Posts Tagged ‘Prato della Valle

30
mar
12

Pádua – como chegar à Basílica de Sto Antônio de Pádua – Itália

ESTE BLOG MUDOU DE ENDEREÇO:  www.maladerodinhaenecessaire.com

A Basílica de Santo Antônio de Pádua, fica a uns 300 metros de Prato della Valle. Estando de frente para a Basílica de Santa Giustina, a Via Beato Luca Belludi está à sua esquerda e há placas indicando a direção para a Piazza del Santo. No caminho, há algumas lojinhas de lembranças, onde comprei meu troféu de viagem, um singelo ímã! Mas há aquela tradicional infinidade de souvenirs, dos artigos religiosos a regadores de planta e bolsas reutilizáveis!

No percurso, a gente atravessa o Canale Piavego, uma divisão do Fiume Bachiglione.  As ruas estavam quase desertas e eu conseguia ouvir minha própria respiração. Estava imersa, naquele estado de emoção que “se apossa” de mim quando estou prestes e a ver com meus próprios olhos, algo que morava apenas nos mapas e nos desejos.

Enfim, a visão da  Basílica de Sto Antônio de Pádua, da qual escuto falar, antes mesmo de saber o que era Europa.  Iluminada pelo sol…

Lá estava eu, em frente à Basílica que começou a ser construída em 1232, apenas um ano depois da morte de Santo Antônio. Sempre tenho um certo arrepio, quase uma vertigem, quando leio ou escrevo essas datas… 1232!!! A construção não tem um estilo arquitetônico, assim, super definido. Mas o  românico está lá sem dúvida: é gigantesca e parece plantada no solo. Em alguns ângulos me lembrou a Basílica de San Marco em Veneza.

Não se paga absolutamente nada para entrar na basílica, nem nos prédios adjacentes.  Apenas para entrar no museu. Seguindo à esquerda de quem entra, há banheiros (uff! mais que benvindos!) limpos e organizados, a entrada para o museu e esse pátio interno, emoldurado de arcadas.

E num dos jardins internos esta escultura de Sto Antônio.

É uma paz meio desconcertante. E fiquei um bom tempo “realizando” onde estava.

E de lá a visão das cúpulas, ainda mais impressionante.

Entrando pela porta principal, me veio aquela emoção. Sim, eu estava lá!

E sinceramente, não importa como ou em quê você acredita. Um templo é sempre um templo. Foi construido com fé, por mãos humanas. E isso já basta para impressionar e carregar cada passo de emoção.

E na lateral esquerda da Basílica está o Túmulo de Sto Antônio de Pádua.  Forma-se uma fila, e as pessoas vão passando… visivelmente emocionadas. No final da basílica, estão as relíquias de Sto Antônio.

Deixei aqui, muito da minha gratidão. E com certeza uma enorme emoção. O entardecer foi mais um presente desse dia, que por si só já poderia ser visto com um milagre.

Voltei para a praça, e como tinha demorado mais do que eu tinha previsto, precisei comprar um bilhete de transporte público para voltar à estação. Onde? Num tabacchi, onde se encontra quase de tudo. Voltei de tram, em plena hora do rush! Mas bem a tempo de esperar mais uma vez, o anúncio da plataforma onde eu deveria esperar meu trem para Florença.

Florença? Em detalhes nos próximos posts!

25
mar
12

Padova como se locomover, como chegar a Il Prato.

ESTE BLOG MUDOU DE ENDREÇO:  www.maladerodinhaenecessaire.com

Prato della Valle – Padova

Padova é a cidade mais antiga do norte da Itália (fundada em 1183!) e abriga a renomada Universidade de Pádua.  Não é exatamente uma cidade super turística se comparada a Roma ou Florença . O que leva a maioria das pessoas à cidade é a Basílica de Sto Antônio, conhecida por lá apenas como Il Santo. No entanto, há muito mais para ver. E depois de “experimentar” um pouquinho da cidade, eu diria que há mais para sentir.

E minha alma viajante adorou chegar à Padova, nesta tarde de sol, em plena quarta-feira, num dia tão normal quanto todos os outros. Normal para os outros, pois eu estava atravessando a Itália, de leste a oeste (também não é tão difícl assim) e ainda teria mais um percurso de trem pela frente.

Mapa da cidade de Padova Itália

Cheguei em Padova Centrale, ao norte da cidade (no alto do mapa). Minha primeira providência foi procurar o centro de informações turísticas, que fica à direita de quem sai da estação. Em menos de dois minutos, uma elegante senhora colocou Padova prontinha para saborear na palma da minha mão: em inglês, me explicou, apontando no mapa impresso, o caminho a pé e as linhas de ônibus e tram que levam a Il Santo,

à  Basílica de Santa Giustina (padroeira da cidade) e no centro de tudo isso, a  maior praça da Europa, Prato della Valle, conhecida simplesmente como Il Prato. Já a Capella degli Scrovegni, onde estão os afrescos de Giotto, fica mais perto da estação, seguindo pela  Corso del Popolo até o Giardini del`Arena.

the best travel destination

Prato della Valle     fonte: thebesttraveldestinations.com

Minha única pergunta? Onde era o depósito de bagagem, para deixar minha mochila.  A maioria das estações de trem da Itália, tem esse serviço, que facilita muito para quem tem um tempo entre a chegada e a partida, o que era exatamente o meu caso. No lado oposto ao Centro de Informações Turísticas, bem no fim do corredor, quase em frente à plataforma 1, o  Deposito Bagagli não é  tão fácil de achar.  Por 2,75 euros, deixei minha mochila por quase seis horas no depósito. Para isso, tem que apresentar uma identificação (passaporte).

bilhtete_transporte público_Padova

Então onde comprar o bilhete para o ônibus?

Bem em frente à estação, nessa banca da foto. Ou em qualquer tabacchi, uma espécie de  “minimercado”, que vende um pouco de tudo, de cigarros a jornais, incluindo os bilhetes para o trasnporte público e são muito comuns na Itália.

Para ir a pé, cruzando o centro histórico, seriam uns 35 minutos, como me informou a senhora. Fiz a opção pelo ônibus.

transporte público_Padova

Linea 12,cuja a parada é também bem em frente à estação de trem.

De ônibus, foram menos de 10 minutos.

A cidade é bem tranquila, e as ruas ladeadas pelas sequências de arcadas, vão   fazendo a gente entrar num  tempo diferente.

E chegando à praça, a visão de Il Prato  foi mesmo impactante! A praça é enorme!

E confesso que mais uma vez me emocionei. Essa visita à Padova já era cheia de significado… Com essa visão, tudo ficou sob o ponto de vista de uma lente de aumento.

 Ao fundo, a Basílica de Santa Giustina. Prato della Valle é a maior praça da Europa, segundo o site italytoday.com. Dividida em quatro por caminhos revestidos de pedras se estende por 88.620 m2.  Um canal ornado por estátuas, circunda toda  a praça,  multiplica e reflete  as construções “douradas” pelo sol, as estátuas e a cor do céu, que nesta tarde, estava completamente azul.

Conforme eu andava pela praça, ia lentamente me arrependendo de ter tão pouco tempo na cidade. Volto à Padova para ver tudo com calma e saborear a cidade num modo slow.

Mas meu tempo era curto. Próxima parada: Basílica de Sta Giustina.

Monumental. Não é tão impactante como o Duomo de Milão. Mas é enorme e robusta. E de novo fiquei imaginando, essa construção gigantesca, lá no início, em 1552. Como é que pode?

Depois de um bom tempo sozinha nesse templo, admirando tudo à minha volta, fui procurar a Via Belludi, caminho para Il Santo saindo de Prato della Valle.

Conto sobre Il Santo no próximo post.

Até!




Enter your email address to subscribe to this blog and receive notifications of new posts by email.

Junte-se a 9 outros seguidores

junho 2017
S T Q Q S S D
« abr    
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930  

Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts por email.

Junte-se a 9 outros seguidores

viagens
free counters

Atualizações Twitter

Erro: o Twitter não respondeu. Por favor, aguarde alguns minutos e atualize esta página.


%d blogueiros gostam disto: