Posts Tagged ‘Europa

30
mar
12

Pádua – como chegar à Basílica de Sto Antônio de Pádua – Itália

ESTE BLOG MUDOU DE ENDEREÇO:  www.maladerodinhaenecessaire.com

A Basílica de Santo Antônio de Pádua, fica a uns 300 metros de Prato della Valle. Estando de frente para a Basílica de Santa Giustina, a Via Beato Luca Belludi está à sua esquerda e há placas indicando a direção para a Piazza del Santo. No caminho, há algumas lojinhas de lembranças, onde comprei meu troféu de viagem, um singelo ímã! Mas há aquela tradicional infinidade de souvenirs, dos artigos religiosos a regadores de planta e bolsas reutilizáveis!

No percurso, a gente atravessa o Canale Piavego, uma divisão do Fiume Bachiglione.  As ruas estavam quase desertas e eu conseguia ouvir minha própria respiração. Estava imersa, naquele estado de emoção que “se apossa” de mim quando estou prestes e a ver com meus próprios olhos, algo que morava apenas nos mapas e nos desejos.

Enfim, a visão da  Basílica de Sto Antônio de Pádua, da qual escuto falar, antes mesmo de saber o que era Europa.  Iluminada pelo sol…

Lá estava eu, em frente à Basílica que começou a ser construída em 1232, apenas um ano depois da morte de Santo Antônio. Sempre tenho um certo arrepio, quase uma vertigem, quando leio ou escrevo essas datas… 1232!!! A construção não tem um estilo arquitetônico, assim, super definido. Mas o  românico está lá sem dúvida: é gigantesca e parece plantada no solo. Em alguns ângulos me lembrou a Basílica de San Marco em Veneza.

Não se paga absolutamente nada para entrar na basílica, nem nos prédios adjacentes.  Apenas para entrar no museu. Seguindo à esquerda de quem entra, há banheiros (uff! mais que benvindos!) limpos e organizados, a entrada para o museu e esse pátio interno, emoldurado de arcadas.

E num dos jardins internos esta escultura de Sto Antônio.

É uma paz meio desconcertante. E fiquei um bom tempo “realizando” onde estava.

E de lá a visão das cúpulas, ainda mais impressionante.

Entrando pela porta principal, me veio aquela emoção. Sim, eu estava lá!

E sinceramente, não importa como ou em quê você acredita. Um templo é sempre um templo. Foi construido com fé, por mãos humanas. E isso já basta para impressionar e carregar cada passo de emoção.

E na lateral esquerda da Basílica está o Túmulo de Sto Antônio de Pádua.  Forma-se uma fila, e as pessoas vão passando… visivelmente emocionadas. No final da basílica, estão as relíquias de Sto Antônio.

Deixei aqui, muito da minha gratidão. E com certeza uma enorme emoção. O entardecer foi mais um presente desse dia, que por si só já poderia ser visto com um milagre.

Voltei para a praça, e como tinha demorado mais do que eu tinha previsto, precisei comprar um bilhete de transporte público para voltar à estação. Onde? Num tabacchi, onde se encontra quase de tudo. Voltei de tram, em plena hora do rush! Mas bem a tempo de esperar mais uma vez, o anúncio da plataforma onde eu deveria esperar meu trem para Florença.

Florença? Em detalhes nos próximos posts!

Anúncios
19
jul
11

#Blogagem Coletiva

ESTE BLOG MUDOU DE ENDEREÇO:

http://www.maladerodinhaenecessaire.com

Hoje, meio sem querer, “pesquei” um movimento interessante no Twitter. Eu não sou uma twiteira assídua, mas fuço de vez em quando, o que há de novidade no mundo dos viajantes.

Semanas atrás, numa tweeting conversation entre a CláudiaNatalieCarina,PatriciaCarmem e Marcie, surgiu a ideia de listar os lugares que cada uma considerava “viu-tá-visto”. Aí a conversa evoluiu e decidiram fazer também uma segunda lista – com cidades ou países para onde voltariam sempre. Como a idéia parecia boa, uma comentou aqui, outra comentou ali… no fim, a notícia se espalhou e conquistou dezenas de adeptos. Diante disso, decidiu-se fazer uma blogagem coletiva.

Texto retirado do blog Drieverywhere

Eu fiquei pensando, pensando e sinceramente não consegui identificar um lugar que eu não voltaria. Será que eu sou tão empolgada assim?  Tá certo que eu ainda tenho muito que viajar, então de uma forma geral, procuro não repetir destinos, mas esse ano voltei à Barcelona e não me arrependi, pois sempre há um novo olhar.

Minha lista de cidades que eu voltaria sempre? Fácil!!

Londres

BACK TO LONDON 279

É minha segunda casa, né? Amo cada centímetro dessa cidade! Tem Londres para 365 dias do ano, e não tem como dizer que viu tudo! Mal posso esperar minha próxima temporada.

Paris!

Fiquei dois mêses e ficaria por toda a vida! Volto todo ano e sempre tenho vontade de ficar mais. Eu digo que foi o filme que deu origem à série.

NoelCE28 copy

Amsterdam

Imagem 849

Não só voltaria como está na minha lista para a próxima temporada londrina. É uma das cidades que fincaram bandeira no meu coração!

Bruges

Voltaria, mas não é uma cidade. É um conto de fadas e sendo assim é para ficar pouco tempo.

LDN09 026

Praga

Acho que ficaria mais uns 15 dias em Praga. Além da cidade ser linda, deve ser completamente diferente em outra estação. Ainda tem muita vida cultural, a comida é ótima, a cerveja um escândalo, e tudo mais barato em relação ao resto da Europa

Barcelona

SAM 1173

Amo Barcelona! Confesso que na primavera é mais bonita por causa do azul do céu. Mas… eu moraria em Barcelona!

Edimburgo

SAM 1803

Voltaria e vou voltar! E outra cidade meio conto de fadas, duendes e gnomos!

Estocolmo

SAM 2116

Gostaria de conhecer a cidade no inverno, coberta de neve! Adorei na primavera!

Madrid

Adorei Madrid. É uma cidade pulsante e de lá dá para fazer vários bate e voltas. Volto até para aproveitar as rebajas (liquidações)… É fácil de se locomover e a gente se sente fácil, um local!

Roma

Roma é um abuso, eu não canso de repetir. Volto assim que puder. Sempre deixo alguma coisa para fazer “da próxima vez”.

Veneza

Voltaria com certeza. Assim como Bruges, não é para ficar um mês. É muito surreal! Mas para ficar uns dias fora da real, é perfeita!

NewYork

Voltaria sim. Aliás já fui 2 vezes . É uma cidade que sempre guarda surpresas e se reinventa de uma maneira inacreditável. Mas atualmente está meio fora da minha rota.

Montpellier

Montpellier é tudo de bom.  E dá para fazer tudo a pé! Além disso, tem zilhões de passeios, por perto! E a recepção do casal Haize foi o máximo!

Cidades que eu voltaria, mas de uma certa maneira… viu, tá visto!

Innsbruck

Salzbourg

Dublin

Milão

Rouen

Versailles

York

Buenos Aires

Clique nos links para ir a aos posts de cada cidade.

Nossa, só de escrever esse post, meu passaporte ficou nervoso e minha malinha já deu sinais de vida inteligente! E acho que esqueci algo… Esse mundo é muito grande, tem tanto ainda pra conhecer!

E destinos  que eu não voltaria? Raposo! hahahaha!

E vocês? Manda aí nos comentários a sua  listinha!

Até!

PS: Faltou colocar quem está blogando (tirei da do blog do comandante Riq Freire, o (mais que necessário)  Viaje na Viagem

Abrinco o Bico (a lista da Carina Ditrich)

Abrindo o Bico (a lista da Lena Máximo)

Abrindo o Bico (a lista da Marcie Pellicano)

Aprendiz de Viajante (a lista da Claudia Beatriz)

Básico e Necessário (a lista da Helô Righetto)

Big Trip (a lista da Paula Bicudo)

Cadernos da Tia Helô (a lista da Kaká)

Colagem (a lista da Luciana Misura)

Cozinheiros de Primeira Viagem (a lista do Fred Marvila)

Cozinheiros de Primeira Viagem (a lista da Natalie Marvila)

Cozinheiros de Primeira Viagem (a lista da Sylvia Lemos)

De uns tempos pra cá (a lista da Carmem Silvia)

Dicas e roteiros de viagens (a lista da Carolmay)

Donde ando por aí (a lista da Clarissa Donda)

Dri Everywhere (a lista da Adriana Miller)

Guardando memórias (a lista da Celinha)

Inquietos (a lista da Priscila e do Vinicius)

J.R. Viajando (a lista do Júnior)

Mala de Rodinha e Nécessaire (a lista da Celina)

MauOscar (a lista do Oscar Risch)

Mikix (a lista da Mirella Mathiessen)

Olhando o Mundo (a lista da Denise Mustafa)

O que eu fiz nas férias (a lista do Gabe Britto)

Pelo mundo (a lista da Mari Campos)

Psiulândia (a lista da Ana Maria)

Rosmarino e outros temperos (a lista da Lu Bettenson)

Sambalelê (a lista da Sambalelê)

Turomaquia (a lista da Carlinha Z.)

Turomaquia (a lista da Patricia de Camargo)

Uma Malla pelo Mundo (a lista da Lucia Malla)

Viagem pelo Mundo (a lista da Deise de Oliveira)

Viaggiando (a lista da Camila Navarro)

Viajar e Pensar (a lista do Gustavo Belli)

31
maio
10

chegando em Stockholm

Nossa chegada à capital da Suécia foi no aeroporto de Skavsta. O traslado para Estocolmo é no Flybussarna, por 219 SKE. Isso mesmo. Coroa Sueca, dá um susto! Antes do ônibus, fomos no guichê da FOREX  e trocamos dinheiros…

1 euro =  9,25 krones suecos.   no dia de nossa chegada).  Esse ônibus,  tudo de bom, percorre 100 Km até Stockholm, atravessando florestas… todos a bordo, sem exceção, cochilam, dormem e babam em algum momento.

Chegamos na Central Station, pausa para café e afins. Depois fomos tentar descobrir como comprar tickets de metro para ir para nosso albergue.  Achar a estação de metrô até que foi fácil (benditos ícones). O problema eram exatamente os tickets. Máquina? guichê?…  depois de algumas tentativas modernas, tipo, fazer perguntas  para um computador  e esperar em vão pela resposta, resolvi apelar para a coisa mais antiga e prática que eu conheço! PEDIR INFORMÇÕES.

Resumindo, perguntar é a maneira mais fácil que se tem de conseguir uma informação. No máximo fica-se tão perdido quanto já se está. Tickets comprados (depois descobrimos que era mole ter ido a pé!!!), chegamos então ao Archipelago Hostel. É albergue mesmo! Numa rua cheia de cafés, comércio e pubs.  Quarto coletivo, com beliches. Banheiro, impecável, tudo organizado.

Esta foto é tudo junto, ao mesmo tempo, a recepção, a sala de internet e … à direita, lá no cantinho, a porta do nosso quarto.  O mais bem localizado, diga-se de passagem. Helena, a recepcionista, foi uma simpatia, e nem nos cobrou pelas toalhas que deveriam ter sido alugadas, assim como a roupa de cama.

Devido ao estado adiantado de exaustão, fizemos um reconhecimento da área, achamos um supermercadinho, fizemos umas comprichas e resolvemos descansar!

Hoje, acordamos bem mais felizes e descansados, e fomos alegres e saltitantes, passear.  Passear de barco! E fomos dar num restaurante encantado, onde beber e comer e depois descansar, podem conviver juntos. tudo num sofá.  Open bars por toda a parte.

Sol, domingo, parque em Estocolmo… Depois conto mais…


20
fev
10

praga – reeditando viagens 6

Capítulo I

Este post vai ser enorme! Não há como resumir Praga…Se quiser, é respirar fundo e ler tudo de uma vez ou  em capítulos…

Praga merece vários posts. Talvez um blog inteiro!   Mesmo assim eu vou tentar ser mais suscinta, embora ache uma tarefa quase impossível…

De Salzburg à Praga, foi necessário, fazer uma conexão,  em Linz, ainda na Aústria.  Foi uma correria, pois como o trem saiu atrasado de Salzburg, tivemos literalmente que sair correndo de uma plataforma para a outra em Linz. Tudo bem que o controlador tinha avisado esse trem por telefone, para esperar por nós. Mas quando finalmente encontramos uma cabine, razoavelmente vazia ( só tinha uma senhora), estávamos esbaforidos. Esse trem fez zilhôes de paradas. Umas tres ou quatro depois que entramos a senhora desembarcou. Yes!!! Tínhamos a cabine só para nós. Mas em qualquer parada, poderia entrar mais gente. Então adotamos uma estratégia. Fechamos as cortinas, e nos esparramamos, fingindo dormir. Se alguém abria a porta, roncávamos! E deu certo. Ficamos com uma cabine particular até o fim da viagem. Toda vez qua a mocinha com o carrinho de comes e bebes abria nossa porta, fazíamos uma festa particular. A cada parada, lá vinha ela…tlin, tlin, tlin. Num inglês meio atrrrapalhado, mas sempre sorrindo, ela já sabia que tinha um trio sorrindo, esperando por ela. Incrivelmente barato, foram muiiiitas cervejas checas, alguns sanduíches e muitas gargalhadas. Estções com nomes estranhíssimos e um entra e sai de gente,  não menos estranhas. E nós lá… Foi anoitecendo e  víamos as cidades passando pela janela, já na República Checa, com mais ou menos 40 cms de neve. Já sabíamos que a temperatura em Praga estava oscilando entre -8 e-12. Saber é uma coisa. Ver é outra e sentir outra bem diferente. A neve acumulava na janela e mesmo com aquecimento, sentíamos um certo frio. Eu, pra variar, não consegui pregar o olho. E nem meu companheiro ( o rádio do celular) podia me ajudar, pois a única estação que pegava, era….em checo.

Pronto, já voltei ao meu estilo prolixo.

Enfim, chegamos à Praga, mais ou menos às dez da noite. Confesso, que tive uma impressão meio decadente da estação. Mas também, era tarde, a estação com jeito de fim de festa, estávamos exaustos e eu tinha um certo medo de não conseguir me comunicar …  Checo não é a minha especialidade. Depois de um tranceté para pegarmos um táxi, chegamos ao nosso hotel. Nem acreditei que pagaríamos 50 euros para nós três, por um quarto enorme daqueles. O Hotel Atlantic foi uma grata surpresa. Noss0 quarto era enooooorme, quentinho, com duas janelas grandes ( que abriam!), três camas deliciosas e um banheiro tudo de bom, com aquecedor de toalhas! Para quem viaja, assim na base do bom e barato, foi praticamente uma constelação, a classificação deste hotel. Ah! tinha uma espécie de manual de instruções ou “como não se dar mal em Praga´´.  São instruções tipo não pegar táxi no centro da cidade, não trocar dinheiro com pessoas no meio da rua, não dar bobeira com bolsas ou carteiras, evitar rua desertas tarde da noite, etc  Ou seja, muito mais tranquilo que um passeio básico no Rio de Janeiro. Uma dica é trocar dinheiro na própria estação ou aeroporto (normalmente são as melhores taxas) ou no hotel. Um euro, valia em janeiro cerca de 25, 26 coroas checas. E dar preferência aos transportes e tours oferecidos pelo próprio hotel. Nós só pedimos táxi para o aeroporto, chegou rapidinho, o motorista foi gentil e educado. 7 euros do hotel ao aeroporto. Em vários estabelecimentos aceitam euros, o único problema, é que você fica sujeita à taxa que o comerciante estabelecer.

O centro histórico de Praga é patrimônio cultural da Unesco desde 1992. E com um simples olhar é fácil entender porquê.

Casa Municipal. Estilo Art Nouveau de tirar o fôlego!

As origens desta cidade  remontam ao ano da fundação do Castelo de Praga – 870 A.D. Mas,  já no período neolítico havia povoações no seu território. Não é de arrepiar? Mas as construções não tem nada a ver com a Idade da Pedra. Todas os edifícios, pontes, portões, tudo, absolutamente tudo, parece que foi bordado cuidadosamente por mãos encantadas. Praga tem de tudo um pouco, aliás, de tudo, muito! Ruinhas estreitas e construções de todos os estilos arquitetônicos – rotundas românicas, catedrais góticas, palácios de estilos renascença e barroco, casas em estilos de classicismo, art nouveau, cubismo,  edifícios modernos, letreiros em em neon, girffes e cadeias de fast food.  E é conhecida pelos pináculos e torres. A gente levanta o olhar e lá estão no mínimo 20 agulhas em cima dos telhados e torres.

Em Praga, prepare seu pescoço…você vai olhar muito para cima. Começamos por Staromestské Námestí, a praça da cidade velha. É, e  estava  linda, coberta de neve.

Igreja de São Nicolau

O prédio da antiga câmara municipal está sempre rodeado de gente. Sua torre gótica é o foco dos olhares. Motivo: O Relógio Astronômico,  o Orloj.

Torre gótica da antiga Câmara Municipal

Praça da Cidade Velha   Torres da Igeja Nossa Senhora de Tyn (ao fundo)

Relógio Astronômico =  Orloj

Lá em cima da torre, um trombeteiro se esbalda  na “corneta” e acena para a multidão, depois das badaladas de cada hora cheia, quando os bonequinhos saem daquelas portinhas lá em cima e a caveirinha  que representa a morte,  dá uma boa chacoalhada. O povo acena de volta e bate palmas…

´´O Orloj é composto de três componentes principais: o mostrador  astronômico, representando a posição do Sol  e da Lua  no céu, além de mostrar vários detalhes celestes; a ”Caminhada dos Apóstolos”, um show mecânico representado a cada troca de hora com as figuras dos apóstolos e outras esculturas com movimento; e um mostrador-calendário com medalhões representando os meses.´´

estadão. com

Não tenha pressa. Se chegar lá, faltando um pouquinho para o ponteiro maior chegar ao 12, vale a pena esperar. Aproveite e olhe em volta. Adoro esse voyerismo de viagem. Observar os turistas, como eu.  São de todos os lugares, falam todos os idiomas, tem todas as idades e tantas estórias…  Às vezes fico imaginando como cada um conseguiu estar ali… elocubrações viajantes. Antes da badalada da hora cheia,  fomos tomar um café no Starbuck bem em frente. Aliás, o café é um grande companheiro de viagem. Principalmente quando rola aquele momento BRRRRRRRRRRR! preciso me aquece agora!!!! Enquanto espera a hora cheia, a gente se dá conta que está alí…tudo em volta é lindo! Cada detalhe, parece ter sido colocado minuciosamente, para o deter o olhar. Seguindo em frente, você entra num emaranhado de ruinhas estreitas, cada uma mais linda  que a outra, se perde e se acha, e acaba chegando às margens do rio Vltava. Nesse pequeno percurso, uma característica poética. As lojas de marionetes. São como objetos de arte, bichinhos e personagens são transformados em marionetes impressionantes. Um verdadeiro mar delas em um zilhão de lojas. Tive  ímpetos de comprar todas. Muito auto controle… Na caminhada, recebemos vários flyers anunciando concertos, óperas, balés e apresentação de peças encenadas por marionetes.  Na próxima vez que eu for, vou dedicar boa parte do tempo a isso. Sim, vou voltar. Porquê o mais complicado, quando se tem 4 dias numa cidade como essa, é justamente, decidir o quê fazer.

São ruelas lindas… Muitas e muitas lojas de lembranças. Aliás, foi onde mais tive que me controlar. É tudo muito colorido e atrativo.

E assim, completamente boquiabertos, fomos andando, pisando em história, olhares atentos a cada detalhe. Tanto aos detalhes lá no alto, mas muito atentos ao chão, que mais parecia areia de praia em algumas ruas, o que  nos fazia protagonizar coreografias elaboradas. A todo momento rolava um passinho estilo “Catinguelê´´  Um bracinho para o alto, um pequeno deslizar quase estabaco. Era muita neve, montes de neve!!! Muito bom!

Da praça da cidade velha até as margens do rio Vltava, não é longe. Mas nos deixamos encantar por tudo, nos perdemos algumas vezes, andamos com cuidado redobrado e demoramos um pouco mais.

De repente  a gente tem umas vontades de chorar. Entrei diversas vezes em estado de contemplação catatônica.

As agulhas nos telhados, os bordados  e esculturas nas fachadas, os nomes das ruas, os cheiros, as formas das portas,janelas  e arcos…

De repente um vento…

Lá no fim da rua…

A visão da Ponte Carlos, e lá no alto, do Castelo de Praga.  Indescritível…

Portão da ponte

Vamos por partes.

A Ponte Carlos ou Karluv Most, foi construída a pedido do Rei Carlos IV com a intenção de unir a cidade velha (Staromestske Namesti), onde aconteciam os intercâmbios comerciais,  ao Bairro Pequeno (Malá Strana), uma espécie de cidade em volta do Castelo de Praga.

A ponte mais bonita do mundo. Ganhar esse aposto, acreditem, não é nada fácil. Desbancar a romântica Pont Neuf, em Paris, a gigante Golden Gate, em São Francisco, ou, ainda, a emblemática Ponte do Brooklin, em Nova York. Isso, definitivamente, é para poucos. Mas a Ponte Carlos, em Praga, supera em beleza todas as obras cuja função primeira consiste em ligar uma margem a outra de um rio (nesse caso, o Moldava, ou Vltava, em checo) – a segunda, claro, é encantar turistas do mundo inteiro.

Já na construção a Ponte Carlos tem uma história, no mínimo, curiosa. Dizem que Carlos IV consultou diversos astrônomos antes de depositar a pedra fundamental no exato lugar da Ponte Judite – destruída por uma enchente em 1342. Os sábios determinaram que a obra deveria ser iniciada às 5h31 de 9 de julho de 1357, uma combinação astral altamente favorável.

Não é que eles estavam corretíssimos? Assim nasceu um monumento assombroso. São 520 metros que ligam Malá Strana à Cidade Velha, vigiados por 30 estátuas de santos. As imagens começaram a ser postas ali em 1629, caso do impressionante Crucifixo. Por quase 100 anos, essa era a única obra a adornar a Ponte Carlos. As outras vieram nos séculos 18 e 19.

Ponte Carlos e Castelo de Praga

A ponte tem 520 metros de extensão e como é proibido o tráfego de veículos, é uma espécie de calçadão. Enfeitada por 30 estátuas de santos, é uma exposição a céu aberto!

É tudo tão lindo, que a gente passou mais de 40 minutos para atrevessar esses 520 metros

Uma das mais famosas é a estátua de São João Nepomuceno. Diz a lenda que passar a mão nela traz sorte. Eu fiz uma “massagem”…

Fomos então em direção ao Bairro Pequeno…O Castelo de Praga nos esperava.

No caminho, deu para “notar” o quanto tinha nevado…

Na subida para o Castelo, construções lindíssimas, muitas lojas de souvenirs, pubs e restaurantes.

É bem cansativo…ainda mais tentando se equilibrar nos montes de neve. Mas ao chegar lá em cima, a recompensa.

Vista lá de cima

Portão do Castelo.

A história do Castelo de Praga se inicia no século IX, quando os primeiros fundadores da dinastia Premislídica criaram uma fortaleza sucessivamente ampliada ao longo dos séculos seguintes, e que acabaram por se transformar em um dos maiores complexos palacianos do mundo (o maior castelo antigo do mundo, segundo o Guiness).

Um frio de rachar e os guardinhas imóveis. Só se mexem para trocar de guarita.

Mas a maior “surpresa” é que lá atrás esta a catedral de São Vito.

Uma das mais belas catedrais gótigas ! Eu que adoro o estilo gótico, meio que perdi a respiração. Não dá para descrever, nem para tirar foto de longe, pois em Praga um monumento fica “grudado” no outro.

No interior, a gente volta no tempo. É escuro e neste dia, muuuuuuuuuito frio. Por incrível que parece estava mais frio dentro do que fora.

Como toda a catedral que se preza, sua construção começou em 926. Em 1344, começa a construção de seu atual esilo gótico, e só finalizada no século 19.

Saímos de lá mais uma vez, boquiabertos. Aliás foi difícil tirar o Dani de lá de dentro.

Mas ainda tínhamos toda a região em volta do castelo para ver. Pode-se passar um dia inteiro por lá.

Normalmente é bem agitado por aqui. Mas em pleno inverno, os bares e restaurantes meio que se recolhem. Tirando um enorme grupo de japoneses, que foram embora rapidinho éramos só nós.

Brincando feito crianças…

10
jan
10

9 de janeiro, Innsbruck, surreal!

Chegamos ontem, finalmente a Innsbruck. Anteontem foi um enasaio geral, tipo escola de samba (blah!) . Depois conto detalhes do voo da Easyjet, que parece uma feira, assim que você decola. Até raspadinha eles vendem, depois de venderem o lanche, o perfume, o ursinho mascote da companhia….

Mas o importante é chegar e, a chegada a Innbruck é inexplicável, pois literalmente ao lado do avião estão as montanhas, com os picos cobertos de neve. Ao aterrissar, eles ainda estão lá, pertinho.  Aterrissar é fácil. Depois, é que mil pessoas louras se acotovelam entre equipamentos de ski, malas etc. Mas antes, passamos pela imigração, surpresa, já que nunca, depois de imigrarmos em Paris ou em Londres, tivemos que passar por imigração alguma. O pior, imigramos em alemão!!! Eu simplesmente não tinha a menor idéia nem de como sorrir em alemão!!! Numa tarde cuja a temperatura beirava os 4 negativos… Nossos passaportes, meu e de Carol, eram uma coisa meio desconhecida…Eles folhearam…Acho, que, como tinha um monte de vistos, pensaram…ah…vamoshem deixarrremmm ezers serrrres enttttrrrarrrem !

Entramos.

Daí para a frente, foi puro êxtase…Eu sei que eu me empolgo fácil, mas Innsbruck é algo a parte, meio indescritível.

Innsbruck, capital do Tirol, na Austria é a unica cidade do mundo, onde as montanhas (leia-se Alpes) ficam a apenas 20 minutos do centro. Bem no centro da cidadde ao lado de nosso hotel, peaga-se um bondinho. São tres estações. Na última você encontra Deus!

Lá atrás, são montanhas, logo atrás de mim, nuvens! É surreal! Maravilhoso!

essa é  primeira estação

essa é a segunda e a mais fria porque fica literalmente dentro de uma nuvem

e depois na terceira,

Na última, você perde a respiração, não sabe se ri ou se chora.

È a coisa mais linda que eu já vi, já senti ….Mais de 2000 m do nível do mar, acima das nuvens. Não fòssemos nós e alguns skiadores, seria silêncio, nós e os Alpes.

Estou postando rapidinho na hora do café, pois além da programação intensa, só tem conexão no loby do hotel.

Hoje deixamos Innsbruck e vamos para Salzburg. A família Von TRAPO, vai cantar The  hills are alive!!!! Junto com a noviça rebelde.

17
dez
09

ANDANDO E NEVANDO

Ontem acordei e como sempre fui fazer meu café. Olhei pela janela da cozinha e, em êxtase vi que estava NEVANDO !!! é o que chamam light snow, porque quando a neve cai no chão derrete.  Mas é lindo anyway.  Nos arrumamos em camadas de roupas e saímos. No caminho para o ponto de ônibus,  a coisa começou a apertar.

Nosso destino era Southwark Cathedral, é uma capela que virou, pequena e aconchegante, que visitei o ano passado às vésperas de voltarmos. Sou louca por catedrais. Tenho um pé na idade média.  Mas faz pouco tempo que compreendi que para ser uma catedral não precisa ser enorme, basta que tenha uma cátedra, que vem a ser a cadeira do bispo.  Mas essa em especial se tornou uma das mais queridas.  Inicialmente um prioradao, construída pelos Normandos, dedicada a St Mary ficou conhecida como St Mary Over the River, que virou St Mary Overie.  Ela fica ao lado da estação de metro London Bridge, mas por um acaso maluco, nos perdemos andando sob uma mistura de chuva, vento e neve. Fomos, as duas louquinhas, parar perto de Tate Modern, num dia em que até os peixes do Thames estavam batendo queixo.  Paramos para restabelecer energias com capuccinos e um delicioso wrap, que degustamos, óbvio, do lado de fora.  

Acabada a refeição, nos localizamos, com a ajuda de algumas placas e, partimos para a missão. Não era exatamente uma promessa, mas eu queria muito ir à catedral.

Continuamos meio perdidas até que demos de cara com o Bourough Marcket, cuja  a história está ligada à London Bridge, a única ponte sobre o Rio Tamisa,  até o século 18 e portanto a única ligação de Londres e o sul da Inglaterra, com a Europa continnental e seus produtos.

Considerando que saímos de casa por volta do meio dia, já estávamos andando a 4 horas e eu ainda não tinha chegado à S Cathedral.  Mas estávamos perto. Depois de virar a esquina, uma esquina de uma ruela estreita, lá estava ela!

A foto está tremida de pura emoção.

Quando entramos eu estava em estado de graça e para completar, um coro de meninos ensaiava no altar, cântigos de Natal.  Um senhorinha, com panfletos na mão veio em nossa direção, perguntando qual era a nossa língua para nos entregar a história da catedral. Essas senhorinhas, na sua mariora, cor-de-rosa, fazem parte dos Amigos ou Ajudantes da Capela. Cuidam, recebem e orientam os visitantes e são simplesmente uma delicia.  Depois desse momento totalmente emoção, tive outro. Fomos na lojinha da Igreja, comprei um chaveiro e meu segundo anjinho. No caixa, duas senhorinhas, uma delas beeeem senhorinha, com óculos grandes, mãos magrinhas, articulações dos dedos daquele jeito bem vovó… As duas tentavam se entender com aquela máquina estranha – o computador – Uma demora inevitável entra a escolha dos suvenirs e o pagamento. Mas eu nem liguei, ao contrário, tive ímpetos de pular o balcão e abraçar a senhorinha.

Cumprida esta tarefa, tínhamos que comprar nossas passagens para York. Vamos de ônibus, mas tinham nos garantido que vendiam em Kings Cross, estação de trens que partem para toda a Inglaterra, ao lado de St Pancras. estação de trens internacionais, como o Eurostar. Lógico que não vende passagens de ônibus na estação de trem, mas mais uma vez eu nem liguei. Um outro coral se apresentava na estação e deixamos o recinto ao som de We Wish You a Merry Christmas and Haappy New Year! lálálá lálá.

Metro lotadaço, em pleno rush londrino pré natal. Eu fui entrada no vagão pela multidão e acho que meus pezinhos nem tocaram o chão. 2 estações, Victoria Station, literalmente a mais apinhada de gente da face da terra. Andamos até Victoria Coach, compramos as passagens e para a surpresa (e desespero) de Carol, eu ainda tava afim de ir a Oxford Street comprar o tripé maleável para minha câmera, pois com ele, podemos tirar fotos de nós tres juntos. Simplesmente não posso mais viver sem isso!!!

Saímos na Oxford  Circus, eternamente congestionada, mas neste período é especialmente entupida de gente. Atravessamos o tal cruzamento japones, que é mega engraçado, porque as pessoas ficam dançando para não se baterem de frente e enfim, chegamos à loja.

É lógico que o que a gente quer, está sempre no último andar. No caso da John Lewis, no 6 andar. Graças a Deus o mais vazio. Achamos o tripod rapidinho saimos e eu completamente surtada, ainda quiz passar na Primark para dar uma checada se tinha um casaco de nylon, que não deixa passar chuva, nem frio, nem neve, do meu tamanho, já que na véspera, tinha ficado com isso no meu cérebro.  Vimos casacos semelhantes, mais curtos, mais ou menos peludos e muito mais caros. Então eu queria aquele. Essa loja é uma mistura de C&A com Leader, só que com preços ridículos.  No meio de uma arara, com uns cinquenta casacos  achei o único do meu tamanho. Pronto! felicidade total. Não fosse algo incomodando no meu calcanhar, iria inventar mais alguma coisa para fazer.  Mas ao chegar no ponto do ònibus, pânico total! Eu simplesmente não podia tocar no meu calcanhar. Bom, daí por diante, foi pura mentalização.  Eu vou conseguir chegar em casa!! Mas…ainda passamos no Tesco e euzinha quase pedi para ser levada para casa num dos carrinhos.

Chegamos em casa e ao tirar a bota (nova, daquelas que tem pelúcia dentro) descobri que o solado da dita cuja, é praticamente um engradado, formado por losangos de um material duro.  8 horas de caminhada+ bota nova? um calombo no calcanhar… Mas nada como uma caminha quentinha um pouco de juizo e um dia em casa para renovar as energias. Amanhã tem mais.

12
fev
09

E O FRIO COMEÇOU A APERTARRRRRR….

Carol tirou essa foto antes de amanhecer no dia 5 de janeiro. Quando acordei, senti que o frio estava de rachar mesmo. Como um friozinho básico nunca me assustou, coloquei mais uma camada de roupa, meus “aquecedores” de plantão. Saímos os três pra loja da Apple, pois o Dani queria um novo HD e Carol um IPod shuffle. Lá fomos nós… Já ao sair de casa, vimos que havia nevado durante a noite. No ponto do ônibus a coisa ficou feia. Minhas mãos congelaram imediatamente. Delirei de alegria quando vi nosso querido companheiro de aventuras. Nosso ônibus maravilhoso: 453 to Marylebone! Mas nem dentro do ônibus estava quentinho. Em Regent Street, um vento gelado, zunia, quando finalmente entramos no templo da Apple. Ficamos lá o tempo suficiente, para tirar todos os apetrechos, para logo ao sair, recolocá-los às pressas, pois estava nevando! Em poucos minutos, decidimos conhecer a loja da National Geographic. Na vitrine, lindas esculturas de cavalos feitos de toras e troncos. Um mimo! Assim… na base de umas 6000 libras cada. Acho que é por isso que estão quase eternizadas na vitrine. Material de mergulho, de fotografia, os muitos livros de fotos, e … uma câmera frigorífica, com um cubo de gelo, do tamanho de uma geladeira duplex ultra jumbo. O termômetro marcando – 49 graus. Motivo: vendem-se roupas para frio. Para muito frio. E são caras, muito caras. Então, nada como uma performance: o cidadão experimenta a roupa e entra no recinto, digamos assim, resfriado. Se gostar, vai no caixa e paga, algo em torno de 1000 libras.
Não foi à toa, que saímos de lá e eu fui procurar a primeira liquidação. Um frio louco, e euzinha, tentando ser local, sai com uma pachimina! Precisava urgente de um cachecol gordo, felpudo, que desse umas tres voltas e que de quebra chegasse atá às orelhas.




Enter your email address to subscribe to this blog and receive notifications of new posts by email.

Junte-se a 9 outros seguidores

outubro 2017
S T Q Q S S D
« abr    
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  

Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts por email.

Junte-se a 9 outros seguidores

viagens
free counters

Atualizações Twitter


%d blogueiros gostam disto: