Posts Tagged ‘ESTOCOLMO

14
set
10

Ice Bar Stockholm

Entrada do Ice Bar

O Absolut Ice Bar, fica no saguão do Nordic Sea Hotel. Compradas as entradas pela internet, é só chegar, e dar o código. Eles até pedem o “papel”, mas é frescura.

Aí, a gente entra numa espécie de vestuário futurístico, e nos dão um “poncho” super pesado, almofadado com capuz. E todos se transformam e esquimós azuis e fofinhos, sem medo de pagar mico. Ao contrário, todos pagaram para pagar esse mico, a -5 de temperatura ambiente. Mas!!! A entrada vale um drink, feito no balcão de gelo, servido no copo de… gelo. Drinks feitos, óbvio, com Absolut (aí eu gostei).

E é líquido e certo, que um só não basta.  Pois além de tirar fotos, beber e rir muito, não há muito mais o que fazer. O lugar é pequeno, tem umas três mesinhas “de centro”  e mais algumas tipo bar, altas, para poder apoiar seu copo enquanto clica e fotografa tudo que estiver em volta.

Esse casaco-capa, até que esquenta, mas não muito. O Ice Bar é para isso mesmo, uma “experience”.  Tipo  -Vai ser bom, não foi?

O problema é que ela (a capa) só cobre o tronco e os braços. Donde se conclui, que em alguns minutos, seus pés, suas pernas e os  entretantos, ficam congelados e o sorriso começa a se desfazer. Então vale dar pulinhos,  se saculejar, fazer a dança da foca doida, qualquer coisa para se esquentar um pouco e lógico, pagar mais micos gelados.

Vale lembrar que nem tudo é gelo. Rola muito acrílico!  Mas tudo bem. Vale a brincadeira, as fotos e os drinks que são bem gostosinhos.

Na saída, mais um miquinho…

Passado o momento urso polar, caminhamos de volta para o Hostel. E a noite ainda estava chegando.

parecendo uma pintura de Van Gogh.

E pimba, já estávamos nos na cidade antiga, repleta de pubs. Nos jogamos logo no primeiro, onde convidei Rafael para uma Guiness, mas ele gostou mesmo foi da Leffe. Finesse é finesse.


Bom eu adooooro um pub.

E um pub em Estocolmo, tem um outro clima, né? Bom, aí a gente se empolgou e fomos a outro bar e assim por diante.

Olha a cor do céu, às 11 e 45 da noite!

O fato é que a cidade nesta época do ano é uma festa de dia e de noite. Por isso mesmo, logo cedo, no dia seguinte, fomos explorar a cidade nova. Conto tudo no próximo post.

Té!

Anúncios
06
set
10

Estocolmo 2 Djurgarden

fonte: Wilkicomons

Nessa foto de Djurgarden, que é ao mesmo tempo parque e ilha

Chega-se a ilha (parque) de Djungarden, de barco. Nesta ilha, em primeiro plano e atrás de mim o Museu Nórdico, e atrás do Museu, o teto marrom do Vasamuseet.

Parece um lugar encantado, com tudo arrumadinho. Eu adoro museus e por isso mesmo, em algumas viagens eu me controlo e não entro. Nesse dia, ensolarado, com a cidade se mostrando como uma criança que recebe visita, eu queria mesmo era ver tudo isso, e comemorar.

Chegamos então ao Josefina. O Restaurang Josefina não é só mais um dos zilhões de bares de Estocolmo. De Maio a Setembro, o terraço, com capacidade para mil pessoas, é decorado com enormes sofás, poltronas e almofadas. Um bar ao ar livre,  palmeiras (como sobrevivem ao inverno é um mistério) um som tranquilo  e uma taça de vinho, se encarregam do ótimo clima do lugar.

Famílias inteiras com bebês cor de rosa, grupos de amigos, casais. Todo mundo esparramado, em plena segunda feira, tomando sol e curtindo com tudo, no Josefina.

Todo mundo numa boa…

Vista para o Royal Palace.

Como eu disse, são salas de estar, ao ar livre. A gente vai ao bar, pede e paga o que quer, e fica onde quiser, quanto tempo quiser.

Bebericamos  umas taças de vinho … mas a viagem, low cost, não dá para arroubos em restaurantes. Fomos de cachorro quente, que em Estocolmo, é invariavelmente indescente e invariavelmente servido por uma loura linda e sorridente.

Neste jardim dá para ser feliz!!

Mas seguimos andando…por Djurgarden

E descobrimos jardins secretos dentro do jardim.

Skansen também ficou para a próxima vez. É um museu a céu aberto, junto com um zoológico. Ou seja, essa ilha é a area de lazer da cidade.

Incluindo o tal Hot Dog obsceno. Reparem nas “tetas” . Mustarda e ketchup, são literalmente ordenhados, por cima da linguiça que está sempre assada para fora do pão.

Pausa para um café e para mais um visual.

E voltamos por Strandvagen, a “rua da praia”.

Mais uma ponte e voltamos a Gamla Stam, cidade antiga.

Onde o charme substitui o verde.  E o Royal Palace aparece.

A essa hora a cidade antiga, está animadíssima e os pubs começam a se acender.

Mas nosso destino era outro. Previamente agendados e comprados pela internet, nossos tickets para o Ice Bar nos esperavam.

O Absolut Ice Bar, fica no Nordic Sea Hotel, Vasaplan 4, no Centro de Estocolmo na cidade nova.

A entrada, comprada pela internet é mais barata, SEK 170, por pessoa, algo em torno de 18 euros ou 40 reais. É bom não perder seu copo (de gelo), pois o primeiro drink é grátis, mas os demais custam SEK 95, uns 10 euros ou 22 reais. É caro, eu sei. Mas é dessas coisas que se a gente não fizer, vai ficar faltando e quando você se lembrar que não foi, vai ficar p da vida. É bom ir logo e ficar livre. Vale a pena, mas em grupo. Sozinho, deve dar  tédio em 5 minutos.

Conto mais no próximo post.

Até!

05
set
10

Estocolmo

O bom de ter um blog, é que em meio a uma bagunça, móveis empoeirados, tudo de pernas para o ar, eu posso reviajar!  Amanhã começa tudo outra vez! E só para matar a curiosidade, a tal granada, é uma antiguidade. Meu pai, acreditem, lutou na Revolução de 32, que tinha como objetivo separar São Paulo do resto do país. Como recordação, ficaram uma granada e dois capacetes. Meu filho queria ficar com tudo, mas imginei, o Dani entrando no Reino Unido com uma granada! Definitivamente, não ia dar certo.

Então voltando ao mágico mundo , sim, estávamos os três em Estcolmo, cidade fundada em 1252, capital da Suécia, país todo trabalhado na monarquia. São 14 ilhas, ligadas por pontes, linhas de metro, barcos. O mapa aí de cima, dá uma idéia. Nosso albergue, localizado em Gamla Stam, essa pequena ilha central. Nossa rua, a Stora Nygatan, que em sueco quer dizer A Nova Grande Rua, corta a ilha de ponta a ponta. Pode parecer difícil, mas é fácil se locomover a pé. A gente pula de uma ilha para a outra sem nem sentir. Nosso albergue, fica examente no meio da Stora Nygatan, e podíamos ouvir os sinos da catedral de Estocolmo.

Depois de prepararmos nosso café da manhã na cozinha do Archipelago Hostel (tínhamos nos abastecido num mercadinho), partimos para explorar a cidade.

Posso estar errada, mas foi a maior concentração de bares e restaurantes que eu já vi em um curto espaço. E é cada um mais convidativo que o outro.  No caminho para o porto, estação dos ferrys, eu realmente perdi a conta.

A impressão que dá, é que eles colocam a sala de estar na varanda, para aproveitar a luz e o calor do sol. Luz que vai tranquilamente até 10, 11 horas da noite.

Esses e mais uns vinte, no caminho entre o hostel e o porto.

Aí, com licença da palavra, é um desbunde. A gente aqui do Rio, que está acostumada com as Barcas Rio-Niterói-Paquetá, etc. tem vontade de chorar. Porque além dos barcos hop-on hop-off (a gente entra e sai aonde quiser, quantas vezes quiser), há os barcos normais, que transportam os cidadãos de uma ilha para outra. O porto é chic, não fede, não tem ninguém te cutucando e  te pedindo para pagar um pão. Tem… mais bares lindos!

Por sek 220 (coroas suecas), cerca de 23 euros, a gente entra nesse barco e passeia por todas as a ilhas, descendo onde quiser.  Uma coisa importante, foi ter conhecido esta cidade na primavera. Primeiro não teríamos o mesmo tempo para curtir a cidade, se fosse inverno,pois quanto mais ao norte, menos tempo de luz no inverno e mais no verão. Imagino esse passeio a -5!

Mas o dia estava perfeito, ensolarado mas fresquinho, e nós em clima de jardim de infância. Fizemos o tour todo, passando por  Sodermalm, ilha ao sul de Gamla Stam, onde as construções são do século

18, pela área chamada Slussen, que é a ligação das duas ilhas…

O tour de barco nos leva até Satrdsgarden, que é um dos portos de Estocolmo… onde os navios de cruzeiros costumam atracar.

Até o Parque Grona Lund

Por Strandvagen (Rua da Praia), cujas construções são lindas!

E decidimos saltar em Djurgarden, que é ao mesmo tempo um parque e uma ilha, onde está o Museu Vasa dedicado a um único barco Vicking. Mas o dia estava lindo, e com tres dias para conhecer a cidade, os museus ficam para a próxima. Fomos andando e chegamos ao delicioso Josefina. Um open bar delicioso. Mas como este post está enorme, as fotos também ficam para o próximo post!

Até!

29
ago
10

e agora? De Edimburgo a Estocolmo, lá na Suécia!

Este post é totalmente em homenagem ao meu querido amigo Rafael que está dodói.  Então meu querido, este e os próximos posts,  serão para revivermos nossos dias ensolarados, engraçados e deliciosos nessa cidade (em que você estreou tantas coisas!)

Este ônibus nos levou ao aeroporto de Edimburgo. Nosso destino, Stockholm! Devo confessar que  tanto Edimburgo como Estocolmo entraram no nosso roteiro, meio por acaso. O acaso das passagens estarem muito baratas (em relação a outras, para outras cidades). Mas é lógico que pesquisei antes, e sabia que era uma cidade linda. E apesar de Estocolmo não estar normalmente no topo de uma wishlist (inicial) , esta cidade está no top0 da minha wishlist de cidades que eu quero voltar.

Nosso vôo era de manhã e estávamos mesmo, os três, muito cansados. Barcelona já tinha sido intensa, e em Edimburgo, com apenas um dia para conhecer uma cidade tão linda, nós nos acabamos de andar. Mas mesmo calados e meio caídos, a excitação de conhecer Estocolmo, tremulava no ar.

O que está em verde – Boarding – era nosso vôo, Skavsta o nosso destino, a uma hora e pouco de Estocolmo.

EDI Aeroporto de Edinburgh

São 4 horas de viagem de avião, mais uma hora e meia no Flybussarna.

Um ônibus maravilhoso, comfortável (aliás, mais confortável que muitos ônibus que eu já peguei na Europa) e no qual a gente consegue dormir quase todo o trajeto, embora a paisagem lá fora, seja deslumbrante. Compra-se o ticket para o ônibus no próprio aeroporto, onde aliás, não se pode esquecer de comprar corôas suecas, no Banco Forex. Não tem erro. Mesmo  na cidade, é só procurar o Forex, e trocar seus euros por corôas.

Imigração em Skavsta

NYO Aeroporto Skavsta

Amei chegar à Suécia. Até porque era um país que eu pouco tinha cogitado antes, e de repente, me sentir na Escandinávia, prestes a ver o Mar Báltico, passeando pela Suécia, mexeu com a minha geografia interior e com a criança também. Eu estava empolgadíssima.

O ônibus chega na Central Station (estação de metrô e ônibus). Chiquérrima!

E levamos muito tempo para descobrir como comprar os tickets do metrô.

Tentamos de tudo, máquinas, procurar por um guichê,  e por fim conseguimos comprar os tickets numa espécie de loja de conveniência.

Mas só o passeio pela estação já vale a pena. Moderna,  chic, limpíssima e o banheiro???  parecia saído de uma exposição tipo Casa Cor. Inacreditável! Mas que esta estação nos deu um baile, isso deu.

Nossa estação era exatamente a próxima, Gamla Stam Depois descobrimos que poderíamos ter ido andando, o que teria sido realmente muito mais simples, pois a gente não conseguia nem sair da estação para a rua. Subimos e descemos duas vezes de elevador mas a gente não conseguia sair da estação de Gamla Stam.

Enfim chegamos ao nosso Hostel. Mais precisamente ao Archipelago Hostel, na cidade antiga, numa rua animada, cheia de lojinhas e bares, chamada Stora Nygatan. Perfeita localização, pois a cidade antiga é charmosíssima e tem bares, restaurantes, lojas, e até supermercado. Bingo!

Já era umas 6 horas da tarde quando finalmente adentramos o nosso quarto, com dois beliches. Tivemos que rachar a quarta cama, pois nos albergues, a gente paga pelas camas, mas nesse caso, como ficamos com três das quatro, pagamos pelo quarto todo. Mesmo assim, valeu super a pena, pois o Archipelago é mais legal que muito hotel. Ah! que vir o filminho no site, esquece o que vir sobre o banheiro. Está tudo reformado, e o banheiro coletivo é bem legal, e boxes separados por blindex. Eu sei que o nome albergue pode sugerir uma bagunça, mas neste, era tudo organizado, limpo e bonito.

Fomos então fazer o reconhecimento da cidade. Só para nos localizarmos, pois tínhamos que dormir para poder, no dia seguinte, aproveitar cada centímetro desta cidade formada por 14 ilhas e cercada de mares por todos os lados.

Vista da nossa janela.

Então, já chegamos a Estocolmo. Próximo post… vamos passear, e muito!

Até!

14
jun
10

Viagem pela Europa – compartilhando os detalhes…

ESTE BLOG MUDOU DE ENDEREÇO:

http://www.maladerodinhaenecessaire.com

Aeroporto Tom Jobim – Rio de Janeiro

A intenção desse blog no início, era tão somente compartilhar com os amigos a emoção de cada viagem, postar algumas fotos (muitas aliás), e dar notícias e depois falar o que eu tivesse vontade no dia a dia. Com o tempo e depois de muitas horas na internet, fui mesmo querendo registrar e compartilhar o que deu certo, as roubadas (Merci Dieu, muito poucas), e se puder ajudar alguém, que como eu, já ficou muito perdida e ansiosa, a chegar mais rápido às respostas que a gente sempre procura na hora de viajar, eu já fico feliz!! Sei que ninguém encontra euros,  libras ou dólares dando sopa, e que  em uma viagem desse porte, quanto mais  informação melhor, e  menos tempo e dinheiro a gente vai desperdiçar. A maioria dos termos de busca aqui no blog, são exatamente sobre os detalhes.

Começando do começo, preciso falar sobre a Air France. Eu, particularmente nunca tive problemas.  A passagem do vôo cancelado por causa das cinzas do vulcão, já me foi reembolsada, sem nenhum stress. Mas meus amigos, passaram  um domingo inteiro (dia do embarque) de stress e  expectativa de perder o vôo para Barcelona, pois a AF simplesmente mudou o horário do vôo, que saiu 3 horas depois. Tempo suficiente para perder a conexão da Vueling que os levaria a Barcelona. Não conseguiam falar com o atentimento ao cliente( imagine! domingo não funciona!),  e quando conseguiram algum contato,  a companhia simplesmente não se responsabilizou por nada. Eles acabaram comprando novas passagens para Barcelona. Nisso, foram muitos telefonemas internacionais, prejuízo em dinheiro e tempo! Coisa importantíssima, quando se tem três dias numa cidade.  Outro detalhe: não sei se por causa dos prejuízos incalculáveis que todas as cias aéreas tiveram por causa das cinzas, o menu a bordo (ponto alto da Air France, falei sobre isso aqui), não foi aquela fartura… Nada de vinho à vontade, Hagen Dazz, sanduíches, Heinekens etc. Isso tudo sempre foi oferecido no meio do avião, no meio do vôo. Não que eu seja uma comilona contumaz, mas um vinhozinho, sempre ajuda na hora da insônia… Foram 6 vôos assim. Os meus,  os da minha filha e os dos meus amigos. Apesar de ter a tarifa mais barata, já estou pensando duas vezes .  Como vou sempre para Londres, desta vez o mais barato, não sai tão mais barato assim, já que cheguei no Charles de Gaulle,  e a conexão para Londres (minha e da minha filha), partia de Orly, no extremo oposto de Paris. Tivemos que pagar o ônibus da própria AF, 19 euros cada uma, para o translado. Ou seja, foram mais quase 80 euros, fora todo o tempo gasto, ter que tirar as malas da esteira, embarcá-las no ônibus, e fazer tudo ao contrário. Enfim… fica aqui o depoimento. A outra opção, seria a British Airways. Mas desde o fim do ano passado, tem havido várias greves do pessoal de bordo. Então, da próxima vez, vou ter que pesquisar bastante, para me decidir.

Imigração:  Pois é. Não sou a pessoa mais indicada para contar sobre esse momento que tira o sono. Nunca tive problema nenhum, talvez pela faixa etária.  Em Paris, nunca perguntam nada. Já para entrar no Reino Unido, a coisa muda de figura. Para começar os não europeus (the rest of the world  ou all passports), tem que preencher o Landing Card, com seu nome e sobrenome, sexo, número do passaporte, tempo de duração de sua estadia no Reino Unido, endereço de contato, de onde você está chegando, núnero do vôo, trem, ou navio, e sua assinatura. (Só falta pedirem fotos da família!). E sempre perguntam qual o motivo da viagem, quanto tempo pretende ficar. Dependendo da idade, vão te pedir a passagem de volta, perguntar quanto dinheiro você tem, se conhece alguém em UK, e daí tudo pode acontecer… Os brasileiros não precisam de visto prévio para entrar em UK, mas o  Immigration Officer é que vai definir se você entra ou não.  Então é bom que esteja com tudo à mão e saiba responder essas perguntas, porque mesmo com o passaporte todo carimbado, eles perguntam mesmo. Na primeira vez que imigrei, eu não tinha a menor noção de onde estava e o que era aquilo. Estávamos vindo de Amsterdam, de ônibus, paramos em Calais, antes do ferryboat, fazia um frio louco às onze da noite, e euzinha estava com uma febre de 40!!! A oficial me perguntou um monte de coisas e eu fui respondendo, assim super a vontade, como se ela fosse só alguém muito curiosa!!!! Só depois caiu a ficha!

Nos outros países, é quase a mesma coisa com exceção do Landing Card. Sapecam o carimbo e pronto!

A malinha (de cabine). Item indispensável e de suma importância, se quiser viajar low cost mesmo. Vi de tudo nos aeroportos, inclusive dentro dos aviões, mas nunca se sabe como vai estar o humor do funcionário. Se ele te mandar pesar, ou pior, testar a mala no tal engradado, e ela fracassar no teste… 35 dinheiros (digo dinheiros, pois podem ser libras, euros, coroas checas ou suecas…depende do país que você estiver embarcando). E acredite! Dói mesmo se você pagou míseros 8 dinheiros, pela passagem! E aí tem mais um pegadinha. O engradado da Easyjet é na horizontal, ou seja, as rodinhas podem atrapalhar. Já na Ryanair, é na vertical, e a largura é o problema. São 20 cms. A textura da mala, também pode danar tudo.   A minha (da marca Tonin) é rígida, não tem expansor, não tem bolso (não dá para cair em tentação), e a alça é embutida. Entra linda nos engradados, que nem uma modelo em roupa de desfile de griffe. Um porta-passaporte ou uma minibolsinha, que a gente possa disfarçar na hora do embarque, também ajudam.

Outro detalhe que pode parecer de menor importância, (mas na hora do entucha tudo na malinha, é muito importante), foram os tais saquinhos que falei aqui. Chamo-os de saquinhos mexups. O Espacebag, não cumpriu sua tarefa. Já em Dublin, (segunda parada), ele até “chupava”, mas em algum lugar, devia estar danificado, e voltava a encher (já dentro da malinha). Resultado: se a gente está contando com aquele super, mega,  ultra, importante espaço extra na malinha, na hora de recolocar o que foi mostrado fora da mala no security, tipo, notebook, líquidos etc (lembrando que nas cias lowcost, a gente só pode embarcar com 1 (UM) único volume!), pode dar problema.  Porém, meu amigo Rafael descolou um outro, que se chama Vacuumbag, mais barato (11,40)  e que se comportou melhor. Foi aberto e fechado váaaaaarias vezes, e continuou cumprindo a sua missão. Há que se ter um certo cuidado. E cá entre nós, esse negócio de enrolar é muito chic. O que faz vácuo mesmo é uma boa sentada com o busanfam (com calma, para não estourar!). Primeiro lacra, abre um pouquinho o zíper de silicone, busanfa em cima, e passa o lacre de novo! Aí sim, fica totalmente me xups! Para mim, é a alma da malinha para as cias lowcost. Fica tudo preso dentro do saquinho e não desmonta na hora de abrir a malinha, se algum pentelho no security quiser examinar o que tem dentro. Como só encontrei com eles (meus amigos) em Barcelona, me virei com o grande mesmo, vindo de Londres, que faz o mesmo trabalho, só que tem um enorme bocal para ser chupado com o aspirador (ou fazer o ar ser expulso na base da busanfa mesmo).

Companhias aéras low cost e aeroportos (também low cost).

Vale muito à pena!!! Para nós, acostumados a passagens caríssimas, pode até parecer roubada. Mas não é. São simplesmente companhias aéreas que cortam tudo o que não é o vôo em si. E cobram por tudo que não é o seu assento e um único volume a que o passageiro tem direito.  As regras são claras e você tem, obrigatoriamente que concordar com elas antes mesmo de reservar seu vôo. Tudo o mais, além  do seu corpicho e dessa única bagagem de mão é  cobrado. É tudo feito pela internet, pelo passageiro, inclusive o check in. Todo o resto é pago.  Embarque prioritário (fila especial para quem pagou para embarcar na frente dos outros), mala de porão, água, café, sanduíche, batata frita…tudo! O avião mais parece uma loja de conveniência que voa. Os comissários ficam anunciando o próximo item a venda, com alegria e emoção. Começa com o lanchinho, depois cartões com prêmios (raspadinha, pode?), perfumes, maquiagem, cigarros que não acendem, relógios, bijuterias, mascote da empresa, uma feira! Ah! ainda tem o fato de que qualquer mudança, hora ou dia do  vôo, alteração de nome, etc, são taxadas em 100 dinheiros. Mas tive uma experiência positiva. Na hora de reservar dois vôos, digitei o sobrenome do Rafael errado. Quase infartei quando vi, que para alterar uma letra, on line, teria que pagar quase o custo de toda a viagem 2 vezes! Dei uma pesquisada e vi que existem até fóruns de discussão sobre a companhia. Num deles achei a solução: ligar para o atendimento. Como não era alteração de passageiro, e sim correção do nome, foi simples, rápido e o melhor! Grátis, hehehe!

E todas tem o tal engradado na frente do portão de embarque, no qual, teoricamente, sua bagagem de tem que entrar facilmente, quase escorregando. Falei sobre isso aqui.

Easyjet:  quanto maior a antecedência, mais barata fica a passagem;  na hora de reservar, o próprio site mostra as opcões mais baratas, em torno da data escolhida; se achar que sua bagagem excede o permitido, é melhor pagar pela internet, uma mala de porão, pois é muito mais barato que no aeroporto (pode-se fazer isso na hora da compra da passagem ou um tempo antes do vôo); para chegar a aeronave, anda-se a céu aberto, chova, neve ou faça sol; a bagagem de mão a que se tem direito, dizem eles, não tem limite de peso, mas você mesmo tem que colocar no compartimento sem ajuda e não pode ultrapassar 55X20X40; pelo menos nos vários vôos que fiz, os aeroportos eram os centrais mesmo (CDG em Paris, Barcelona, Innsbruck, etc) mas o portão é sempre longe à beça.

Obs: na easyJet, você chega no aeroporto e vai direto para o security. Não precisa passar no balcão da empresa.

Ryanair: a companhia está sempre fazendo promoções; passagens a 3, 5, 8 e 10 libras ou euros, estão sempre em destaque no site; algumas não tem mais nenhuma tarifa, ou seja, é só isso mesmo; outras passagens são acrescidas de taxa de administração, web check in, pagamento via cartão, etc; essas promoções tem um período determinado para serem reservadas, e outro período determinado para o vôo em si;  a bagagem de mão só pode ter 10 quilos e 50X20X40; e se tiver dúvida se sua bagagem cumpre as regras, também é melhor pagar pela internet, uma mala de porão; a companhia se orgulha tanto de sua pontualidade, que toca uma corneta em alto e bom som quando aterrissa na hora certa (uma comédia!)

Obs: nessa companhia, os não europeus, precisam passar no balcão da companhia, para checar a passagem e seu passaporte antes de seguir para o security.

Existem outras low cost, como a Vueling, Airberlin, Germanwings etc. Mas como minha base é Londres, acabo sempre nessas duas das quais falei.

Um outro detalhe que pode interessar ou mesmo desesperar a gente  é errar o grafia do nome na hora de digitar o passageiro para fazer a reserva. Isso aconteceu comigo e é quase um terror quando a gente tenta consertar on line. Na página da Ryanair (manage your trip), você pode fazer de tudo. Acionar malas, comprar o direito de embarcar primeiro (priority ), etc. Mas mudar o horário do vôo ou o nome do passageiro, custa a bagatela de 100 dinheiros!  Mas se o problema for uma única letra ou uma sílaba errada, calma! Vá para a página de tefefones de contato, anote o número e no primeiro país europeu que você estiver, ligue e peça para fazerem a correção. A mocinha é atenciosa e conserta o nome. Rápido e de graça. Acredite!

Embarque: é bom passar pelo security, com alguma antecedência. os portões de embarque, pelo menos nos aeroportos de maior porte, são sempre muito, muito longe! Outra dica, é ter sempre a passagem de saída do país para onde você está indo. Se você está indo para Barcelona e de lá para Madrid, tenha a passagem para Madrid à mão. Quase sempre pedem.

Aeroportos:

Os aeroportos utilizados pelas cias low cost, em algumas cidades, são na realidade, fora da cidade. Então criou-se um exelente negócio, que são os ônibus, que ligam esses aeroportos ao centro da cidade. E na maioria das vezes, estão sempre a disposição da chegada dos vôos low cost.  As passagens variam de cidade para cidade. O mais caro que eu paguei foi em Estocolmo, talvez devido à distância, pois o avião pousa em Skavsta, que fica mais ou menos a 100 kms de Estocolmo. Em Paris, aterrissamos em Paris-Beauvais (eu juro que nunca tinha ouvido falar desse aeroporto), também longinho, e também servido por um ônibus que deixa os passageiros em Porte de Maillot  em Paris.

Então, mesmo que se perca uma hora ou mais, ainda vale a pena, pois os ônibus são confortáveis e confiáveis. E…. Estarão lá quando você chegar.

O que mais importa nos aeroportos não é o tamanho (normalmente menores que os centrais), pois todos tem tudo que um aeroporto precisa ter. E sim, como a companhia vai avaliar sua bagagem. E como regra geral, o mais incrível é que não há regra que valha para todos eles. A imigração, na chegada, e na hora de embarcar, o security, também  é diferente em cada um deles e em Londres e Paris, nem imigração teve.  Assim como é diferente, na hora de encontrar seu portão de embarque, e principalmente, os critérios para avaliar sua malinha. Depois da experiência de Carol no aeroporto de Dublin, Rafael e Juliana, que apesar de serem leitores assíduos do blog, derraparam na escolha da mala, resolveram não arriscar, e pagaram bagagem de porão. Mas vimos muitas, várias malas bem mais gordas, altas, ou mesmo mochilas, dessas que tem vários compartimentos , passarem tranquilamente, no portão de embarque. Mas em Estocolmo por exemplo, ninguém estava preocupado com o formato. Porém, estavam pesando as malas!!! Ou seja, se eles não estivessem comigo, eu talvez tivesse que pagar excesso ou despachar, pagando a tarifa mais alta, pois minha malinha, já no fim da viagem, estava com 12 quilos! (Cometi alguns pecados mortais, comprando algumas lembranças, e cada grama pode fazer a diferença). O que eu posso dizer e aconselhar é: siga à risca o que está escrito no seu bilhete. Assim não tem tensão, o que estraga o prazer de estar indo embarcar para uma nova experiência. Ou então, relaxe, compre a bagagem de porão por 15 dinheiros, e se permita alguns pequenos excessos.

Próximos posts… mais detalhes.

Até!

31
maio
10

chegando em Stockholm

Nossa chegada à capital da Suécia foi no aeroporto de Skavsta. O traslado para Estocolmo é no Flybussarna, por 219 SKE. Isso mesmo. Coroa Sueca, dá um susto! Antes do ônibus, fomos no guichê da FOREX  e trocamos dinheiros…

1 euro =  9,25 krones suecos.   no dia de nossa chegada).  Esse ônibus,  tudo de bom, percorre 100 Km até Stockholm, atravessando florestas… todos a bordo, sem exceção, cochilam, dormem e babam em algum momento.

Chegamos na Central Station, pausa para café e afins. Depois fomos tentar descobrir como comprar tickets de metro para ir para nosso albergue.  Achar a estação de metrô até que foi fácil (benditos ícones). O problema eram exatamente os tickets. Máquina? guichê?…  depois de algumas tentativas modernas, tipo, fazer perguntas  para um computador  e esperar em vão pela resposta, resolvi apelar para a coisa mais antiga e prática que eu conheço! PEDIR INFORMÇÕES.

Resumindo, perguntar é a maneira mais fácil que se tem de conseguir uma informação. No máximo fica-se tão perdido quanto já se está. Tickets comprados (depois descobrimos que era mole ter ido a pé!!!), chegamos então ao Archipelago Hostel. É albergue mesmo! Numa rua cheia de cafés, comércio e pubs.  Quarto coletivo, com beliches. Banheiro, impecável, tudo organizado.

Esta foto é tudo junto, ao mesmo tempo, a recepção, a sala de internet e … à direita, lá no cantinho, a porta do nosso quarto.  O mais bem localizado, diga-se de passagem. Helena, a recepcionista, foi uma simpatia, e nem nos cobrou pelas toalhas que deveriam ter sido alugadas, assim como a roupa de cama.

Devido ao estado adiantado de exaustão, fizemos um reconhecimento da área, achamos um supermercadinho, fizemos umas comprichas e resolvemos descansar!

Hoje, acordamos bem mais felizes e descansados, e fomos alegres e saltitantes, passear.  Passear de barco! E fomos dar num restaurante encantado, onde beber e comer e depois descansar, podem conviver juntos. tudo num sofá.  Open bars por toda a parte.

Sol, domingo, parque em Estocolmo… Depois conto mais…


29
maio
10

rata de aeroporto

Pois é. Os últimos posts foram truncados, quase em linguagem telegráfica. Nessa maratona que estamos vivendo intensamente, quando finalmente alcanço meu netbook, já estou à beira do estado vegetativo de tanto cansaço.

Edinburgh

Então como sempre faço, vou reeditar todas as cidades com a atenção que cada uma merece, quando voltar.

Em Edinburgh, tínhamos apenas um dia e algumas horas. Chegamos muito tarde por causa de um atraso no vôo. Com tudo organizado no nosso roteiro, pegamos o Airlink 100 no aeroporto de Edimburgh. É esse ônibus, chiquérrimo por sinal, que faz o translado até o centro da cidade por 6 euros.  Andamos até nosso hostel, largamos as malas e fomos em busca de alimento.

E meu dedinho de ouro nos colocou num hostel, bem perto de pubs, comes e bebes, e do melhor e mairo fish&chips que eu comi na minha vida!

Alimentados, voltamos para o quarto para mais uma camada de roupas e uma volta rápida na cidade.   Rafael em total surto, já sonhava com o café da manhã, todo trabalhado na tipicidade escocesa e concedeu à Madona, a tarefa de nos acordar no dia seguinte às 7 da manhã (no alarme do celular), para o café e posterior conhecimento da cidade. Estávamos completamente exaustos. Barcelona foi intensa em todos os sentidos e em Edinburgh, tínhamos um hora a menos.

Essa conjunção de fatores, fez com que eu achasse, que Madona e o celular de Rafael, tinham um projeto secreto para me enlouquecer, já que nem senti que tinha dormido.  O tal do guaraná em pó junto com aquela adreanalina de viajar, deflagaram uma reação complexa  em Rafael que  perambulava pelo quarto em passos largos e pulsantes, enquanto eu e Juliana mal conseguíamos balbuciar bom dia. O tal do continental breakfast, que consiste em feijão ao molho de tomate, uma enorme salcicha, tomate, e pasmem! um ovo para arrematar tudo, também me fizeram achar que pela primeira vez iria precisar aconselhamento…

Nosso hostel não era em pleno buxixo como o de Barcelona, mas era pertinho do centro (0 que não é muito difícil). O centro onde o comércio bomba, fica simplesmente o lado da cidade antiga. Ou seja, a gente pode fazer compras na Topshop com vista para o castelo. É só atravessar a rua e pronto.  Gaita de fole como fundo musical, parques, escoceses desfilando, e nos parques, gnomos e duendes.

Andamos umas 11 horas seguidas pela  cidade. Essa loucura de primavera, que só escurece ás 10 da noite, acaba fazendo a gente não parar nunca. Só quando acaba a bateria de todos os instrumentos de captação de imagens, é que a gente se deu por vencido.

Ontem fomos dormir às 3 com o dia amanhecendo em Edinburgh, depois de um por do sol de cair o queixo (lá pelas 10 da noite).

Hoje às 6 já estávamos de pé (?), com as malinhas arrumadas. Confesso que meus membros inferiores conspiraram contra mim, durante toda a manhã.  Mas enfim chegamos ao aeroporto. Todos meios silenciosos, olhares distantes… Pura exaustão. O guaraná a essa altura, só teria efeito se diretamente aplicado na veia.

E agora? Agora estamos num albergue em Estocolmo.

Amanhã, conto mais…




Enter your email address to subscribe to this blog and receive notifications of new posts by email.

Junte-se a 9 outros seguidores

setembro 2017
S T Q Q S S D
« abr    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930  

Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts por email.

Junte-se a 9 outros seguidores

viagens
free counters

Atualizações Twitter


%d blogueiros gostam disto: