Posts Tagged ‘DAY BY DAY

23
fev
10

o blog

Antes de continuar os relatos de viagem, e entupir o blog com mais fotos e estórias, quero agradecer aos leitores, pois apesar de poucos comentários, sei lá porque, tem tido um bom  ” leiômetro”. É que o wordpress tem uma ferramenta de estatísticas que mostra quantos e quais posts foram lidos, e mais um monte de informações que eu sinceramente não tinha ainda acessado, pois este blog é tipo um diário, daqueles da adolescência, onde a gente colava “o papel do chiclete que o cara que você estava a fim largou na lata de lixo da sala de aula” … e ainda escrevia o quão demorado tinha sido o olhar 43 que ele deu pra  você depois do recreio! Comecei esse blog, por causa da minha viagem à Paris, mas acabei deixando tudo para depois. Durante a viagem porque meu computador quebrou, e quando voltei, fiquei tão mal, que não tinha vontade de escrever. No ano seguinte, nova viagem, dei um up e com um computador bem pequeninho, que andou e anda comigo por todos os lugares, consegui postar mais e tomei gosto. Mas, cheguei de viagem e o calor me prostrou de novo e durante o ano, o blog andou bem meia boca. Nesta última viagem, peguei o embalo, e curiosamente o blog tem sido uma terapia para a depressão pós viagem. E eu escrevo para mim mesma. Um registro virtual e dinâmico.

No final das contas essa estória de blog vicia. Vê alguma coisa, e já bola algo para escrever. Uma mania que eu desenvolvi depois do computador. Eu tenho mania de mentalmente colocar coisas que eu vejo ou escuto,  nos “favoritos”,mentais, ou de “salvar” em algum arquivo do cérebro. É lógico, que é sempre bom ter um assunto legal, uma super viagem e fotos. Mas agora que eu peguei o hábito, virou meio Twitter (que eu não tenho muito saco).   Tenho vontade, sento aqui e escrevo. Como ainda estou organizando tudo, alguns posts antigos, estão sem categoria, com fotos meio truncadas, mas prometo relatar tudo que ficou de fora. e aos poucos reoganizar tudo. Até porque é um registro para mim mesma. Me imagino daqui a alguns anos, relendo isso tudo. Pelo menos posso resumir o número de agendas, onde anoto tudo o que eu fiz durante o dia.

Já me pediram para escrever sobre Paris e Londres, cidades que eu tenho mais intimidade, e posso falar com mais propriedade sobre o que fazer, quanto custa, etc, etc. Ah! tem um post prometido, que juro que vou fazer, sobre o “primeiro vôo internacional  a gente nunca esquece”. Também estou organizando os links, sites que eu pesquiso para planejar minhas viagens, blogs legais que eu vou descobrindo..Às vezes é bom achar tudo num mesmo lugar. Levei muitas horas navegando para descobrir coisas simples que se puder facilitar a vida de alguém, já valeu.

Então, valeu, brigadão!

21
fev
10

detesto verão

Breve pausa. Só para comemorar o fim do horário de verão. Não que o verão tenha acabado, mas para ser sincera, esses últimos dias, tem sido mais fácil sobreviver.  Desde que chegamos de viagem, tenho vivido um caos. Acampamos na sala (por causa do ar condicionado), minha nécessaire foi morar na geladeira, e o resto da casa ficou abandonado, por falta de habitabilidade. Ontem flinalmente voltei ao meu quarto, com dois ventiladores dirigidos ao meu ser, ainda encalorado. O problema é que ao desligar o ar, abrimos as janelas. Resultado: uma barata gigantesca, indecente e obscena entrou voando na sala às 11 da noite. Somos duas mulheres e antes de ficarmos em estado cataléptico, gritamos muito, a cada movimento do ser abominável! Saí correndo para ver o que poderia espirrar nela, mas o desodorante em spray, só serviu para fazê-la se esconder o que tornou nossa noite um inferno. Trancamos a sala, colocamos panos nas frestas das portas, dormimos no meu quarto, de luz acesa (dizem que elas não gostam de luz).  E o pior! Não sei aonde ela está!!!!  Pior ainda, é que o sofá é marrom, e os móveis da sala, idem. Virou tudo uma gigantesca barata!

É ela que mora aqui na sala agora.

Enquanto escrevo olho para todos os lados, com medo de me deparar com ela. Sou complemante incapaz de lidar com isso. Matar a nojenta com chinelo, impossível!  Vou sair agoooora e comprar as armas mais potentes que encontrar, incluindo laquê. Argh!

16
fev
10

recordar é viver

Meus Deus, ainda bem que resolvi arrumar o blog, colocar as fotos que devido à correria da viagem, ficaram de fora, e ainda fui “presenteada” com a transmissão das Olimpíadas de Inverno de Vancouver.

Se não, eu juro que hoje teria comprado uma passagem relâmpago para Zoropa.  Menos um dia…é assim que eu vou levando.

Proximo post, Praga, maravilhosa!

13
fev
10

“a história de uma amizade especial”

Ontem em plena sexta de carnaval, com um calor desumano, tivemos nosso primeiro encontro do ano. Cheguei meio atrasada…Táxi é uma coisa rara nesses dias, e quando finalmente meu táxi chegou, depois de uma hora esperando, quase saí no tapa com uma mulher que queria roubar meu transporte. Ai que ódio!!!  A tal mulher portava uma enorrrrme fantasia. Imaginem euzinha, carregando uma forma de mousse de azeitona (já quase falecida) me engalfinhando com um esplendor cheio de plumas e paetês, tipo “A Rainha dos Mares Obscuros do Leste  depois do Tsunami”!

Após  um breve bate-boca e um duelo mousse de azeitona X plumas de cisne asiático, entrei no táxi (eu seria capaz de arrancar pluma por pluma por aquele táxi) e finalmente cheguei ao nosso tão esperado encontro! O encontro com meus amigos queridos.

É uma amizade dessas pouco prováveis. Pois eu já entrei nos 50 e eles estão em seus twentys.

Começou em 2006, quando, para fugir de uma possível e provável depressão, eu resolvi voltar a estudar francês.  Minha mãe tinha falecido em maio. Foram 5 anos indo e vindo de médicos e hospitais…Baqueei várias vezes mas não caí.

Mas depois de tudo, eu precisava me envolver com algo que me apaixonasse. Me prendesse a atenção. Decidi voltar a estudar francês.   Mas como recuperar 30 anos longe de Oui, Merci, Très bien…e volltar no mesmo ano em que eu parei aos 17 aninhos? Estudando. Comprei os livros e passei junho e julho inteiros mergulhada em verbos, passés composés, recordando vocabulários, vendo Tv 5  pela internet e lendo Le Monde diariamente. Sou meio compulsiva, então eu só pensava nisso. Estudei mointo!!! No final de julho, fiz o teste oral e pimba! Me colocaram no último período sem nem fazer teste escrito. Eu sou simplesmente o máximo!

Primeiro dia de aula e, eu me lembrei de quando eu era professora de alfabetização. Via meus alunos chegando com o material novinho em folha e os olhos arregalados, apavorados! Pois eu estava totalmente estranha no ninho, igualzinho a eles. “Cô cô tô fazendo aqui????

Foram chegando meus colegas de classe e eu me lembro de ter dito mentalmente: Gente! eu tô numa turma de Jardim de Infância!! E completei ainda mentalmente: Fui com a cara desse garoto! Sim porque todos eram garotos e garotas e eu, a coroa bolada no meio da galera.

Tínhamos um intervalo, o pause café. A turma era animada e eu me empolgo fácil.

Mas de alguma forma, fui ficando mais próxima daquele garoto, o Rafael. E  de uma outra mocinha chamada Thais e de outra chamada Mariana.

Mas sei lá porque, talvez porque librianos se atraiam e se compreendam, era mais ligada no rapaz…No Rafael. Que numa das inúmeras festas que rolavam na Aliança Francesa, me apresentou Clarice, que por coincidência era amiga do meu filho e estudava em outra turma. Nos adoramos à primeira vista.

Daí a turma cresceu e saíamos todos juntos para curtir um japa ou um vinho. Foi quando conheci a Ju (Juliana) na época, ainda namorada de Rafael. A garotada e euzinha…

Festa vai, encontro vem. Foi ficando muito bom nos encontrarmos. A turma  grande meio que desagregou, cada qual com suas prioridades. Thais foi morar em Huston (we have a problem!) Mariana tá sempre estudando ou viajando… Mas eu, o garoto Rafael,  Juliana,  agora  sua esposa e a mocinha Clarice, formamos o que se pode chamar de um grupo de queridos amigos verdadeiros.

Nos gostamos de verdade, pelo simples fato de gostarmos uns dos outros, nos importarmos uns com os outros e torcermos aluciandamente uns pelos outros. E o abraço abraçado Clarrrrice e eu, eu e Clarrice é uma delícia. Adooooro essa mocinha. E a Ju? Gente! Adoro ela!

Em outubro de 2008, Rafael casou com Juliana.

Um dos casamentos mais queridos que eu já testemunhei. Um casamento de verdade, do olhar do noivo pra noiva, das palavras que eles disseram… Daí, eles fizeram um lar, também de verdade. Que eu costumo chamar de cocoon.  Um ninho delicioso onde nos encontramos entre quiches e vinhos… ou para um chá quando a temperatura permite (somos todos calorentos).

Não importa o menu, a temperatura, o restaurante, o estado atual das contas bancárias…sentimos saudades e quando podemos, estamos juntos. A garotada e eu.

No cocoon, esse casal recebe os amigos. Volta e meia rola uma bagunça deliciosa.

Mas firme e forte messsssssmo, somos nos 4.

Fazemos muita força para nos encontrar. São zilhões de e-mails,  mensagens e smss, até todos poderem, mas o que queremos é estar juntos. Rimos muito, festejamos muito, conversamos muito. Fotos sempre, muitas fotos. A grande maioria, às gargalhadas. É muito bom estar junto. A gente acaba um encontro sempre querendo mais, achando que faltou falar sobre um monte de coisas.

Fazemos performances, dançamos, rimos de doer a barriga.

Mesmo quando o calor (que todos nós detestamos), faz a gente pingar enquanto se diverte!

Mas acaba tudo na piada!

São pessoas que iluminam a minha vida, que chegaram porque eu decidi não entrar num buraco e fui presenteada com amigos.

E eu, que não economizo emoção, AMO esses amigos.

Meus queridos Rafa, Ju e Clarrrrice!!! Que bom que vocês existem!

25
jan
10

aqui me tens de regresso…

Chegamos a Heathrow com alguma antecedência e como já tínhamos feito o check in pela internet, foi só despachar as malas. Eu, Carol e Pedro tínhamos então bastante tempo para preencher ainda em terras londrinas…

Fomos direto para um pub no aeroporto, na tentativa de aliviar um pouco a dor da partida com algumas pints. Mas mesmo com a cerveja deliciosa, aquele sentimento de o que era doce acabou estava lá.

O terminal 4 de Heathrow é bem legal, diferente do terminal em que sempre chegamos que, cá entre nós, é bem chinfrim.

Depois do pub, uma saidinha para um cigarrinho e fomos a outro bar, desta vez um francês, com cardápios lindos, tudo em art nouveau. Mais pints e desta vez fizeram um certo efeito, pois estávamos às gargalhadas quando nos demos conta que tínhamos que correr para o security.

Passado o tradicional striptease da segurança, ainda esperamos um tempinho para o portão de embarque abrir e lá fomos nós para Paris, que dessa vez só sentimos o gostinho, no aeroporto mesmo. Nossa conexão era meio apertada e mesmo sem poder sair do aeroporto, passamos por outro ritual de tirar tudo, sapatos, cachecol etc…As lojas do free shop já estavam fechando e nem deu para curtir umas comprinhas….

Nosso voo estava inacreditavelmente vazio. Carol ficou com duas poltronas e eu com tres só para mim.

Na fileira do meio, um ser inerte, já tinha se espalhado em todas as cadeiras e dormiu o voo inteiro sem nem acordar para as refeições! Morri de inveja, pois minha total incapacidade de dormir em viagens, mesmo depois de cervejas, champanhe e vinho servidos fartamente nos voos da Air France me fez ficar acordadíssima e perambular pelo avião a noite inteira. Muitos Haagen Dazs, champahes e sanduiches para preencher o tempo…dormir que é bom, nada.

Chegamos bem, se é possível estar bem com o choque térmico que se tem ainda no aeroporto. Enquanto esperávamos as malas, veio uma jovem, equipada com uma prancheta na qual se via uma enorme lista de perguntas, tipo uma pesquisa.

– A senhora é de que estado? Me perguntou a jovem animada com a tal pesquisa…

– Do estado de choque!!! Respondi sem pensar…Incrédula, a mocinha ainda insistiu, mas pela minha cara de desespero, desanimou e foi embora. Dá para acreditar que alguém chegando da Europa tenha alguma capacidade de responder a mais de vinte perguntas???

Ao chegarmos em casa, constatamos que estávamos sem nenhum meio de comunicação. Fixo, celulares e internet cortados por falta da pagamento. Eu sabia que em algum lugar tinha um chip pré pago, mas encontrar um chip na mala, foi uma tarefa exaustiva…

Dormi o fim de semana inteiro!

Agora, mais de 48 horas em terras tupiniquins, ainda me encontro em estado de negação. Tô meio perdida mesmo. Tres e meia da manhã de segunda e sei que amanhã tem Bom Dia Rio e depois Ana Maria Braga…Como é que eu vou pegar no sono sem ouvir o locutor da LBC falando??? De volta para a Band FM…fazer o quê? O pior é mulata globeleza, BBB e anuncio de supermercado, com chã, patinho e lagarto…

Esta semana começo a organizar o blog…só assim, revendo fotos branquinhas e fresquinhas, dá para refrescar…até!

21
jan
10

20, 21 de janeiro, balanço geral

Não vou negar, estou muito meia boca.  Nossa temporada está acabando e temos que enfrentar a dura realidade…Queríamos ficar até depois do carnaval, quando o ano realmente começa no Brasil,  mas não dá. As aulas de Carol já começaram e a reta final da pós-graduação não pode esperar.  Não é novidade que sofro de depressão  pós-viagem aguda.  Mas desta vez, ela atacou com antecedência mas ainda em estágio inicial. Quem me conhece sabe que por mais escabrosa e séria que seja a situação, eu faço piada, acho um detalhe engraçado…Então porque essa situação é tão penosa????

Como sei que vamos voltar, talvez eu não sucumba totalmente, mas nos primeiros dias os sintomas são claros e muito fortes.

Então como tratamento preventivo, minha estratégia será planejar novas viagens e re0rganizar o blog, que foi importado do Blogger para o WordPress e algums posts e fotos vieram meio truncados.  E lógico, ligar o ar condicionado no último!

Pausa…fui lá na varanda para sentir o friozinho da manhã e ver os esquilos, mas como estava escuro, so tinha duas raposas, pode?  são 6 e meia e nem amanheceu ainda (a insônia é um dos  sintomas da DPV).

Ai meu deus, ainda estou aqui!!! Fazendo um balanço (inclusive financeiro) as conclusões são simples. Uma vez cruzada a barreira do Atlântico, viajar aqui dentro é fácil e barato. Se compararmos com o nosso querido e ensolarado país, dá vontade de chorar. Uma simples semana em Fortaleza ou Serra Gaucha (muito mais a minha cara), nesses pacotes turistões, não sai por menos de 150o reais por pessoa. Nossa trip pela Austria e República Checa, não chegou nem perto disso e foram 9 dias intensos, cruzando 3 paises, da Inglaterra para a Austria, da Austria para Rep. Checa. É lógico que não dá para pagar em 10 X mas se a gente junta o preço da prestação e faz da  viagem um objetivo, rola sim.

Outra óbvia conclusão é que isso faz um bem enorme. É o mais poderoso tratamento anti-aging, anti-depressing, anti-arthritis do mundo. A gente se torna super.

Aqui no quarto do Dani, nos divertimos, dividimos a  cama, esquema para banho, criamos vários ambientes, como o <<canto do desespero, onde ficam as botas, bolsas e afins, <<a toca da macaca doida, onde fica o heather e secamos as nossas roupas, meias e toalhas,  penduramos os casacos e é praticamente uma viagem (a gente enfia a cabeça para procurar uma meia e sai com uma calça térmica), << os subterrâneos do inconsciente (área localizada embaixo da cama, onde rola de tudo) e o Beauty Center , a pobre cômoda do Dani, onde eu e Carol, por  mais de um mês, dividimos um espelhinho redondo, para secar cabelos, maquiagem, etc, sem nenhuma crise, hahahha! Espelho de corpo inteiro?(Só fomos nos encontrar com nossos corpos em Salzburg, cujo quarto do hotel tinha um enorme espelho na porta do banheiro).

A conclusão final, é que esse é o meu principal objetivo.  Lambrecar meu passaporte com todos os carimbos do mundo!!!

10
dez
09

COMPLETAMENTE ENLOUQUECIDA

08
dez
09

MUDANÇAS PARA 2010 UM ANO DOURADO

Antecipando mudanças de Ano Novo e a comemoração de um ano do blog, mudei o nome e o lugar do mesmo. Motivos não me faltaram. Primeiro que como o blog é uma coisa dinâmica, ao longo desse ano, fui percebendo que queria mais do que  falar sobre as viagens. Às vezes pensava num post, mas me perguntava o que é que isso tem a haver com o tema do blog? Segundo, que este humilde blog, não foi criado para ser um sucesso retumbante de acessos e sim uma espécie de email coletivo para amigos verem alagumas fotos e comentários sobre o que eu estava vendo e sentindo. Durante esse ano, tive muitos comentários por email, uma fiel seguidora e alguns anônimos. Dentre esses um dizia que A PRÓXIMA VIAGEM era plágiil e que já existiam além de uma revista com esse nome, um outro site ou blog sei lá… Falta do que fazer do anônimo. Mas ontem, dei com uma notícia que me chamou atenção. Um inocente blogueiro está sendo processado, pois deixou por dezesseis dias, um comentário anônimo que segundo quem o está processando era ofensivo. Leia http://g1.globo.com/bomdiabrasil/0,,MUL1394447-16020,00-BLOGUEIRO+E+CONDENADO+A+PAGAR+R+MIL+POR+COMENTARIO+ANONIMO.html

Bom, euzinha não quero a essa altura ser condenada por um inocente blog, então, aproveitando a deixa e a vontade de expandir horizontes, mudei….eu mudo mesmo, sem o menor pudor…Mudo de operdora de celular, de email, de estado civil, então, mudar de blog é pinto. Importei todos os posts e pronto, casa nova.
Porque MALA DE RODINHA E NÉCESSAIRE? Porque eu posso colocar o que eu quiser dentro!!!  Liberdade total para 2010.

06
maio
09

SEGUINDO VIAGEM…


Nem todas as grandes viagens nos são apresentadas por passagens de avião. Há viagens que fazemos mentalmente, passeando por agendas de anos passados, fotos um pouco embaçadas, um rabisco de poesia esquecido dentro de um livro, uma música que toca ao acaso. São passeios e aventuras, cujo roteiro, depende do atalho que se escolhe diante de uma encruzilhada. Uma decisão. Você pode escolher o destino. O cume de uma montanha de onde se vê uma paisagem alucinante ou… o mais profundo abismo.

Nasci em outubro, no início de uma primavera, quando tudo renasce. É o reflorescimento. Como uma típica libriana, sempre fui ansiosa e já em janeiro, eu me sinto com a idade que terei em outubro, quando finalmente completo o ano que já comecei a viver. Por isso, desde então, já tenho cinquenta anos. Uma delícia! Estou vivendo num dilúvio de pequenas e grandes liberdades. Minha viagem mais delicada e preciosa. Escolhi o topo da montanha, de onde vejo as mais lindas paisagens e faço planos. Me descobri numa simplicidade deliciosamente descomplicada. A cada dia, me descomplico mais e escrevo um pequeno dicionário de mim. Cada verbete, muitos significados. Porém, o dicionário é de bolso.
Filhos grandes e meus grandes amigos. Companheiros fiéis das minhas estradas e andanças. Uma jornada de trabalho tão vasta e variada, que me permito a aposentadoria de ansiedades. Ter, obter, comprar e acumular, são verbos que conjugo cada vez menos. Como me tenho cada vez mais, preciso cada vez menos de coisas e cada vez mais do mundo. Sou rainha do meu reino. Não preciso de coroa que me diferencie dos servos. Algumas roupas no armário, me bastam. Tenho mais sapatos do que preciso. Doei livros que já li. Roupas que já usei. Móveis e utilidades domésticas, inúteis, empoeirando no armário também.
Algumas rugas, às vezes penso num lifting (só para aumentar o prazo de validade!). Alguns quilos a mais, comecei a andar na praia e mais uma vez me delicio com legumes e verduras, brincando de alquimia na minha cozinha.
Quero apenas ver e sentir. Me refrescar no verão e me aquecer no inverno. Comer quando tenho fome e dormir quando estou com sono. E viajar, sempre. Viver e fotografar os minutos, de um agora constante. Perceber como sou feliz, no exato instante entre o antes e o depois.

24
mar
09

QUERO VOLTAR!!!


Nem sei por onde começar esse post. Mas tudo que sinto hoje, é uma enorme vontade de voltar para Brugges. Arrumar minha malinha, pegar minha filhota pela mão e partir no primeiro voo (assim mesmo…o acento caiu).
A tranquilidade dessa cidade mágica, onde o tempo e o sino do campanário se confundem, onde a névoa cai às 4 da tarde, transformando a cidade num cenário, onde me senti segura, para sair às três da manhã de um pub, percorrer a praça central e dançar e brincar de roda com minha filha. Uma sensação que há muito tempo não sinto aqui no Brasil onde perdemos o direito de ir e vir. O Rio de Janeiro, é guerra e medo. Hoje, acordamos com as aterrorizantes notícias de um combate, em plena Copacabana. A guerra do tráfico, está literalmente nas ruas. E eu, que precisava atravessar este bairro, para pegar um documento, não fui. E agradeço por ter a opção de não ir. As pessoas que moram lá, que precisam trabalhar, não tem essa opção. Precisam enfrentar a guerra. Aqui em Niterói, hoje temos uma operação para prender uma quadrilha que roubava mais de cem carros por mês e sequestrava os motoristas. Ver ou ler os jornais é um ato de coragem, coragem que perdemos de sair de casa.
Quero voltar… Voltar para aquela sensação de poder sair de casa e andar por um parque deserto, sem medo…

Me sinto triste e acuada.




Enter your email address to subscribe to this blog and receive notifications of new posts by email.

Junte-se aos outros seguidores de 9

julho 2020
S T Q Q S S D
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031  

Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts por email.

Junte-se aos outros seguidores de 9

viagens
free counters

Atualizações Twitter


%d blogueiros gostam disto: