Posts Tagged ‘neve

02
dez
10

Neve à beça!

Barcelona, Edinburgh, Estocolmo e Paris foram as cidades que visitamos em plena primavera… Eu bem sei, que quem vive isso, como a Livi (leitora querida) que mora no Canadá, às vezes enche o saco. É difícil de andar, os transportes param, o dia tem pouquíssimas horas. Mas é lindo e euzinha não me canso de ver e me refrescar com essas imagens. Eu sou mesmo chegada num inverno branquinho.

Em Barcelona, ainda não nevou, mas está previsto para os próximos dias. Em pleno março deste ano, estava assim:

 

E Edimburgo :

 

E Estocolmo…

 

E Paris…

Estou quase perdendo o controle… mais um dia de calor e eu não me responsabilizo …

Até!!!

Anúncios
15
fev
10

salzburg- reeditando viagens 5

Staatsbrücke –  Ponte sobre o rio Salzach

Assim que acordei, olhei pela porta do balcão de nosso quarto e contatei que estava nevando! E muito! Perfeito, pensei. O único problema é que queríamos subir as montanhas. Com esse tempo, não veríamos nada…

Castelo de Salzburg Festung

Fomos então conhecer a cidade antiga de dia. Segunda-feira cedinho, pouca gente na rua.

Salzburg Cathedral

Chegamos à catedral de Salzburg. Construída durante os séculos 17 e 18, é a mais impressionante construção em estilo barrroco dos Alpes do norte, por causa de sua fachada e do seu domo principal. É linda mesmo! Robusta, massiva e imponente. O tempo e dinheiro eram curtos e mesmo morrendo de vontade, não andamos nas carruagens com seus simpáticos cavalos. Desde Brugges fiquei louca por carruagens.

Fomos então procurar a funicular (trem que leva às montanhas).

Pode-se subir à pé, mas do jeito que tava nevando, ia ser bem difícil. Da Kapitelplatz, tem- se acesso a Festungsgasse,o funicular.

Subida para Festung Hohensalzburg

A fortaleza fica no cimo do Mönchsberg a 542 metros de altitude e está a cerca de 120 metros acima do nível da cidade.

Por 6 euros, você pega o trenzinho e quando desembarca, tharam!!

É uma visão!!! Sei que  a neve, talvez esconda as cores da cidade, mas é liiiiindo!

E a gente passa um tempão lá em cima, imaginando como construíram aquela fortaleza. Em 1077 começou a construção da fortaleza de Salzburg.

Sua construção continuou até 1519. E é a fotaleza mais preservada da Europa.

Definitivamente eu tenho um pé na idade média. Ao mesmo tempo que fico imaginando todas as dificuldades e perrengues dessa época, tenho uma atração fatal.

Nevava mooointo! E a gente se acabando… Durante quase todo o tempo, éramos  só nós.

Então a gente brincou mesmo, bem ao nosso estilo!

Museu da marionete.

Esse museu, fica dentro do castelo e a entrada está embutida da do trenzinho. Vale a pena. Em Salzburg, as marionetes são uma arte. E as marionetes em si, são absolutamente fantásticas.

Na volta, literalmente nos perdemos. Não conseguimos achar a entrada do trem. Ótimo! Descemos a pé!

Muito íngrime, mas no caminho, cenas maravilhosas.

Vista da catedral! Demais!

Descemos a passinhos curtos enquanto o pessoal limpava a neve. Lindo, né???

A neve caia em baldes! E nós adorando!

Chegando lá embaixo, fomos para a cidade antiga, dar uma olhada no comércio local.

Quase todas as lojas tem os letreiros para fora.

Paramos para um café. restabelecemos as forças, nos esquentamos um pouco…

E tudo é muito lindo!

Mais um café…

E os cenários de filmes como a Abadia de Sao Pedro. (A noviça rebelde)

Não é de tirar o fôlego???

E voltamos para “casa”. Fizemos nossas compras de supermercado. Nossa última noite em Salzburg! Ficaria muito mais…

No dia seguinte, fomos muuuuito rapidinho ao Palácio Mirabel. Só para tirar  fotos:

E na volta para o hotel…

Mais uma vez a catedral imponente. E parques…

E fomos correndo para o hotel.  Uma longa viagem de trem e nosso hotel em Praga nos aguardavam!

10
fev
10

reeditando viagens 4 -salzburg-

Para fazer esse roteiro, pesquisei muitos sites e blogs. Salzburg entrou, porque de Innsbruck à Praga, teríamos que fazer uma escala de qualquer jeito e segundo o site das companhias de trem da Austria e Rep. Checa, a conexão seria ou em uma cidadezinha da Alemanha ou em Salzburg.

Então, devido ao atraso do nosso vôo de Londres para Innsbruck, só pudemos ficar uma noite e dois dias em Innsbruck. No dia 10, acordamos, tomamos um mega café da manhã, fizemos o check out, pegamos nossas malinhas e fomos a pé para a estação de trem. Compramos as passagens para Salzburg. Nosso trem sairia às 12 e 45.

O trem chegou pontualmente. Para nós, pouco acostumados a esse tranceté de trens, rolou uma certa dificuldade para acharmos a segunda classe e uma cabine, em meio às pessoas e respectivas malas. Funciona assim: o trem chega e todo mundo se movimenta  rapidamente, pois o trem sai rápido. Uma vez dentro do trem, a gente procura uma cabine. Pelo menos nos trens que pegamos até hoje, não há lugar marcado. As cabines tem 6 lugares, tres de um lado, tres de outro.

Em cima, o bagageiro. Mais um vez, malas pequenininhas vem bem a calhar.

Achamos uma cabine com só duas moças e nos acomodamos. A cabine é confortável, quem senta nas extremidades, tem até uma mesinha e tomada para carregar celular ou computador.  Pouco tempo depois que o trem sai da estação vem o controlador para verificar os bilhetes. Mais um pouquinho e vem uma moça com um carrinho vendendo comidinhas e bebidas. Mas que é engraçado você viajar com gente que você nunca viu, sentado bem em frente a você, é. Uma das moças, era meio, como direi, entojada. Mas logo depois ela começou a babar na gola… Nosso trem parou em duas estações antes de chegarmos a Salzburg.  Mais ou menos 3 horas de viagem.

Era domingo, e a estação de Salzburg, um pouco confusa por causa de uma obra de modernização. Eu sabia que era muito perto de nosso hotel. Mas um coisa é você olhar no mapa, outra coisa é se localizar e saber que rua pegar. Fizemos uma parada técnica no Mac Donald que fica no shopping center em frente a estação, para um pipizinho.  Carol pediu batatas fritas, na base da mímica e veio um hamburguer. alemão não é o nosso forte. Depois, tentamos achar a tal da rua que supostamente dava no hotel, mas andamos em círculos.  Decidimos pegar um táxi. Rapidinho, estávamos no Hotel Lasserhof.  Meu dedinho de ouro não desapontou. Não é bem no centro histórico, mas dá tranquilamente para ir a pé, que é a melhor maneira de conhecer uma cidade.

Hotel Lasserhof


Fizemos o check in, pegamos o mapa da cidade, largamos as malas e fomos bater perna…

Deu para “notar” que tinha nevado à beça, embora na hora em que chegamos a neve estivesse fraquinha…

O rio Salzach corta a cidade. Do outro lado está a cidade histórica, ornada por Festung, a fortaleza de Salzburg.

Mapa de Salzburg em italiano.

Aliás, tanto em Innsbruck como em Salzburg, muitos italianos!

Atravessando o rio, você está chega à parte histórica da cidade que é linda! A primeira coisa que chama a atenção, é que a cidade é cercada por montanhas. Essas áreas verdes do mapa.

A música é uma constante. Afinal, é a cidade onde nasceu Mozart. Mozart é o “garoto propaganda da cidade”. Ele está em toda a parte, desde bonequinhos simpáticos a camisetas, caixas de bobons, licores em garrafinhas com formatos de instrumentos musicais… Mozart bomba em Salzburg.

Na parte antiga da cidade, a arquitetura barroca é um colírio para os olhos. Neste primeiro dia, como já estáva anoitendo, vimos as luzes se acenderem. A iluminação deixa ainda mais “dramática” a paisagem.

Essa sensação de estar numa cidade pela primeira vez, é o que eu mais adoro! Cada detalhe é uma descoberta.

Ruinhas, lojinhas, sons e cheiros. Salzburg é encantadora. Me apaixonei logo na primeira noite. Andamos sem compromisso por toda a cidade antiga, degustando os pequenos detalhes.

Casa de Mozart

Voltando para o hotel…

Detalhe da porta do elevador em Tromp l´oeil.

Nosso hotel era meio vintage. Mas bem confortável. Um ótimo café da manhã, (um dos responsáveis pela minha atual forma física).

Festung, fica para a continuação…

03
fev
10

reeditando viagens 2 -innsbruck-

Sempre quis conhecer Innsbruck. Aliás, desde “A Noviça Rebelde”, que eu sonho em ver montanhas cobertas de neve.

Desta vez, quando dei de cara com uma passagem de avião por 30 libras de Londres para Innsbruck, não tive dúvidas. O mais incrível foi achar um hotel, no centro da cidade, que cabia no orçamento.

Innsbruck é uma das cidades mais antigas da Europa. Fundada como colônia romana, com o nome de  Veldidena,  passou para os bávaros, no século VI e torna-se capital do Tirol em 1429. E bem como eu gosto, é cortada pelo rio INN. O nome vem daí.:brücke é ponte…Innsbruck, ponte sobre o rio Inn.

Essa é a saída do aeroporto. Não há nada mais fácil do que chegar ao centro da cidade. Um ônibus passa logo na saída, e por 1,50 euros, e 8 minutos, você está na Maria Theressian Strassenn que é a rua central e também onde fica o hotel em que ficamos. Demoramos um pouco para encontrar o Hotel Brënoissil, porque o nome estava meio escondido.  No hotel, obtivemos as confirmações de tudo que eu já tinha pesquisado. Era tudo perto mesmo!

Como já estava anoitecento, não deu para ver as montanhas. Minhas expectativas eram enormes, assim como nosso casacos que tivemos que espremer para fecharmos as malinhas. Afinal, a temperatura nas montanhas oscilava entre -8 e-24.

Dá para imaginar???? aproveitamos a liquidação da Mountainwearehouse e nos equipamos para um tour pelas montanhas geladas dos Alpes austríacos.

Nessa primeira noite, demos uma volta por essa rua central, as paralelas e perpendicualares. Conseguimos achar o supermercado salvador, responsável pelas cervejas e por nosso “jantar”. Mas deu também para perceber que é uma cidade cara, no que diz respeito à roupas. A maioria acima dos 3 dígitos. Também chegamos à conclusão, que, pelo menos no inverno, a cidade some às 6 e meia da noite. Quase ninguém na rua.

A não ser nós, batendo perna, para nos localizarmos.  Exaustos, mas curiosíssimos, fizemos nossas comprinhas no supermercado. Tudinho em alemão. Mas quem precisa de tradução para descobrir uma lata de cerveja, indetificar queijos maravilhosos, pão de enlouquecer, batatas fritas apimentadas e outras guloseimas mais. Ah sim, não foi tão caro assim…

Ainda tínhamos disposição para um pub, mas acabamos mesmo fazendo a festa no quarto do hotel. O hotel aliás, um ótimo custo benefício com um excelente café  da manhã.

No dia seguinte eu mal podia esperar para ir logo para as montanhas. Aconselho o Innsbruck card. Mesmo que não dê tempo de ver tudo que ele dá direito, só a subida e descida às três estações, já saem bem mais caro que o cartão. Compramos o de 24 horas. 36 euros cada.

No mapa abaixo dá para ver como é pequena a cidade, pelo menos o centro, onde tudo acontece. O quadrado vermelho, é diagmos assim o buxixo. Estão marcados o nosso hotel e a estação onde se pega o bondinho para a primeira estação.

Nordkettenbahnen, a funicular (transporte que leva montanha acima), leva o visitante do centro da cidade, na Congrees Station às estações.

caminho para a estação

No caminho para a estação, descobrimos a entrada para o centro histórico. Mas a nossa meta, era outra.

Atenção para o detalhe das botas, hehehe!

Na subida para a primeria estação, estávamos sozinhos no trem. E começa a subida…

A primeira estação chama-se Hungerburg.

Projetada por Zaha Hadid, é um arraso! futurística, espacial, ao mesmo tempo parecida com uma geleira, é linda! Estamos aí, a 860 m acima.

Ficamos pouco tempo. A gente queria mesmo, era ir na mais alta!!!

Os bancos do restaurante são forrados com pele! E lá fomos nós para Seegrube, a segunda estação, onde rola o total buxixo, com um super restaurante, onde as famílias se reúnem, “se esquentam do lado de dentro” , e os skiadores se encontram para um social.

Notem as cadeiras…é sentar e olhar para as nuvens ou para o nada!!! Estamos a 1905 m acima!

Olha o trio calafrio aí!!!

Mas Hafelekar nos esperava…a 2256 m acima do nível do mar!!!

Hafelekar Alpes Austríacos


Uma loucura!!!! E nem senti tanto frio assim. Mas o visual é de enlouquecer. É lógico que não esquiamos. Quase surtei quando vi um cara simplesmente desaparecer na minha frente esquiando. Ele subiu num desses picos, e pluft, sumiu no nada.

Uma das experiências mais loucas da minha vida.

Nesta estação, não há uma grande construção. Uma casinha de madeira ali, outra acolá, neve, muuuuita neve e nuvens abaixo de nós, fazendo parecer um mar branquinho.

Voltamos então à Seegrube para comemorarmos à altura e a altura! Brindar a essa aventura maluca que eu planejei e os “filhotes” adoraram.

Muuuuuuuuuuito frio, aliás, mais frio do que lá em cima!!! Tomamos todas, enquanto víamos o pessoal, chegar coberto de neve, depois de esquiar a manhã inteira.

Na volta é que se pode perceber a beleza do caminho.

07
jan
10

7 de janeiro, voos cancelados

No trem para Gatwick, já sabíamos que íamos precisar de muita sorte. Ontem, 200 voos foram cancelados por causa da nevasca. E a Europa está debaixo de neve! Mas mesmo assim fomos, pois não conseguiríamos outro jeito de  saber o que fazer com os nosso bilhetes.

Em London Bridge, de onde teoricamente parte um trem mais barato para Gatwick durante todo o dia, tivemos sorte. O Dani comprou os tickets e a moça mandou ele correr. O trem parte em 2 minutos, hurry up!!!

Corremos, nós e nossas malinhas (graças a Deus, pequeninhas) e conseguimos pegar o trem. Minutos de pura calma, vendo uma paisagem branquinha passar pela janela. Esse trem para em várias estações e em cada delas dava para ver a quantidade de neve aumentando.

Lógico que lá no fundo eu sabia que as possibilidades de embarcar eram mínimas. Mas…

Chegando ao aeroporto, com antecedência, nos informaram que deveríamos esperar até 10 e 45. Ninguém sabia do nosso avião ou por onde ele andava.

Vimos um princípio de favelização. Num dos portões, uma turma de sei lá que nacionalidade, simplesmente montou um acampamento de sem teto ou sem voo. Cobertores pelo chão, garrafas d´água pelo chão e gente roncando e babando. Um luxo!

Saímos para respirar o mais puro ar gelado, a mais ou menos, menos 4!!!

Bom, tínhamos que preencher o tempo. De easy, esse jet não tinha nada.

Já estávamos subindo para o pub no andar superior, quando a vozinha anunciou o check in para vários voos incluindo o nosso.

Imediatamente uma enooooooooome fila se formou. Malas de todos os tamanhos, equipamentos de ski, senhorinhas, crianças.

Tudo amontoado na mesma fila, para vários destinos. Volta e meia vinha um atendente a companhia, distribuir um papel dando as informações dos voos cancelados.  Até que chegou uma hora que um mulherzinha, com a cara meio desesperada disse em alto e bom ingles = eu aconselho aos que moram no país, a voltarem para suas casas e reformularem suas reservas. Todos os voos estão cancelados, sem nenhuma previsão.

Fazer o que???

Aproveito e mostro o tal do engradado, que mede a malinha que pode viajar com você.  Se ela couber nesse espaço, ok, você está aprovado. Mas tem que colocar SOZINHO no compartimento do avião e não pode levar bolsa  de mão.  Ou seja…viajar você viaja, mas não muda de roupa, nem de sapato, etc

E ainda gastamos uma grana na volta, por conta do Gatwick Express, já que os trens  + baratos também haviam sido cancelados. Concluindo… Nós e zilhões de outros passageiros, fizemos uma excurção ao aeroporto e voltamos.

E até agora a dúvida continua…Decola ou não decola? Temos duas opções. Ou pedimos reembolso ou tentamos amanhã…

Acompanhem.. Easyjet a missão, parte II

06
jan
10

5 de janeiro, batendo perna e muita neve

Ontem fomos fazer algumas compras pois na teoria, vamos para Innsbuck amanhã. Digo na teoria, pois o nosso voo é pela Easyjet (aquela dos voos baratinhos) e parte de Gatwick, que está… fechado, inoperante,  zero atividade devido à 20 centímetros de neve na pista.

Acordei com o locutor da LBC dizendo que se não fosse absolutamente necessário, londoners não deveriam sair de casa. Saímos.  Na rua, uma nevesinha michuruca, então fomos ver uma bota para o Dani e mais roupas térmicas já que em Innsbruck a mínima está em -12, chegando a – 18 nas montanhas. Nosso destino = Mountainwerehouse.  Que para nossa alegria, está numa sale selvagem, tipo 70% e luvas de neve, compre uma e leve outra.

Este ser aí do lado, sou euzinha com a jaqueta do Dani. praticamente um saco de dormir, mas super quentinha para enfrentar temperaturas extremas. Note o detalhe da luva, com o refletor…Um charme!

Batemos perna o dia inteiro, entrando e saindo de lojas e nada da tal neve. Compramos mais maquiagem e ítens super necessários para mais uma viagem.

Na volta para casa, antes de pegar o nosso querido e entupido 453 to Deprford Bridge peguei o jornal gratuito.

Era o London Paper, agora é o Evening Standart.  Qual a manchete da capa???

Mas até aí, nada de neve. Saltamos do ônibus e entramos no Tesco para comprinhas para o jantar. Entupido! tipo véspera de Natal. Depois entendi que eram as pessoas fazendo estoque, igual esquilo guardando nozes para o inverno.

O fato é que tinha até hora marcada para começar a nevar. O pessoal aqui da casa, vendo o tempo no Iphone…o ícone da neve já tava lá.

Eu não tava levando fé. 10 minutos depois, Bruna bate à nossa porta =

Gente!! Tá nevando à beça!!! Fomos para a varanda e depois para o parquinho aqui em frente, brincar como crianças. Lindo!!! Em minutos tudo branquinho, guerra de bola de neve, assinaturas no chão, fotos ( as minhas posto depois, pois minha câmera estava sem bateria).

Pois bem, nevou a noite inteira e hoje o caos.

Travel chaos as snow cripples London and South-East

Kiran Randhawa, Sri Carmichael and Ross Lydall
06.01.10

Rail and Tube services were hit by delay and cancellations and roads across the capital paralysed.

About 220,000 children were unable to attend school as forecasters warned of a further four inches of snow throughout the day.

Gallery: Snow scenes in London

The Met Office issued more severe weather warnings for the rest of the South, parts of which have seen up to 16 inches of snow. The AA advised drivers to stay at home after hundreds were trapped in their cars this morning by blizzards.

Gatwick and Luton airports were closed, with stranded air passengers forced to spend the night there.

Gatwick remained shut this morning. At least 84 arriving and departing flights were cancelled as eight snow ploughs and four tractors worked to clear the runways.

Many passengers on axed services chose to sleep in the terminals in the hope of catching a flight today because airlines refused to pay in advance for accommodation.

Sacha Portens, 20, a chef from Woking, rebooked her Ryanair flight to Dublin, cancelled last night, for 8.45am today but that was also axed.

She said: “It’s been a complete nightmare. I’ve had to sleep on the floor and spend hours queuing. I sat in the plane last night for two and half hours before being pulled off. I’m told the next flight I can get is at 11.30tonight.”

Acho que dá para ter uma idéia… Euzinha, já ando com receio de agradecer . Minha caixinha bombou!

A paisagem da minha janela está assim

A viagem??? Sei lá. Desse jeito, Innsbruck é aqui mesmo…

17
dez
09

ANDANDO E NEVANDO

Ontem acordei e como sempre fui fazer meu café. Olhei pela janela da cozinha e, em êxtase vi que estava NEVANDO !!! é o que chamam light snow, porque quando a neve cai no chão derrete.  Mas é lindo anyway.  Nos arrumamos em camadas de roupas e saímos. No caminho para o ponto de ônibus,  a coisa começou a apertar.

Nosso destino era Southwark Cathedral, é uma capela que virou, pequena e aconchegante, que visitei o ano passado às vésperas de voltarmos. Sou louca por catedrais. Tenho um pé na idade média.  Mas faz pouco tempo que compreendi que para ser uma catedral não precisa ser enorme, basta que tenha uma cátedra, que vem a ser a cadeira do bispo.  Mas essa em especial se tornou uma das mais queridas.  Inicialmente um prioradao, construída pelos Normandos, dedicada a St Mary ficou conhecida como St Mary Over the River, que virou St Mary Overie.  Ela fica ao lado da estação de metro London Bridge, mas por um acaso maluco, nos perdemos andando sob uma mistura de chuva, vento e neve. Fomos, as duas louquinhas, parar perto de Tate Modern, num dia em que até os peixes do Thames estavam batendo queixo.  Paramos para restabelecer energias com capuccinos e um delicioso wrap, que degustamos, óbvio, do lado de fora.  

Acabada a refeição, nos localizamos, com a ajuda de algumas placas e, partimos para a missão. Não era exatamente uma promessa, mas eu queria muito ir à catedral.

Continuamos meio perdidas até que demos de cara com o Bourough Marcket, cuja  a história está ligada à London Bridge, a única ponte sobre o Rio Tamisa,  até o século 18 e portanto a única ligação de Londres e o sul da Inglaterra, com a Europa continnental e seus produtos.

Considerando que saímos de casa por volta do meio dia, já estávamos andando a 4 horas e eu ainda não tinha chegado à S Cathedral.  Mas estávamos perto. Depois de virar a esquina, uma esquina de uma ruela estreita, lá estava ela!

A foto está tremida de pura emoção.

Quando entramos eu estava em estado de graça e para completar, um coro de meninos ensaiava no altar, cântigos de Natal.  Um senhorinha, com panfletos na mão veio em nossa direção, perguntando qual era a nossa língua para nos entregar a história da catedral. Essas senhorinhas, na sua mariora, cor-de-rosa, fazem parte dos Amigos ou Ajudantes da Capela. Cuidam, recebem e orientam os visitantes e são simplesmente uma delicia.  Depois desse momento totalmente emoção, tive outro. Fomos na lojinha da Igreja, comprei um chaveiro e meu segundo anjinho. No caixa, duas senhorinhas, uma delas beeeem senhorinha, com óculos grandes, mãos magrinhas, articulações dos dedos daquele jeito bem vovó… As duas tentavam se entender com aquela máquina estranha – o computador – Uma demora inevitável entra a escolha dos suvenirs e o pagamento. Mas eu nem liguei, ao contrário, tive ímpetos de pular o balcão e abraçar a senhorinha.

Cumprida esta tarefa, tínhamos que comprar nossas passagens para York. Vamos de ônibus, mas tinham nos garantido que vendiam em Kings Cross, estação de trens que partem para toda a Inglaterra, ao lado de St Pancras. estação de trens internacionais, como o Eurostar. Lógico que não vende passagens de ônibus na estação de trem, mas mais uma vez eu nem liguei. Um outro coral se apresentava na estação e deixamos o recinto ao som de We Wish You a Merry Christmas and Haappy New Year! lálálá lálá.

Metro lotadaço, em pleno rush londrino pré natal. Eu fui entrada no vagão pela multidão e acho que meus pezinhos nem tocaram o chão. 2 estações, Victoria Station, literalmente a mais apinhada de gente da face da terra. Andamos até Victoria Coach, compramos as passagens e para a surpresa (e desespero) de Carol, eu ainda tava afim de ir a Oxford Street comprar o tripé maleável para minha câmera, pois com ele, podemos tirar fotos de nós tres juntos. Simplesmente não posso mais viver sem isso!!!

Saímos na Oxford  Circus, eternamente congestionada, mas neste período é especialmente entupida de gente. Atravessamos o tal cruzamento japones, que é mega engraçado, porque as pessoas ficam dançando para não se baterem de frente e enfim, chegamos à loja.

É lógico que o que a gente quer, está sempre no último andar. No caso da John Lewis, no 6 andar. Graças a Deus o mais vazio. Achamos o tripod rapidinho saimos e eu completamente surtada, ainda quiz passar na Primark para dar uma checada se tinha um casaco de nylon, que não deixa passar chuva, nem frio, nem neve, do meu tamanho, já que na véspera, tinha ficado com isso no meu cérebro.  Vimos casacos semelhantes, mais curtos, mais ou menos peludos e muito mais caros. Então eu queria aquele. Essa loja é uma mistura de C&A com Leader, só que com preços ridículos.  No meio de uma arara, com uns cinquenta casacos  achei o único do meu tamanho. Pronto! felicidade total. Não fosse algo incomodando no meu calcanhar, iria inventar mais alguma coisa para fazer.  Mas ao chegar no ponto do ònibus, pânico total! Eu simplesmente não podia tocar no meu calcanhar. Bom, daí por diante, foi pura mentalização.  Eu vou conseguir chegar em casa!! Mas…ainda passamos no Tesco e euzinha quase pedi para ser levada para casa num dos carrinhos.

Chegamos em casa e ao tirar a bota (nova, daquelas que tem pelúcia dentro) descobri que o solado da dita cuja, é praticamente um engradado, formado por losangos de um material duro.  8 horas de caminhada+ bota nova? um calombo no calcanhar… Mas nada como uma caminha quentinha um pouco de juizo e um dia em casa para renovar as energias. Amanhã tem mais.




Enter your email address to subscribe to this blog and receive notifications of new posts by email.

Junte-se a 9 outros seguidores

agosto 2018
S T Q Q S S D
« abr    
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031  

Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts por email.

Junte-se a 9 outros seguidores

viagens
free counters

Atualizações Twitter

Anúncios

%d blogueiros gostam disto: