Posts Tagged ‘Primark

09
jan
11

Sales, quem resiste?

Segunda-feira, vamos a um casamento. Isso mesmo, um amigo de infância do Dani ( o que o torna um sobrinho querido), vai se casar, aqui em Londres, com Kristyna, uma polonesa gracinha.  Pânico total, pois nas nossas malinhas, não tem indumentária para o referido evento. O que fazer? Cair de boca nas liquidações de Londres, internacionalmente famosas. Tudo bem, que não é o Royal Wedding, e depois da cerimônia no civil, o furdunço vai ser num pub. Mas precisávamos de algo mais adequado, que casacos de nylon e qualquer coisa por baixo.

Depois de dois dias de chuva canivete, hoje amanheceu um dia cinza chumbo. Mas em Londres, dois segundos depois de você se preparar para o pior, um lindo céu azul, muda tudo!

De repente, quis muito meus óculos escuros, e o céu doía de tão azul!

Já em Picadilly, hordas de gente… Primeiro sábado de janeiro, janeiro = sales indecorosas! que fazem pirar a mais carola das freiras carmelitas descalças que fizeram voto de pobreza!

A impressão que eu tive, e que se transformou em convicção, foi que toda a Europa Central (italianas aos baldes, francesas em peregrinação, espanholas e portuguesas aos montes e algumas alemãs) e o Leste Europeu (quando a gente não consegue identificar o idioma, começa tudo  com “trkwernovcibkv´´) tinham agendado excursões a Oxford Street. Em todas as lojas que entramos, havia pelo menos um grupo de cada. Algumas tropas de mulheres, meio que acampavam na loja e trocavam de roupa, em frente a qualquer espelho.

Motivo? 50, 60, 90% de desconto! Casacos que antes custavam 50 a 5 pounds. E por ai vai….

E no fim de Oxford Street, a Meca do preço ridiculamente baixo – Primark – eram famílias com mala e tudo, sentadas no chão, dividindo as compras.  Vale a pena??? Claaaaaaaaaaaaaaro que vale.

Já temos roupichas adequadas para o casório e … meias, lenços, cachecóis, camisetas, botas, etc… E a gente nem é tão ligada assim em consumir, ram ram ram…

Anúncios
30
dez
09

lewisham…

Não está nos guias turísticos, ninguém vai mandar fotos para a família mostrando que esteve no internacionalmente “nunca ouvi falar´´ de Lewisham.  E não tem nada de mais mesmo É um bairro ao sudeste de Londres, tem uma railstation, uma tube station e comércio. Lojas e mais lojas e um shopping center, onde se resolve praticamente tudo! Num dia de chuva tipicamente londrino como o de ontem, precisávamos de coisas básicas  tipo toalha, palmilhas, shampoo, pilhas…   Carol queria umas roupichas para usar no Brasil, tipo camisetas etc.  O dia estava negro, então pegamos o busum e fomos para Lewisham, dica de Bruna que mora aqui no flat.  Um shopping center, normal, sem muitas pretensões arquitetônicas, mas que tem todo tipo de loja e ainda de quebra poundland store e 99 p, lojas onde você encontra de tudo a 1 libra. Coisas que valem a pena, que a gente super usa no dia a dia. E ainda, Iceland, Marks & Spencer (supermercados), Primark e Boots.

E que eu me lembre, algumas  das lojas de Oxford Street, mas sem turistas em massa, sem ser pisoteada, sem a massiva multidão se acotovelando de Oxford Circus, sem ónibus lotado sem muito ai meu Deus!!!

Então foi uma delicia, resolver pequenos pendengues  num lugar totalmente local, zero turístico, assim tipo fui ali e já volto.

Não, não estou dando uma dica de onde ir, se você tem uma semana em Londres.  Jamais. Está mais para rua de comércio de subúrbio, mas morando aqui, até que vale uma ida para economizar.

17
dez
09

ANDANDO E NEVANDO

Ontem acordei e como sempre fui fazer meu café. Olhei pela janela da cozinha e, em êxtase vi que estava NEVANDO !!! é o que chamam light snow, porque quando a neve cai no chão derrete.  Mas é lindo anyway.  Nos arrumamos em camadas de roupas e saímos. No caminho para o ponto de ônibus,  a coisa começou a apertar.

Nosso destino era Southwark Cathedral, é uma capela que virou, pequena e aconchegante, que visitei o ano passado às vésperas de voltarmos. Sou louca por catedrais. Tenho um pé na idade média.  Mas faz pouco tempo que compreendi que para ser uma catedral não precisa ser enorme, basta que tenha uma cátedra, que vem a ser a cadeira do bispo.  Mas essa em especial se tornou uma das mais queridas.  Inicialmente um prioradao, construída pelos Normandos, dedicada a St Mary ficou conhecida como St Mary Over the River, que virou St Mary Overie.  Ela fica ao lado da estação de metro London Bridge, mas por um acaso maluco, nos perdemos andando sob uma mistura de chuva, vento e neve. Fomos, as duas louquinhas, parar perto de Tate Modern, num dia em que até os peixes do Thames estavam batendo queixo.  Paramos para restabelecer energias com capuccinos e um delicioso wrap, que degustamos, óbvio, do lado de fora.  

Acabada a refeição, nos localizamos, com a ajuda de algumas placas e, partimos para a missão. Não era exatamente uma promessa, mas eu queria muito ir à catedral.

Continuamos meio perdidas até que demos de cara com o Bourough Marcket, cuja  a história está ligada à London Bridge, a única ponte sobre o Rio Tamisa,  até o século 18 e portanto a única ligação de Londres e o sul da Inglaterra, com a Europa continnental e seus produtos.

Considerando que saímos de casa por volta do meio dia, já estávamos andando a 4 horas e eu ainda não tinha chegado à S Cathedral.  Mas estávamos perto. Depois de virar a esquina, uma esquina de uma ruela estreita, lá estava ela!

A foto está tremida de pura emoção.

Quando entramos eu estava em estado de graça e para completar, um coro de meninos ensaiava no altar, cântigos de Natal.  Um senhorinha, com panfletos na mão veio em nossa direção, perguntando qual era a nossa língua para nos entregar a história da catedral. Essas senhorinhas, na sua mariora, cor-de-rosa, fazem parte dos Amigos ou Ajudantes da Capela. Cuidam, recebem e orientam os visitantes e são simplesmente uma delicia.  Depois desse momento totalmente emoção, tive outro. Fomos na lojinha da Igreja, comprei um chaveiro e meu segundo anjinho. No caixa, duas senhorinhas, uma delas beeeem senhorinha, com óculos grandes, mãos magrinhas, articulações dos dedos daquele jeito bem vovó… As duas tentavam se entender com aquela máquina estranha – o computador – Uma demora inevitável entra a escolha dos suvenirs e o pagamento. Mas eu nem liguei, ao contrário, tive ímpetos de pular o balcão e abraçar a senhorinha.

Cumprida esta tarefa, tínhamos que comprar nossas passagens para York. Vamos de ônibus, mas tinham nos garantido que vendiam em Kings Cross, estação de trens que partem para toda a Inglaterra, ao lado de St Pancras. estação de trens internacionais, como o Eurostar. Lógico que não vende passagens de ônibus na estação de trem, mas mais uma vez eu nem liguei. Um outro coral se apresentava na estação e deixamos o recinto ao som de We Wish You a Merry Christmas and Haappy New Year! lálálá lálá.

Metro lotadaço, em pleno rush londrino pré natal. Eu fui entrada no vagão pela multidão e acho que meus pezinhos nem tocaram o chão. 2 estações, Victoria Station, literalmente a mais apinhada de gente da face da terra. Andamos até Victoria Coach, compramos as passagens e para a surpresa (e desespero) de Carol, eu ainda tava afim de ir a Oxford Street comprar o tripé maleável para minha câmera, pois com ele, podemos tirar fotos de nós tres juntos. Simplesmente não posso mais viver sem isso!!!

Saímos na Oxford  Circus, eternamente congestionada, mas neste período é especialmente entupida de gente. Atravessamos o tal cruzamento japones, que é mega engraçado, porque as pessoas ficam dançando para não se baterem de frente e enfim, chegamos à loja.

É lógico que o que a gente quer, está sempre no último andar. No caso da John Lewis, no 6 andar. Graças a Deus o mais vazio. Achamos o tripod rapidinho saimos e eu completamente surtada, ainda quiz passar na Primark para dar uma checada se tinha um casaco de nylon, que não deixa passar chuva, nem frio, nem neve, do meu tamanho, já que na véspera, tinha ficado com isso no meu cérebro.  Vimos casacos semelhantes, mais curtos, mais ou menos peludos e muito mais caros. Então eu queria aquele. Essa loja é uma mistura de C&A com Leader, só que com preços ridículos.  No meio de uma arara, com uns cinquenta casacos  achei o único do meu tamanho. Pronto! felicidade total. Não fosse algo incomodando no meu calcanhar, iria inventar mais alguma coisa para fazer.  Mas ao chegar no ponto do ònibus, pânico total! Eu simplesmente não podia tocar no meu calcanhar. Bom, daí por diante, foi pura mentalização.  Eu vou conseguir chegar em casa!! Mas…ainda passamos no Tesco e euzinha quase pedi para ser levada para casa num dos carrinhos.

Chegamos em casa e ao tirar a bota (nova, daquelas que tem pelúcia dentro) descobri que o solado da dita cuja, é praticamente um engradado, formado por losangos de um material duro.  8 horas de caminhada+ bota nova? um calombo no calcanhar… Mas nada como uma caminha quentinha um pouco de juizo e um dia em casa para renovar as energias. Amanhã tem mais.




Enter your email address to subscribe to this blog and receive notifications of new posts by email.

Junte-se a 9 outros seguidores

fevereiro 2018
S T Q Q S S D
« abr    
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728  

Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts por email.

Junte-se a 9 outros seguidores

viagens
free counters

Atualizações Twitter

Anúncios

%d blogueiros gostam disto: