Posts Tagged ‘Veneza

19
mar
12

Viagem à Itália: Venezia Sta Lucia – Padova Centrale

                                        ESTE BLOG MUDOU DE ENDREÇO:                        

                                    www.maladerodinhaenecessaire.com

Continue lendo ‘Viagem à Itália: Venezia Sta Lucia – Padova Centrale’

08
mar
12

Viagem à Itália, compartilhando os detalhes (parte 1)

ESTE BLOG MUDOU DE ENDEREÇO:

                                               www.maladerodinhaenecessaire.com

Foi mesmo um périplo!!! Chegar de viagem é sempre um momento em que as emoções se misturam. Cansaço, saudade, e uma espécie de gratidão por ter dado tudo certo! É nessa hora, que a viagem “cresce” dentro de você, e que tudo o que você viu, sentiu, aprendeu, se torna parte de você, para sempre!

É aquela hora em que a gente processa todas as informações, os momentos mais marcantes, e as fotos que foram capturadas pela emoção. Memórias indeléveis que nenhuma imagem consegue mostrar.

 Gatwick Airport

Tudo começou porque eu queria ir a Padova. Então comecei a montar a aventura, que desta vez, eu faria (e fiz), sozinha. Primeiro, como chegar a Padova? Aeroportos mais próximos: Verona e Veneza. E no meio do planejamento, um presente da Ryanair! Recebo por email as promoções da cia low cost: Pisa – Londres estava na lista! £ 10.99!!!  Mais barato que uma compricha de super mercado. Pronto! minha tarefa agora, seria rechear esse percurso.

E na Itália, dificil é escolher como será o “recheio” entre a chegada e a partida. Resolvi chegar por Veneza, já conhecida, e um reencontro do qual eu não vou me cansar nunca, mesmo que seja por poucas horas.

Vôo Easyjet London Gatwick – Venice Marco Polo £36,89 Check!

E para chegar a Gatwick às 6 da manhã, saindo de Central London? Easybus!  É um transfer lowcost, seguro, pontual e confortável, e não precisa estar viajando de Easyjet. Só para se ter uma idéia, uma corrida de táxi até lá está por volta de 69 libras!

Easybus Central London – Gatwick  £ 5.99 Check!

Chegando  em Veneza – Marco Polo, é só comprar o ticket  (no próprio aeroporto à esquerda de quem sai da imigração) do ônibus ATVO ( o ponto é bem em frente à saida) também seguro, pontual e confortável e chegar à Piazzale Roma, atravessando a Ponte de la Libertá.A Piazzale Roma é o único ponto de Veneza (ilha) onde há ônibus e carros

Uma vez em Veneza, um percurso de trem para Padova, que dura menos de uma hora. Não dá nem tempo de se ajeitar no assento.

No site da Trenitália, que agora está muito  mais friendly, comecei a pesquisar os horários e preços. É super fácil de se registrar no site, e depois é so ir passeando… Coloque os nomes da cidades de onde vai partir e vai chegar, a partir de que horas, e na página que se abre, é só escolher seu trem. Mais uma agradável surpresa, passagens em promoção, com a tarifa mini, comprando com antecedência. Escolhendo a opção ticketless, é só imprimir o email, e mostrar ao controlador já no trem durante a viagem, quando ele vem checar os bilhetes dos passageiros. Simples assim!

Daí veio uma dúvida cruel! Dormir em Padova ou ir à noite para Florença, e na manhã seguinte já acordar por lá?

Mega ansiosa, optei pela maratona, é claro!

Train: ES Italia AV 9455; date: 29/02/2012
Departure: Padova (Ore: 19.57);  Arrival: Firenze S. M. Novella (Ore: 21.35)
Carriage: 7;  Place: 31  (Mandatory reservation) ;  Class: 2a;
Fare:  Mini1 Adulti;

Trem Padova – Firenze 9 euros – Check!!

Tudo no mesmo dia, e acreditem, foi super tranquilo. Cansativo, mas tranquilo. Dessa vez, só peguei “trem do bem”! A aquela impressão horrorosa do trem do terror da primeira vez que fui de Roma a Veneza se dissipou totalmente. Mas por via das dúvidas, trem noturno, prefiro não arriscar…

Cheguei à Estação de Firenze Sta Maria Novella,  às 21:35 em ponto! E acompanhada do Google Maps no celular, cheguei sem problemas ao meu albergo, bem pertinho da estação. Quanto tempo em Florença?

Bom, Firenze é algo assim… eu ainda não encontrei adjetivo, mesmo!

Foram 6 dias e ainda acho que foi pouco, porque  Florença (ou Pisa), é uma excelente cidade base para  vários passeios: cidadelas medievais, vinhedos em Chianti, castelos. A Toscana é linda!!!

E foi o que fiz. Ainda em Londres, reservei um passeio, desses de mini-van com chofer e guia, que valeu muito a pena, mesmo que, se comparado com o preço da passagem, seja insanamente caro. Pesquisei vários sites, e esse foi o “momento mais tenso” de toda a montagem da viagem. Decidir quais passeios eu faria, e com que compahias.

Passeios para Siena, San Giamigniano e a região de Chianti – 57 euros  Caf Tour – Check!

Para finalmente chegar ao ponto da volta, ou seja a Pisa, de onde sai o Voo Ryanair Pisa – London Stanstead, foi mais fácil (muito mais!!!) que cruzar a Ponte Rio Niterói. Um ônibus confotável da Terravision, sai a cada meia hora da estação de Sta Maria Novella para o aeroporto de Pisa. A viagem dura 70 minutos cravados.

Transfer Firenze SMN Pisa – Galileu Galilei 4,99 euros Check!

Porém eu não iria embarcar na mesma hora, fiquei uma noite por lá. Pisa é uma gracinha e não foi invadida por turistas, pois o complexo de monumentos (Torre de Pisa, Duomo, Batistério e Camposanto) fica afastado do centro da cidade. Para ir do aeroporto de Pisa até o centro, é quase um susto! O aeroporto fica a um, isso mesmo, um kilômetro do centro da cidade e lócigo que tem um ônibus (LAM Rossa) que faz essa ligação. Tickets? Facil! qualquer tabacchi (onde tem cigarro, jornal, refrigerante),

Menos de cinco minutos e pimba! Estava em Pisa Centrale, a 50 metros do Hotel Roseto, onde consegui descansar um pouquinho, antes de voltar a Londres.

Uma semana intensa, mas sem nenhum stress, pois estava tudo azeitadinho, e tudo funciona do jetio que é descrito nos sites.

Vôo Pisa Londres – Stanstead £ 10.99 Check!

Easybus Stanstead Central London  £ 6.99 Check!

Toda a viagem, da saida da minha casa até a volta, foi pesquisado e resolvido  pela internet. Sabia por exemplo,onde comprar o chip da Tim em Veneza (para ter acesso a Internet no celular), quais estações de trem tinham guarda-volumes, qual a distância/tempo da estação até meu destino, que ônibus pegar, quanto custava o ticket, onde pedir informações nas estações, etc

Próximos posts… mais Itália, prego!

29
fev
12

Veneza, aqui me “trens” de regresso!

ESTE BLOG MUDOU DE ENDEREÇO::

 http://www.maladerodinhaenecessaire.com

Não, eu não escrevi errado… Foi só um trocadilho infame, por causa da primeira vez que cheguei a Veneza de trem (foi um sufoco).

image

Como eu sou teimosa, cá estou eu de novo, dessa vez pelos céus! E que vôo!!!
Chegar a Veneza pelo ar é um desbunde! Há uma hora que parece que não haverá solo para pousar!

image

Lá depois da ponte, a gente vê Veneza, como se desse para pegar com as mãos! Assim, como vemos no Google Maps. Escândalo!

image

E Veneza me recebe cheia de azul, como uma amiga que enfeita a casa para receber.

image

E como eu sou teimosa mesmo, vou andar muito de trem…

image

Como essa viagem é totalmente solo, dessa vez pratiquei todo meu desapego e estou acompanhada somente de uma mochila (com 2 rodinhas) e 2 smartfones. Sem netbook, e sem câmera! Então, esse é um post inaugural da edição do blog pelo pequeno gadget, num momento digamos assim, budista hightech!

Por hoje é só…

Buona Notte a tutti!

21
out
11

Veneza… encantada.

ESTE BLOG MUDOU DE ENDEREÇO:

http://www.maladerodinhaenecessaire.com

Último dia, já com saudades desse tempo fora do tempo, fomos a Murano e a outra ilha mais  modernosa, Lido.

Chuva torrencial… Vento gelado + vaporetto = totalmente mareadas.  E Murano?  Sinceramente? A não ser que você pretenda comprar os famosos vidros e cristais, não é imperdível.

Murano é uma  ilha que fica a 1 Km de Veneza, para onde todos os vidreiros e  cristaleiros  tiveram que se mudar, lá pelos idos de 1291, por causa do risco de incêndio, pois todas as casas em Veneza eram de madeira.

Na porta da Vetreria forma-se uma fila para assitir a uma “apresentação” rápida e bem turística. A gente entra na sala de demonnstração, senta numa espécie de arquibancada de madeira, e um rapaz um tanto estrábico,  explica num inglês macarrônico,  as etapas da fabricação do vidro.

Dura no máximo uns 10 minutos.

Pegamos o vaporetto de volta, e navegando nesse dia cinzento, a visão era quase de uma cidade desabitada.  E cada detalhe das construções me fazia lembrar que estava num lugar único e cheio de história. Fiquei imaginando como as pessoas viviam aqui há muitos séculos atrás.

Momentos muito particulares, desses que a gente constrói um enredo, vendo o “cenário” diante dos olhos. Um cenário real, vivo!

Agora me diz, como alguém vive, assim…   com a porta da frente dando para a água? Com uma varandinha quase dentro d´água?

Não existe nada parecido. Essa mania de dizer que Amsterdam é a Veneza do norte, ou que Brugge é a Veneza da Bélgica, sinceramente não faz sentido. Em comum só o fato de serem cortadas por canais, mas as características em comum param por aí. Veneza é única!

E as cores? Esse tom de ocre avermelhado, só em Veneza!  E as janelas? As famosas venezianas, estavam ali, desfilando na minha frente, numa tarde chuvosa e fria. E eu totalmente feliz só em poder comtemplar. I-nes-que-cí-vel!

Não existe outro lugar assim. Se alguém conhecer, por favor me conte.

 

E a porta do quintal dá para onde? A deduzir pela marca da água, o próprio quintal é no canal. E cada ponte tem um charme, e um ou vários cadeados, desses que os apaixonados trancam e jogam a chave nas águas.

Se eu moraria em Veneza???   Não. Justamente para não estragar o constante deslumbrar que é visitar essa cidade. É um conto de fadas, e como conto de fadas é bom que permaneça encantada, para que eu me deslumbre todas as vezes que voltar. E quando nossa última  noite caiu pesada, decidi: voltarei a Veneza.

Mas… era hora de arrumar as malinhas. Na manhã seguinte, iríamos encarar mais dois percursos de trem.  Conto no próximo post. Até!

16
out
11

Veneza Eu amo!

ESTE BLOG MUDOU DE ENDEREÇO:

http://www.maladerodinhaenecessaire.com

Veneza é realmente uma cidade improvável. As construções brotam das águas.  Algumas parecem literalmente emergir.

E durante a  aqua-alta, a cidade e os transeuntes, imergem mesmo. A aqua alta é um fenômeno natural e frequente em Veneza.  As águas literalmente invadem a cidade o local mais atingido é a Piazza San Marco, justamente por ser a parte mais baixa da cidade.

  Em 2008, enquanto eu planejava a viagem do fim de ano, Veneza estava assim, como na foto ao lado.

E não só a Piazza fica inundada. É só digitar “aqua alta” no YouTube euma infinidade de vídeos mostrando o perrengue de moraradores e turistas durante as enchentes .

Há inclusive um que mostra um cara esquiando na praça. A prefeitura tem esquema e ergue passagens elevadas para que as pessoas possam se locomover. Isso sem falar nos hotéis que distribuem botas de borracha que vão até acima do joelho para seus hóspedes, o que definitivamente está fora da minha zona de conforto numa viagem, principalmente durante o inverno.

Confesso que um medinho invadiu meu ser quando no terceiro dia, chegamos à Piazza e uma “aquinha alta” começava a surgir bem em frente à Basílica.

E para minha surpresa, a água brota de pequenos orifícios no chão.

aqua alta veneza

Mas ficou por isso mesmo. Entramos na Basílica, já com a água empapando os tapetes.

e nesse dia andamos como loucas, em meio a rajadas de vento e chuviscos, que deixaram a cidade ainda mais bucólica.

E  no terceiro dia a gente já sente “totalmente local”, anda com calma. Absorve mais cada segundo.

E se entrega a momentos quase infantis, com nessa foto, lutando contra o vento …

E como eu disse, em Veneza,  ou você está na muvuca, ou dá de cara com lugares e momentos que parecem saídos de filme, completamente vasios.

E as pontes que se multiplicam pela cidade ficam ainda mais poéticas.

Em alguns instantes é puro silêncio e o barulho das águas.

Nas praças ou nas mínimas vielas, éramos só nós. E aquela sensação totalmente mágica de estar num tempo diferente.

Num lugar para lá de diferente.

E daí para o burburinho é um pulo. A região de Rialto é um ninho de gente andando, fotografando, comendo e comprando.

Andamos tanto que conseguimos literalmente nos perder em Veneza. Ao cair da noite, nos vimos, digamos na zona portuária.

Conseguimos virar numa ruela, e voilà; vida inteligente de novo! Uma oficina de máscaras!

E de novo em Rialto…

Eu tive certeza: amo Veneza!

Até!

16
set
11

Veneza – um pouco de magia

ESTE BLOG MUDOU DE ENDEREÇO:

http://www.maladerodinhaenecessaire.com

A noite foi realmente um terror! No post anterior tem toda a estória, lembra?  O trem foi parando a noite inteira.  Mais ou menos às 5:00 da manhã, minha filha me cutucou e falou: -Mãe eu vi água, pode ser mar, devemos estar chegando em Veneza. De novo, por adivinhação e pelo horário, assim que o trem parou, pegamos as malinhas, passamos por cima dos que estavam dormindo e saltamos. Nenhum aviso, nehuma placa, nem sequer um sininho! Se por acaso estivéssemos dormindo…

Saltamos em uma estação completamente deserta e escura. Sentamos num banco de metal gelado. Um frio de fazer pinguim pular miudinho. Nós, um enorme relógio (5:37) e um senhor com seu carrinho de limpeza. Tudo, absolutamente tudo fechado, inclusive o banheiro.  Esperaríamos amanhecer para sair e procurar nosso hotel, que era bem perto da estação. Às seis horas, uma luz atrás de nós acendeu. Era uma lanchonete que, graças aos céus, exalava um cheiro delicioso de café. Fomos as primeiras da fila. Depois de um café reanimador, fui ao “toalette” , desses que só abrem quando a gente col0ca moedas. Um euro ou você fica &¨*&*#. (Tenha sempre moedas na Europa! às vezes é a diferença entre um delicioso xixi e ficar apertado numa estação). Quando voltei, o dia finalmente começava a aparecer.

Venezia Sta Lucia (tremendo de frio às 6 da manhã, depois de uma noite tenebrosa no trem)

Ainda assim, esperamos até às sete, e meio que nos arrastando, saímos da estação. A visão foi como um curativo! Desses remédios que a gente toma e a dor passa como se fosse milagre.  Em segundos eu realizei: estava em Veneza!

Veneza para mim sempre foi uma inequação de 2° grau… Eu nunca entendi Veneza. Desde sempre no meu imaginário, desde 2008 tentando encaixá-la nos meus roteiros, Veneza era uma espécie de musa inatingível.

Para  começar a entender: É isso mesmo, a cidade (a parte histórica) é no formato de um peixe. Lá em cima, à esquerda (em preto), é a estação de trem St Lucia (onde chegamos), que é a estação que fica na ilha. Mestre é a estação de trem que fica no continente. Nosso hotel, sinalizado pela bolota vermelha, estava a 500 metros de Sta Lucia. Mas (tem sempre um mas…) antes teríamos que reunir forças e escalar a Ponte della Costituzione, que não é nada demais, só que tem pequenos degraus, para subir e descer. Um tanto incômodo quando se está exausta e carregando malinhas (ainda bem que eram mínimas!).

Ponte della Costituzione Veneza( fonte : Trivago)

Essa parte estava  em obras e meio (completamente) perdidas, perguntei a uma senhora onde ficava a tal rua do nosso hotel. Sorrindo (às 7 horas da manhâ), ela pegou o papel da minha mão, e disse para segui-la. Ela desviou do seu próprio caminho e nos levou até a porta de nosso hotel. Uma gentileza inacreditável, que encheu meu coração já aliviado, de uma alegria quase infantil. Às 7:15 chegávamos ao nosso hotel: Casa Sant´ Andrea.

Roberta, a senhora da recepção, nos disse gentilmente que nosso quarto só estaria livre bem mais tarde, lá pelas onze horas, enquanto olhava para Carol (que estava em estado lastimável). Achei que ela estava a beira de pegar Carol no colo e pessoalmente levá-la para casa.  Sentamos e senti que se esperássemos naquelas poltronas fofas, dormiríamos até o dia seguinte, babando e roncando em italiano arcaico!  Num rompante de espírito viajante, levantei e perguntei como chegaríamos a Praça São Marcos. Arrastei Carol até o “ponto do vaporeto” e lá fomos nós.

Embora completamente depauperada, meu habitual deslumbre começou a se manifestar. Veneza começava a se mostrar num dia lindo! Não fosse o frio e o vento gelado…

A essa altura, eu já estava totalmente empolgada, e tentava animar Carol, que de tão cansada, não conseguia nem sorrir diante da paisagem que passava diante de nós.

vista de dentro do Vaporeto

 Em alguns minutos, estávamos desembarcando.

A cidade ainda vazia. Mesmo assim, pontos coloridos de destacavam ao longe. Era Carnaval… em Veneza! E as fantasias e máscaras apareciam aqui e alí…

E o prazer de cada mascarado era exatamente ser admirado e devidamente fotografado.  Pronto! Já estava definitivamente apaixonada por Veneza…

Por toda a orla e na praça, inúmeras barracas de máscaras, lembranças e postais. Um colorido estonteante, que perduraria por todos os dias que estivemos em Veneza.

Imagine-se passeando numa cidade medieval, onde não há carros, com o som do mar e da água dos canais batendo de mansinho, e personagens vestidos de fantasias belíssimas aparecendo ao longe nas ruelas ou bem ao seu lado!

E para cada ângulo que eu olhava, era uma cena, uma paisagem, um clima. Estava começando a tentar entender Veneza.

Carnaval em Veneza

A Piazza San Marco, os mascarados, e um cansaço absurdo! Tudo isso misturado. Chorei! Era muita informação para processar. Muita emoção…

E a Basílica de San Marco alí na minha frente! E para comemorarmos, nos embrenhamos pelas ruelas e encontramos “alimento”  num café, desses, assim… inesquecível.

Piazza San Marco Veneza

Piazza San Marco (completamente vazia!)

Basílica de San Marco

Basílica de San Marco - Veneza

Esse passeio – aperitivo,  foi um bálsamo!  Ainda tinha muita Veneza pela frente!

Nos próximos posts tem muuuuuito mais! Até

04
set
11

Roma – Veneza Treno Notte experience! Uma vez para nunca mais!

ESTE BLOG MUDOU DE ENDREÇO:

http://www.maladerodinhaenecessaire.com

Se existe uma coisa que eu adoro é planejar uma viagem.

Meu roteiro é sempre assim

1- data – de onde para onde

2-meio de transporte – passagens de avião, trem, ônibus

3-meio de transporte entre o aeroporto e o centro da cidade

4-reserva do hotel –  meio de transporte para chegar ao hotel

5-uma listinha dos pontos de interesse na cidade

6-meio de transporte entre o centro da cidade e o aeroporto/estação de trem/de ônibus para a próxima cidade.

E o que mais me fascina, é que sempre dá tudo certo. É possível de qualquer lugar do mundo, planejar a viagem pela internet e quando você chega lá (pelo menos na Europa), salvo havendo nevascas, greves, etc. O avião, o ônibus (do aeroporto à cidade), e o hotel estão lá. No horário e no lugar exatos.   Mas pela primeira vez (sempre tem uma primeira vez, né?) havia uma ponta solta. Quando comprei as passagens de Roma para Veneza, não consegui encontrar nenhum meio de transporte, no horário necessário, entre Ternini e o Aeroporto de Fiumincino. Nosso vôo para Venesa Treviso, sairia às 7 da manhã.

– Quando chegar lá, eu resolvo. Sempre tem um jeito… Táxi ou algum serviço reservado pelo próprio hotel (pensei). Nada disso.  Reservar um táxi, era correr o  risco de ficar esperando (para sempre) na rua e de madrugada, segundo a gerente do hotel.  Poderiámos tomar o trem no último horário da noite (10 e meia) e “dormir” perambulando pelo aeroporto, como almas penadas ou arriscar perder o vôo, pegando o primeiro trem, assim que amanhecesse.  Duas moçoilas sozinhas…  Tomei a decisão que me pareceu mais sábia e segura.  De uma tacada só, foram vários prejuízos: abortamos a última noite no hotel (ah que arrependimento!) , o vôo da Ryanair (ah que saudades!)  e compramos duas passagens no trem noturno de Roma para Veneza. Roma Tiburtina 23:00 -Venezia St Lucia0 5:3o. Muito $$$$$ mais caras do que as passagens de avião na Ryanair. Isso, porque escolhi as mais baratas, já que as mais caras (e talvez bem mais confortáveis) eram no trem rápido e chegaríamos às três da manhã em Veneza. Não era o mais recomendável…

Vamos dormir a noite inteira e chegamos já dentro da cidade, nem precisa de ônibus (doce ilusão!!!) Foi de longe a maior furada, o maior perrengue, a pior noite, ever!!!!

Sem saber o que nos esperava, fomos animadíssimas para a estação. A primeira perna, era de Termini (estação central de Roma), para Roma- Tiburtina (estação de trem fora do centro). Para começar, rolou a dificuldade de encontrar a plataforma, já que no quadro de partidas e chegadas, não habia nenhum trem saindo de Roma Termini e chegando em Tiburtina. Por adivinhação, e pelo horário, conseguimos encontrar nosso trem, que vinha de outra cidade e passava por Ternini…  e mal contínhamos a alegria de ver o trem confortável, limpinho e quase vazio.

Saltamos em Tiburtina, e também por adivinhação e pelo horário no quadro, achamos a nossa plataforma.  Já nesse momento eu pensei: não é bem isso que eu tinha imaginado.

Quem dera fosse esse trem  aí da foto….  Quando nosso trem finalmente chegou, eu tive certeza que tínhamos entrado na maior roubada de todas! Uma correria absurda para todo mundo entrar. O trem tinha um corredor estreitíssimo, pelo qual todos os sêres e suas bagagens tinham que circular num vai e vem atropelado, a fim de encontrar sua cabine e respectivo assento (pelo menos era numerado). Parecia um caminhão de bóias frias ou de retirantes refugiados sobre trilhos. Algumas pessoas (?) carregavam verdadeiros containers. Para chegarmos à nossa cabine, tivemos literalmente que subir por cima de  um desses volumes enormes que simplesmente bloqueava a passagem. Quando enxerguei nossa cabine e abri a porta, meu instinto maternal aliado ao de sobrevivência me fez querer sair dalí imediatamente. Já era tarde. O trem já estava em movimento.

A cabine era um cubículo, com 3 bancos contíguos de cada lado. Três ocupantes. Um homem provavelmente indiano, um outro homem enorme aparentado com o Shreck , e uma mulher (que estava sentada no meu lugar), que usava uma touca, tipo Carlinhos Brown, onde provavelmente caberia toda a sua bagagem, mas deveriam ser só os  dreadlocks rastafari mesmo. Era a mais mal encarada. Não sei de onde tirei coragem para articular a frase: YOU ARE  IN MY PLACE! Provavelmente foi instinto maternal, pois se ela não saisse eu e Carol ficaríamos separadas. Assim que realizamos que estávamos numa roubada, nos entreolhamos e em absoluto silêncio, tentamos nos acomodar e nos conformar. Sete horas, sete horas intermináveis nos separavam de Veneza-ST Lucia.

1- 2- or 3- berth sleeper on Italian overnight train - daytime mode

Como tudo que tá ruim, pode piorar, depois que sentamos, naquele banco duro em formato de L, alguém apagou a luz. Breu total. Paniquei. E eu Carol temos insônia!!! Mas para ajudar ainda mais o nosso desespero, o trem era…. parador! E lógico, na próxima estação, entrou a sexta elementa que faltava para que a cabine ficasse irrespirável e completamente claustrofóbica. A criatura era alta e grande. Com apenas um dedo apontado, e um olhar desafiador, a moça tirou o Shreck da janelinha e sentou-se bem à minha frente. Em questão de segundos, se esparramou e dormiu.  Pronto! Não tínhamos luz, nem espaço para um movimento sequer, nem ar.  Tres pessoas de frente para tres pessoas .  Eu e Carol entaladas no fundo, junto à janela (que tinha um protuberância, impedindo até o mais inocente encostar da cabeça)  e os outros, se espalharam, esticando as pernas sobre o banco e a pessoa da frente.  Sete horas e muitas paradas depois….

Conto mais no próximo post, até!




Enter your email address to subscribe to this blog and receive notifications of new posts by email.

Junte-se a 9 outros seguidores

junho 2017
S T Q Q S S D
« abr    
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930  

Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts por email.

Junte-se a 9 outros seguidores

viagens
free counters

Atualizações Twitter

Erro: o Twitter não respondeu. Por favor, aguarde alguns minutos e atualize esta página.


%d blogueiros gostam disto: