Posts Tagged ‘ANTES DA VIAGEM

23
dez
09

CHRISTMAS GIFTS

Ontem só fizemos comprinhas para nossa viagem de hoje.  Eu e Carol temos um momento mulherzinha enlouquecida, todas as vezes que entramos na Boots ou na Superdrug.  É o nosso momento nécessaire.  Todas as marcas de maquiagem, cremes, coisinhas miúdas sem as quais a gente não pode viver sem,  nem mais um segundo, depois que a gente descobre que existe. Ainda mais aqui, no inverno, quando temos um inenarrável prazer de nos maquiar, passar cremes, perfumes.

Depois, escrevo com calma sobre cada ítem maravilhoso, mas por hora, recomendo o tal do rímel trimilique…É isso mesmo,  o pincel do rímel, treme e depois você fica com c í l  i o s  maravilhosos. Tembém adquirimos um kit de viagem para cabelos maravilhosos do Mark Hill. Delicadezas para lábios ressecados, lencinhos antibactericidas, etc, etc…

Tem que caber tuuudo dentro da malinha.

Anúncios
21
dez
09

NEVE À BEÇA!

Começamos nosso dia, com o intuito de ir a Coven Garden.  Mas super chovia, então fomos fazendo baldeações.  Primeira parada,  Regent Street, numa típica segunda feira londrina antes do Natal.  Uma galera andando com aquela cara de preciso achar um presente para a minha sogra, outro monte de gente com cara de onde vou encontrar o vestido perfeito e mais um monte de gente sem saber mesmo o que diabos fazer para sair dalí, o mais rápido possivel.  Mas nós nem tchum. Nos embrenhamos pelas ruas laterais e tomamos nosso já tradicional capuccino da sorte.  Absolutamente necessário para começar qualquer jornada.

Trrilhões de guarda-chuvas, muita pressa, muita gente. Se a gente morasse aqui, seria programa de índio, mas como em terras tuupiniquins estão bombando os 36 graus, era um spa!

Desde a semana passada que o principal assunto é  = vai nevar ou não? Todas as previsões meteriológicas davam conta que nevaria o fim de semana inteiro. Vivo plugada na BBC e rolaram diversos debates, sobre como Londres enfrentaria a tal neve.  Neve, que ficou todo mundo esperando, discutindo, mas não veio. A verdade é que Londres não é uma cidade preparada para a neve, o que ocorre raramente. Mas devido às mudanças climáticas, tem nevado, cada vez mais cedo e mais forte.  Ontem fez um dia lindo… Lindo no que se refere a sol e céu azul. Hoje acordamos com chuva, que logo se transformou em light snow.  Estávamos em Leicester Square, indo para Coven Garden, quando vimos que já não era mais aquela nevezinha básica.

Mas ainda estavamos tranquilas, entrando em lojas e sales…Pura curtição. Daí o Dani ligou…

– Mãe, tá feliz com a neve? Só que vem rápido para casa, se não, vai ficar difícil……

O transporte em Londres, funciona mega bem.  Mas quando algo sai da rotina ou  dá errado, uma passeata, uma manifestação ou no caso de hoje, neva, a cidade dá um nó.  Como toda cidade grande, vira um caos.

Mas quando saímos da H&M, em Coven Garden, percebemos que tava brabo mesmo.

É lindo de ver!

Assim que realizamos que estávamos mega longe de casa e que todas as pessoas estavam procurando a mesma coisa que nós. fomos em busca de um transporte para voltarmos para o home sweet and worm home…

Estação de metro ultra super lotada, euzinha e meu poderoso homem das neves coat,  luvas, guarda chuva e Carol, tentando adentrar  e…cadê meu Oister??? Tira tuuuuudo da bolsa, mãos congelando, gente empurrando. Ufa, achei! entramos na estação e já deu para sentir um certo clima de “o mundo todo está aqui´´!????

Mas, mesmo entupido, pegamos o metrô.  Bem, daí em diante, foi mais uma de nossas aventuras.  Anda, anda, sobe, sobe, desce, desce, muda o trajeto. Qual é mesmo a conexão???? quando finalmente descobrimos, ouvimos aquela voz = Delay,,, legendando, uma hora de atraso em todos os trens do metrõ. Fomos espertelecas e  chegamos então a Trafalgar Square, onde teoricamente nosso querido 453 passaria e nos deixaria a dois passos de casa.

Nós, Noé e todos os seres vivos  do planeta.  Todos nós entramos no 453, que não chegaria ao nosso ponto Ok ! pelo menos é perto.  Perto……… Engarrafamento total, ônibus repleto, quando digo repleto, digo sem espaços entre os dedos da mão.  Entre um ponto e outro, 40 minutos.  Num ataque de coragem, decidimos então,  ir ( hahahahahahahahahahahahha!) a pé.  Ou esquiando ou delizando, tombolhando.. .. Mas respirando e rindo.  Melhor do que dentro do ônibus, que enquanto a gente entrou no M&S, comprou uma batata tudo de bom,  ainda estava parado NO MESMO LUGAR. Daí entâo relaxamos.  Fomos andando a passos lentos, deslizando e trumbicando, agarradinhas….andamos léguas.

e léguas, com as botas encharcadas, congeladas, ás gargalhadas…

quase chegando em casa, podíamos ouvir o barulho das botas… chuploft, chuploft…

Nossa aventura até que terminou bem…estamos em casa quentinhas, mas não é tão fácil assim.  Rolou um escalda-pé para voltar a circulação do dedão do pé.

E só hoje que o inverno começou.  Maculelê!

12
dez
09

DESAFIO 2 BAGAGEM DE MÃO

A tecnologia ajuda mas também atrapalha. Celular, netbook, seus respectivos penduricalhos, ocupam um espaço absurdo e pesam… O desafio é : 10 kilos de bagagem no total. Ou seja, isso tudo aí ao lado, mais a malinha, não podem exceder 10kilos. Uma gincana. Se a gente conseguir, viaja baratinho.  Daqui pra Londres vou de Air France, mas não vou despachar a mala, porque estão simplesmente destruindo as bagagens para investigar o que tem dentro. Então, vai tudo com a gente  mesmo.

A bagagem de mão é um desafio para  mim, pois eu sempre fui bolsólatra. Levo tudo! Até bem pouco eu andava, com tesoura, pelo menos 2 cores de caneta, grampeador, lapiseira e borracha.  Apego aos tempos de professora. Se para sair no dia a dia é assim, imgine para viajar. Mas seguindo os mandamentos budistas, me organizei no mínimo absolutamente necessário.

-1 arquivo com E-tikcet, reservas e documentos

-2 organizadores (é uma espécie de bolsa dentro da bolsa) com passaporte, Oister e Carte Navigo euros e libras trocados

-2 celulares, earfones, carregadores e cabos

-netbook (impossível viajar sem, pois é com ele que resolvo passagens, pesquiso preços, reservo hotéis e logico posts no blog)

3-pendrives

-2 porta níqueis (um com moedas em euro, outro com libras)

-2 canetas (uma pode falhar)

-1 kit de limpeza de óculos

-1 alcool gel

-1 porta clip solaire dos meus óculos

-1 estojo de óculos (tenho 7 armações)

-1 colírio (o olho cola com a secura do avião)

-1 travesseiro inflável

– chaves dos cadeados (ainda não me adapetei aos novos modelos)

-pashimina

Nécessaire:

-1 lápis de olho

-1 gloss

-1blush em bastão

-1 lipbalm (a boca vira uma lixa no avião)

-1 papel alsorvente (tira aquela gordureba do rosto)      

-1iluminador corretivo (olheira mata, né)

-1 lenços demaquilante refrescante

-protetor solar em forma de base ou pó facial (Héliocare)

-mini rolinho que tira pelos do casaco

-Panadol e Aprazolam (tilenol londrino e remédio para dormir e nem assim eu durmo)

Concordo que é um absurdo, mas no avião, não tem para onde correr…o negócio é setorizar em bolsinhas, assim a gente sabe onde está tudo, tira e coloca sem zonear a bolsa toda.

Tudo aquilo, arrumadinho, agrupado por “assunto´´ficou assim compacto. Nas duas nécessaires os penduricalhos dos celulares, a fonte do net, nos organizadores, maquiagem, passaporte etc.

Neste exato instante, bateu de novo aquele frio na barriga. Já fiz o chek in via internet e amanhã a esta hora, estarei em pleno voo, tentando relaxar com aquele vinho maravilhoso da Air France.

10
dez
09

MINHA MALA DE RODINHA É TUDO DE BOM OU UM GUIA DAS LOW COST

Nem foi tão difícil, nem tão caro assim.  Devido à enorme importância desta companheira de viagem, vale qualquer sacrifício para encontrar a mala perfeita. Sei que parece uma obseção,  mas uma malinha errada, pode, melar uma viagem, dessas que você se desloca muito, anda de metro, trem, companhias aéreas low cost, etc.   Não que a do ano passado, tenha me atrapalhado muito, mas quanto mais conforto, melhor.  Nunca se sabe, aonde e como, o acaso pode te levar. Acho que encontrei a malinha da minha vida, pelo menos até  o momento ou até inventarem uma que ande por controle remoto ou se movimente pela força do pensamento. Sei que esta importância toda se dá ao fato de viajar meio mochilão, economizando em detalhes, mas que no final, fazem a maior diferença.

Características importantes:

1) Medidas: 55x40x20

Eu sei que é mínima, mas se você quer viajar na Easy Jet ou principalmente na Ryan Air (nessa companhia, só pode um volume de mão, câmera, computador, tudo dentro desse único volume), aproveitando as tarifas às vezes irrisórias, sem pagar a taxa de bagagem que às vezes é mais cara que a própria passagem, a malinha tem que ter essas medidas, entrar numa espécie de engradado, para poder viajar com você no avião. Além disso, não pode exceder a 10 kilos. Tudo isso porque é você que coloca no compartimento acima do banco e não pode pedir ajuda aos comissãrios.

Engradado “medidor” de bagagem de mão da Ryanair

2) Ser leve como uma pluma

Por motivos óbvios. Quanto mais leve a mala, mais você pode colocar coisas dentro até o limite de 10 kilos. Além disso, a gente tem que carregar a bichinha escada acima para embarcar no avião. prefiro a alça de alumínio.

3) Ser impermeável

Nada pior que depois de sair do metrô ou do ônibus ou da estração de trem e encarar uma chuva torrencial e chegar ao seu destino sem uma única peça de roupa seca, principalmente no inverno.

4) Ser discreta

Além de não chamar atenção, uma malinha discreta fica mais, digamos, magrinha aos olhos do pessoal do check in.  Se você pegar pela frente um funcionário mal humorado, ele pode simplesmente implicar com a bagagem e EXIGIR  que se pague a taxa de bagagem, que no aeroporto é o dobro do  tarifado na internet. Um rombo no orçamento.

5) Ter rodinhas

De preferência 4 e que girem 360 graus. Deslizar é muito melhor que arrastar. Conduzir a mala, totalmente apoiada no chão, é muito mais fácil do que puxá-la, sustentando seu peso.

6) Ser bonitinha.

Afinal, a gente vai bater muita perna com ela, visitar cidades lindas, esbarrar em muita gente eslilosa, etc Manter o charme é fundamental.

Bom, acabou que virou um guia para a compra da mala para viajar low cost, low profile, low “preocupation”. Ma se eu tivesse encontrado essas informações, todas juntas, antes da primeira viagem, eu teria economizado muito dinheiro, muita chateação, muito desespero nos metrôs e translados entre Amsterdam, Londres e Paris.

PS: Arrumei um espaço, para os comentários no próprio post. Podem escrever. bjs

08
dez
09

MALA DE RODINHA – ATIVAR!

Finalmente comecei a me organizar.  Eu adooooro planejar viagens. Sou daquelas que saboreiam cada momento do antes.  Essas semanas foram bem complicadas, estressantes mesmo. Como resolvemos tudo no supetão, não tive a tranquilidade de passar horas no computador, pesquisando possibilidades.  Sou daquelas que gosta de saber tudo sobre o chão em que estou pisando. Em se tratando de Europa, cada esquina tem uma história, que  vale a pena conhecer para saborear aquele momento e não deixar passar nenhuma emoção, por falta de informação.

Brugge Belgica

Parque em Brugges- Bélgica

Ontem, finalmente comecei a focar.  Separei meu sempre fiel kit de viagem.  Tenho umas roupas coringas, que cabem perfeitamente na malinha.  Seja para passar dois meses ou dois dias,  é essa mala pequeninha que me segue como uma boa amiga. Como posso ir parar em qualquer lugar, mobilidade e facilidade de locomoção em aeroportos, estações de trens, escadas de metrô é um item de máxima importância.

Então, minha dica é o mínimo necessário, mesmo para o inverno.

Repito aqui o post do ano passado. Pois ainda tem amigo meu dizendo =

Ai, se eu tivesse te escutado!!!

Sei que para as mulheres é mais complicado,  ainda mais no inverno.  Mas pense bem. Para que mais de uma bota se a gente tem só dois pés? Además, elas mal aparecem nas fotos.  O que já não se aplica ao cachecol, embora só tenhamos um pescoço, mudar o cachecol, muda todo o look! Mas o mais gostoso é comprar lá mesmo. E sair daqui, como se fosse passar um fim de semana, na casa da sua amiga.  Então vamos lá!
1) BAGAGEM: O MÍNIMO. A não ser que você esteja nadando em euros e as libras estejam pulando do seu bolso, pra quem vai viajar “on budget”, ( meio dura, mesmo), o melhor é estar livre pro que der e vier. Trem, metro, avião…tudo fica mais fácil com uma malinha de rodinha, dessas bem pequenas, que se levam dentro da cabine do avião,com pouca roupa. Sai mais barato, comprar uma calça nova, ou tudo novo, até mesmo uma mala nova, do que pegar um táxi toda vez que você se deslocar com a MALA.

2)KIT SOBRRRRRVIVÊNCIA: (no meu caso, kit de inverno, brrrrrr!)

Na malinnha: uma, no máximo 2 calças jeans, tres blusas quentes, 2 calças térmicas, 2 blusas térmicas (esquentam e não ocupam espaço),4 meias de lã, e se der, uma segunda bota. Um roupão, uma toalha, e lógico…cremes, protetor labial e maquiagem, porque no frio a gente pode abusar do rímel, sem parecer um panda.

Em você:

uma bota super confortável, de preferência, forrada e quentinha, que vai no pé mesmo…A indefectível calça jeans, também sobre o corpicho que vai viajar.
O mantô mais pesado vai com você (mesmo que a temperatura ao deixar nosso ensolarado país esteja por volta dos 40. Não esqueça um bom cachecol. Quando digo, bom, quero dizer quente. O frio que adentra seu pescoço, percorre todo o seu corpo e se você tiver que descer do avião ao ar livre e pegar um mini ônibus até o terminal, aquele momento escada abaixo, que você tanto sonhou, pode se transformar na mais intensa vontade de voltar ao útero materno.

Uma câmera digital, se você já tiver uma. Se não, é mais em conta comprar por lá mesmo. Guias das cidades que você quer visitar, só pra degustar o “antes”…


Desta forma, leve e quase budista, é muito mais fácil e prazeroso.

Et voilà!

Pronto! Você está livre pra mudar o itinerário, subir e descer as escadarias de qualquer metro, pegar trem ou andar pela cidade. A “malinha” é quase um cachorrinho atrás de você. Uma alternativa mais estilosa que a mochila e mais prática, já que ela vai deslizando…como uma extensão do seu próprio ser.
No mais, no inverno, não adianta querer variar, até 2 ou 3 graus ainda dá pra ficar chic, (sempre com um casaco pesado em cima de você), abaixo disso: da temperatura e do casaco, a gente vai pondo o que estiver à mão pra se esquentar.
Nunca fui pra Europa no verão, mas acho que deve ser mais simples ainda. Particularmente, planejo com todo cuidado minhas viagens para o inverno. Apesar de ser friorenta, adoro temperaturas baixas. E se é pra VIAJAR, gosto de mudanças radicais. Luvas, cachecóis, botas e gorros…Tudo de bom!

Mais para frente, um ´post ´sobre o meu maior desafio. A bolsa de mão. Porque desafio? Porque há inúmeros ítens ! Pra começar, meu netbook, dois celulares, câmera e seus respectivos carregadores e pelo menos um adaptador universal. Sou totalmente cremilda e viciada em maquiagem…Então, esse é um momento tenso. O desapego fica difícil. Mas vou conseguir…Aguardem!

17
dez
08

UMA SEMANA…

Contagem regressiva. No gadjet do meu computador vejo a hora e temperatura londrina. Nove horas da noite, 4 graus.
Não posso reclamar do calor. Até agora, tem chovido bastante, e o verão, não deu as caras. Ainda. Temos vivido deliciosos dias chuvosos, com temperaturas em torno dos 25 graus.
Hoje estou estranhamente calma. Pela manhã, fomos eu e minha filhota, tentar alguma informação sobre o tal teste biométrico, que estão exigindo para tirar o visto para Inglaterra.
Detalhe super importante, pois se entrar em Londres já é por si só estressante, imaginem se faltar algum detalhe.
Passei dias tentando compreender o que eles tentam explicar no site http://www.ukvisas.gov.uk na seção DO I NEED A VISA? Well….Eles bem que tentam, mas depois de ler o site inteiro, você continua na dúvida. A questão é que teoricamente, os brasileiros não precisam pedir um visto pata entrar na Inglaterra. No entanto, 8 entre 10 brasileiros são barrados. No momento, estão informatizando toda a imigração e implantando o que eles chamam de coleta de dados sobre todos os que entram em seu território. Esses dados consistem em fazer um teste biométrico: mapeamento da íris e impressões digitais.
Minha dúvida cruel: precisamos fazer um teste biométrico se não vamos pedir um visto?
Pergunta que ficou no ar. A agência, terceirisada que faz esse teste aqui no Brasil, chama-se World Bridge. Para qualquer informação por telefone, paga-se 12 dólares americanos antes de pronunciar qualquer sílaba. Tentei então, formular minha humilde pergunta à atendente do consulado da Inglaterra, que gentilmente me transferiu para uma gravação robotizada, que dizia, que qualquer informação sobre vistos e entrada no Reino Unido, seria obtida…..no World Bridge.
http://ukinbrazil.fco.gov.uk/
Andei em círculos.
Fomos hoje pela manhã, ao famoso escritório. Pegamos um ônibus, atravessamos a Ponte Rio Niterói, e depois de mais ou menos uma hora (chovia = engarrafamento), chegamos ao Edifício Argentina, onde se localiza, a tal agência. Tudo isso, para fazermos uma única pergunta, que apesar de toda a tecnologia, não tínhamos conseguido responder.
O veredicto é NÂO. Não precisamos fazer o teste biométrico se não vamos tirar um visto.
O mais surreal, é que a gentil senhora, nos informou, que mesmo tendo um visto de turista ou outro qualquer, quem decide se podemos ou não adentrar o território da Rainha, é o oficial da imigração. Muito tranquilizante, para quem vai enfrentar esse momento em uma semana, e não tirou visto algum.
Valeu pelo almoço e pelo clima estrangeiro do local…No prédio, há, além de varias empresas enstrangeiras, o consulado da Argentina. Enquanto comíamos, ouvimos vários idiomas e sotaques.
Então, tudo de pude fazer com relação a isso, foi iniciar uma novena e fazer uma promessa. Se entrarmos sem problemas, irei à uma igreja, todas as terças feiras, enquanto estiver na Europa. Tarefa nada dífícil, mas é um compromisso.
Ah sim…comprei mais libras e euros. Responderei ao oficer que fui gastar meu dinheirinho no BOXING DAY.

14
dez
08

lá vou eu…

Mais uma vez, inicio um blog. Na realidade, é uma espécie de terapia, para que eu possa suportar minha habitual ansiedade, tensão pré-viagem, etc, etc.

O ano passado, comecei o blog assim mesmo, mas entrei numa vibe de escrever em portugues e francês e aí além da preguiça, logo no começo da viagem, meu computador morreu e fiquei sem contato imediato com a internet.

Agora, estou eu aqui, de novo. Á beira de um colapso. E me debruço novamente sobre palavras para tentar relaxar e tentar capturar os momentos que vem por aí, como esse ai de baixo…

Amsterdam

Juro que tentei, mas não consegui fazer nada do que tinha planejado pra hoje.
Acho que deveria estar mais tranquila, blasé mesmo, mas estou totalmente enlouquecida. Fora a viagem em si, zilhôes de assuntos mega importantes ao mesmo tempo.
Na viagem do ano passado, fiquei pendurada na internet, agendando passagens, hotéis entre datas e horários específicos. Foram 6 meses planejando, viajando antes de decolar. E como tudo na vida, aprendi durante a viagem e desta vez, tenho a leveza de uma borboleta. Tenho a passagem de ida e de volta. O miolo vou resolver por lá mesmo.
Outra maluquice, foi um leve surto de Barbie…Levei muita roupa, uma mala média, que mesmo tendo rodinhas, foi um obstáculo intransponível ao chegar em Londres.
Agora, a experiente viajante, vai bem descolada e praticando o total desapego.

1)BAGAGEM: O MÍNIMO. A não ser que você esteja nadando em euros e as libras estejam pulando do seu bolso, pra quem vai viajar “on budget”, ( meio dura, mesmo), o melhor é estar livre pro que der e vier. Trem, metro, avião…tudo fica mais fácil com uma malinha de rodinha, dessas bem pequenas, que se levam dentro da cabine do avião,com pouca roupa. Sai mais barato, comprar uma calça nova, ou tudo novo, até mesmo uma mala nova, do que pegar um táxi toda vez que você se deslocar com a MALA.

2)KIT SOBRRRRRVIVÊNCIA: (no meu caso, kit de inverno, brrrrrr!)

Na malinnha: uma, no máximo 2 calças jeans, tres blusas quentes, 2 calças térmicas, 2 blusas térmicas (esquentam e não ocupam espaço),4 meias de lã, e se der, uma segunda bota. Um roupão, uma toalha, e lógico…cremes, protetor labial e maquiagem, porque no frio a gente pode abusar do rímel, sem parecer um panda.

Em você: Uma bota super confortável, de preferência, forrada e quentinha, que vai no pé mesmo…A indefectível calça jeans, também sobre o corpicho que vai viajar.
O mantô mais pesado vai com você (mesmo que a temperatura ao deixar nosso ensolarado país esteja por volta dos 40. Não esqueça um bom cachecol. Quando digo, bom, quero dizer quente. O frio que adentra seu pescoço, percorre todo o seu corpo e se você tiver que descer do avião ao ar livre e pegar um mini ônibus até o terminal, aquele momento escada abaixo, que você tanto sonhou, pode se transformar na mais intensa vontade de voltar ao útero materno.

Uma câmera digital, se você já tiver uma.Se não, é mais em conta comprar por lá mesmo. Guias das cidades que você quer visitar, só pra degustar o “antes”…

Na bolsa, leve apenas o essencial. Seus documentos, passaporte, um colírio, um protetor labial, nada, absolutamente nada que seja líquido ou pastoso, pode ter mais de 50 ml… Se não, quem vai ficar com a sua nécessaire, é a lixeira do aeroporto, ou a sortuda que faz a faxina. Não adianta tentar driblar essa norma, se afogando no dutyfree. O lacre daqui, não é aceito. Vi uma linda mulher em prantos, porque seus mais preciosos e necessários ítens de beleza e sobrevivência, adquiridos antes de embarcar, foram devidamente confiscados, conforme a lei. É lógico que a autoridade deve ter um certo prazer em fazer isso, mas é a lei.
Desta forma, leve e quase budista, é muito mais fácil e prazeroso.

Et voilà!

Pronto! Você está livre pra mudar o itinerário, subir e descer as escadarias de qualquer metro, pegar trem ou andar pela cidade. A “malinha” é quase um cachorrinho atrás de você. Uma alternativa mais estilosa que a mochila e mais prática, já que ela vai deslizando…como uma extensão do seu próprio ser.
No mais, no inverno, não adianta querer variar, até 2 ou 3 graus ainda dá pra ficar chic, (sempre com um casaco pesado em cima de você),abaixo disso: da temperatura e do casaco, a gente vai pondo o que estiver à mão pra se esquentar.
Nunca fui pra Europa no verão, mas acho que deve ser mais simples ainda. Particularmente, planejo com todo cuidado minhas viagens para o inverno. Apesar de ser friorenta, adoro temperaturas baixas. E se é pra VIAJAR, gosto de mudanças radicais. Luvas, cachecóis, botas e gorros…Tudo de bom!




Enter your email address to subscribe to this blog and receive notifications of new posts by email.

Junte-se a 9 outros seguidores

fevereiro 2018
S T Q Q S S D
« abr    
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728  

Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts por email.

Junte-se a 9 outros seguidores

viagens
free counters

Atualizações Twitter

Anúncios

%d blogueiros gostam disto: