preços para a Eur0pa). Tudo muito “muderno”, recebi o email de confirmação e o VoyageMemo, dizendo que poderia fazer o chek in pela internet. Chek in é básicamente a confirmação da sua viagem, e do seu acento no avião. Mas eu acabei fazendo lá mesmo no aeroporto Tom Jobim. Funciona assim: se for pela internet, 30 horas antes do seu vôo, a gente acessa o site, e com o código fornecido no e-mail, faz o chek in e imprime o comprovante. Eu gosto de antecedência e chego sempre antes. Eles recomendam três horas antes do vôo. Se você fez o chek in pela internet, entra na fila do guichê ” e – chek in”, e diante da atendente da sua companhia aérea, mostra seu passaporte e o comprovante impresso. A ou o atendente confirma no sistema, pergunta se há bagagem para despachar, e equanto você coloca as malas na balança, ela imprime seu cartão de embarque e coloca uma etiqueta na sua bagagem de mão. Aí você pode perambular pelo aeroporto, mas tenha o cuidado de saber exatamente aonde é o portão de embarque. Normalmente, o embarque começa uns quarenta minutos antes da hora do vôo.

Na sua bagagem de mão não pode ter, (de jeito nenhum) nenhum recipiente com líquido com mais de 100ml, nada cortante, nada combustível. Pasta de dente, colírio, e tudo que for líquido ou pastoso, tem que estar num plástico, tipo ziploc. Chegou a hora! O portão de embarque normalmente é misterioso. No Tom Jobim, o portão é um portinha, entre vidros fumê. Você apresenta seu cartão de embarque e entra. Depois de um fila tipo de banco, você chega ao guichê da polícia federal, mostra seu passaporte e de novo o cartão de embarque. Pronto, tecnicamente, você já saiu do Brasil e entrou num salão enorme.

Mas antes, tem o raio X. Tem que tirar casaco, computador e a bolsa e colocar tudo em bandejas que vão passar por um esteira para serem analisados. Nosso corpicho também passa por uma máquina para detectar metais (em Londres, agora tem um raio x que deixa a gente nuinha da silva). Daí a gente fica esperando a voz no alto falante anunciar seu vôo e então sim, a gente se dirige ao portão indicado. Pronto, você já está num tubo, que liga o avião ao portão de embarque e finalmente, dentro do avião, onde comissárias de bordo sorriem e dizem Bonjour!!! Daí, é procurar seu assento, e se acomodar.

Na sua porltrona, você vai encontrar um cobertor e uma almofadinha. Leve sua escova e pasta de dente, pois pelo menos na Air France, esse kit não rola!

Por experiência própria, prefiro os assentos perto da janela. E bem atrás. De preferência, os últimos que só tem duas poltronas a partir do número 52. Tá bom, fica perto do banheiro, pode até parecer que fica meio zoneado, mas se você sentar na janela só vai ter que ultrapassar uma pessoa para se locomover,esticar as pernas, ir pegar os lanchinhos durante o vôo, ou ir ao banheiro mesmo. Nesse lugar, a gente sempre sabe se “tá rolando” uma fila, ou se “tá liberado”. Outra maravilha, é que quase sempre são os primeiros assentos a serem chanados para o  embarque, e também os primeiros a receberem as refeições, já que os carrinhos saem dos fundos do avião.

Nesses mapas, os azuis claros, são os assentos da categoria econômica, onde nós, simples mortais, viajamos.

Na primeira vez que fui à Paris, sozinha, fiquei horas escolhendo meu lugar. E consegui sentar, exatamente sobre a asa! Ou seja, toda a vista que eu tinha romanticamente imaginado, quando chegasse a Paris, se resumiu ao céu nublado. Para piorar a situação, eu fiquei na janela e ao meu lado sentou-se  um casal esquisitíssimo. Assim que se acomodaram, enfiaram as máscaras para dormir, e não se mexeram nem quando o avião decolou, nem quando chegaram as refeições. Resumo: eu tinha que dar uma sacudida, quase um ataque epilético, cada vez que queria sair do confinamento. Na Air France, a categoria econômica, é isso mesmo. Um espaço mínimo entre o seu ser e a poltrona da frente e a do seu lado.

Eu não sou nem um pouco grande, e meus joelhos, em posição ereta, quase tocam o encosto da poltrona da frente. Quando o ocupante resolve reclinar ( reclinar é força de expressão), é claustrofobia total. Mas sorria!!!! Você está a caminho da Europa! Apenas 11 horas de vôo e pronto!

Se você tiver uma malinha, acomode-a no espaço em cima dos bancos. Se só tiver uma bolsa, coloque-a embaixo do banco à sua frente.

Et voilà!. Agora é só esperar todo o mundo se acomodar.

Antes de decolar, os comissários de bordo dão uma “sprayada” com uma espécie de desinfetante sem cheiro, checam se está todo mundo com cinto de segurança, se os compartimentos estão fechados, etc. Aí você escuta as turbinas, e a” a voz” anuncia o tempo de vôo, a que horas está previsto aterrissar e a temperatura do seu destino.

Spray desinfetante

Eu adoro a hora da decolagem. Escuto feliz da vida o vídeo sobre os procedimentos em caso de emergência, mentalizo uma viagem tudo de bom e pronto.

Uns quarenta minutos depois de decolar, o povo todo se mexe, desata os cintos, se espalha se tiver assentos vagos, e alguns até trocam de roupa e calçam pantufas. Eu não arrisco, pois se os pés incharem durante a viagem, o sapato simplesmente não entra mais. Os comissários distribuem os fones de ouvido, máscaras para dormir, tampões para os ouvidos, e lencinhos umedecidos refrescantes. Depois, passam com um bloquinho, anotando qual refeição você vai querer. Frango ou massa??? Carne ou massa?


Em francês: Poulet ou pâte? Boeuf ou pâte?

Logo, logo, a gente começa a ouvir o barulho dos carrinhos com as bebidas e refeições. Nesse quesito, tenho que dizer que a Air France é bem legal.

“Vista” do assento da Air France (classe econômica- Voyageur)

Champagne (antes da refeição) e um biscoitinho de erva-doce. Delícia.

Até a salada de chuchu é gostosa. Pão (delicioso, incrivelmente fresco) à vontade. E o vinho então? E no tocante às bebidas, não tem mão de vaquice não!

Pão, manteiga, água mineral, vinho branco, lasanha ou carne, salada de chuchu, frango, queijo brie, e de sobremesa, torta de chocolate e bombom.

Dá para ver que a mesinha fica realmente ao alcance das mãos…

Acabada a função do almoço/jantar, os comissários servem café, recolhem os pratos e copos, e tudo se acalma. Logo em seguida, começa a fila na porta do  banheiro e as luzes diminuem (mesmo quando o vôo é diurno). Normalmente passam o jornal (em francês) nas telas espalhadas pela cabine, e depois tem um filminho.

Nessa hora, já tem gente babando! Mas eu, que tenho insônia mesmo tomando um parangolé para dormir, fico tentando um posição para relaxar. Tiro um cochilos, mas dormir mesmo, nada!

Banheiro minúsculo. Aconselho uma dieta antes de partir….

Durante a noite, normalmente é tudo muito tranquilo. No meio da cabine, fica uma espécie de cozinha, e pelo menos na AF, você pode ir até lá e se fartar de sanduíches, biscoitinhos, água mineral (Perrier), Hagen Däzz, vinho branco, Heineken e champagne. Pra quem tem insônia é tudo de bom! Só de ir e vir, já mata o tédio.

Um cochilo e quando a gente vê, está amanhecendo…

Chegando à Paris…

E começa o boburinho do café da manhã. Eu adoooooro! Além de ser uma delícia, é sinal de que estamos chegando!

Salada de fruta, sanduíche de peito de perú, leite, iogurte, geléia, frios,  pãoe café  à vontade.

Bom, a hora de recolher os finalmentes do café da manhã é meio corrida. Afinal, já estamos chegando, e todo mundo começa a se arrumar, a mulherada lança mão do nécessaire, as mais peruas fazem um make  completo, os friorentos sacam os casacos e ficamos todos esperando o piloto dizer a temperatura local e  que estaremos aterrissando em alguns minutos.

Enfim, Paris!!!!  Da primeira vez, ao sair do avião, não tinha tubo! Tivemos que descer a escada e pegar um õnibus até o terminal. Este momento, para quem saiu do nosso ensolarado país, é uma lufada gelada que adentra seu corpo. Tive vontade de voltar ao útero materno. Portanto, seja qual for a estação, uma pashimina é sempre bem vinda!

Terminal do Roissy-Charles de Gaule (tubo que liga o avião ao terminal)

Chegando ao seu destino, não se preocupe. Não tem como não chegar na imigração. É só seguir a gelera. Se tiver conexão, leve o mapa do aeroporto. Se tiver que trocar de aeroporto (às vezes, pode acontecer de desembarcar no Royssi-Charles de Gaule e o outro vôo partir de Orly), consulte o site da companhia e do aeroporto. Normalmente eles disponibilizam um ônibus entre os dois aeroportos.

Terminal Charles de Gaule

Bom, espero que quem pediu  ou se interessou por esse post, viaje bem rapidinho! Nenhuma descrição consegue realmente mostrar o principal. O maravilhoso frio na barriga.

Até!!!




Enter your email address to subscribe to this blog and receive notifications of new posts by email.

Junte-se a 9 outros seguidores

outubro 2017
S T Q Q S S D
« abr    
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  

Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts por email.

Junte-se a 9 outros seguidores

viagens
free counters

Atualizações Twitter


%d blogueiros gostam disto: